Medidas atualizadas contra o greening dos citrinos

Medidas atualizadas contra o greening dos citrinos

A DGAV divulgou as novas exigências para a produção e comercialização cítricolas, por causa da praga da psila africana dos citrinos.

Os requisitos técnicos para a produção e comercialização de citrinos e outras rutáceas em local livre de Trioza erytreae, inseto vetor da doença citrus greening, foram atualizados e publicados recentemente pela Direção-Geral de Alimentação e Veterinária (DGAV).

As rutáceas são uma família de árvores onde o género Citrus impera do ponto de vista do valor económico. O citrus greening, greening dos citrinos, doença de Huanglongbing ou ainda enverdecimento dos citrinos é causado pela psila africana dos citrinos (Trioza erytreae), inseto vetor que provoca também estragos diretos nos citrinos.

“Atendendo à deteção de Trioza erytreae em algumas regiões do país e dado o alargamento já ocorrido da zona infestada por este inseto, procurou-se acautelar um conjunto de condições para assegurar a continuidade da produção e da comercialização de material de propagação citrícola em regiões onde a praga esteja presente”, explicam os responsáveis da DGAV no documento. A atualização foi motivada pela “experiência entretanto adquirida” e pela nova legislação em vigor: Anexo VIII do Regulamento de Execução (UE) 2019/2072 e Portaria n.º 142/2020.

A Trioza erytreae é uma praga de quarentena em território nacional. 

Na zona demarcada da T. erytreae, além da obrigatória declaração de plantas-mãe ou de viveiro, as plantas de citrinos e outras rutáceas devem ser produzidas “num local com proteção física completa contra este inseto”, tendo sido alvo de duas inspeções oficiais no último ciclo vegetativo, sem apresentar sintomas da praga.

Para a comercialização, as plantas devem também ser mantidas num local com proteção física completa contra este inseto “e ser provenientes de áreas isentas (fora de zonas infestadas e zonas tampão) ou de viveiros localizados em zonas demarcadas”, entre outros requisitos, que visam garantir a não ocorrência de infestação.

O InPP tem um projeto de cooperação com a DGAV, de participação na task force de fitossanidade e para apoio ao plano de luta biológica com vista a controlar a Trioza erytreae.

O artigo foi publicado originalmente em InnovPlantProtect.

Comente este artigo
Anterior Ministra da Agricultura promove a elaboração de estudo para levantamento das necessidades de investimento e do potencial de desenvolvimento do regadio público
Próximo DGAV: Rinopnemonia equina

Artigos relacionados

Vídeos

Faça Chuva Faça Sol – T.2 Ep. 21

Neste programa conhecemos a produção de arroz em Portugal, um trabalho que envolve muita tecnologia […]

Sugeridas

Eduardo Oliveira e Sousa reeleito para um novo mandato à frente da CAP – Confederação dos Agricultores de Portugal

O atual presidente da CAP renova o mandato para o triénio 2020/2022. A nova Direção integra quatro novos membros […]

Nacional

Grupo Vila Galé investe 3,5 milhões de euros em lagar no Alentejo para produzir os seus azeites

A empresa Casa Santa Vitória, do grupo Vila Galé, inaugurou hoje um lagar para produzir os seus próprios azeites, no concelho de Beja, […]