Migrantes podem vir a ser tantos quanto população de Odemira e Aljezur juntas. Escassez de água agrava-se

Migrantes podem vir a ser tantos quanto população de Odemira e Aljezur juntas. Escassez de água agrava-se

Se a área de estufas triplicar na região do Parque Natural do Sudoeste Alentejano, haverá tantos trabalhadores sazonais como os residentes em Odemira e Aljezur. E a água não chega para tudo nem para todos, alerta o movimento Juntos pelo Sudoeste

Estimava-se em 2019 que a área de estufas existente no Parque Natural do Sudoeste Alentejano (PNSACV) rondava já 1200 hectares e que, com a luz verde dada por uma resolução do Governo, viesse em breve a triplicar. Não se sabe ao certo quanto já cresceu no último ano e meio, mas o movimento Juntos pelo Sudoeste estima que “as novas explorações cresçam a um ritmo de 200 hectares e dois mil novos trabalhadores em cada ano”. Por isso, e tendo em conta que oficialmente existem 10 mil trabalhadores sazonais, o movimento questiona: “Como vão integrar 30 mil imigrantes numa população residente de 32 mil pessoas (nos concelhos de Odemira e Aljezur)? E como vão ser preservados os valores do parque natural, que estão a ser negligenciados pelo Estado?”. É que, além das questões há muito apontadas relacionadas com a poluição por plásticos e fitofármacos agrícolas nesta área protegida, agravam-se os problemas relacionados com a escassez de água na região e outras questões ambientais.

O próprio presidente da Câmara Municipal de Odemira, José Guerreiro, alertou esta semana para a “forte possibilidade de haver falta de água na região” e de a “água disponível na albufeira da barragem de Santa Clara só chegar para o período de um ano, caso não chova”. O autarca apontou o dedo à agricultura intensiva como responsável pelo “agravar do problema”.

Barragem de Santa Clara a 40%

Dados da Agência Portuguesa do Ambiente (APA) de final de abril indicam que das 60 albufeiras monitorizadas quatro tinham menos de 40% do volume total, entre as quais as das bacias do Mira (Odemira). “Há dois anos que a barragem de Santa Clara está abaixo do chamado nível morto, ou seja, abaixo do nível que deveria impossibilitar a exploração para atividade agrícola”, aponta Nuno

Continue a ler este artigo no Expresso.

Comente este artigo
Anterior Vinho do Porto tónico em lata e pronto a beber para conquistar novos consumidores
Próximo PAN pede debate de urgência na quinta-feira sobre situação em Odemira

Artigos relacionados

Nacional

Sabe o que é a camarinha?

Tem havido um crescente interesse de estabelecer a camarinha como cultura, mas a informação sobre o seu sistema de reprodução é […]

Nacional

Laranjas do Algarve ‘falam’ alemão. Lidl começa a exportar para este mercado

Nos últimos 5 anos, o Lidl comprou 41,5 mil toneladas de citrinos certificados IGP, sendo um dos principais compradores deste tipo de […]

Sugeridas

Milho – Novo site e novas áreas do Projeto Milho Amarelo – Video

Conheça o site do projeto Milho Amarelo que inclui novas secções de Agricultura de Precisão, Sustentabilidade e Biodiversidade.