“Mais de 90% dos municípios” têm planos de defesa da floresta eficazes, garante MAI

“Mais de 90% dos municípios” têm planos de defesa da floresta eficazes, garante MAI

O ministro da Administração Interna garante que mais de 90% dos municípios em Portugal têm planos de defesa da floresta contra incêndios eficazes. Eduardo Cabrita reagiu assim, esta quarta-feira, à divulgação de um relatório do Tribunal de Contas (TC), cuja análise aponta para inúmeras falhas no planeamento, articulação e atualização dos dados, bem como na atribuição das verbas por parte das autarquias.

“O Governo já alterou a lei. Aplicou aliás sanções em agosto pela primeira vez. O TC não reparou porque estava a olhar para realidade anterior a 2017, quando eu tinha ainda a tutela das autarquias locais, no Governo anterior. Pela primeira vez foram aplicadas retenções de transferências financeiras para municípios que não tinham cumprido as regras em matéria de proteção da floresta contra incêndios e hoje mais de 90% dos municípios do continente dispõem de planos eficazes, atualizados”, considerou.

A desatualização do relatório – que se reporta ao período entre 2015 e 2017 – é um dos pontos que Eduardo Cabrita mais sublinha, mas o ministro diz que vai analisar o documento e as recomendações. O Governo é visado numa série de itens – por exemplo, deve definir “a entidade supramunicipal responsável pela monitorização da execução dos planos” e capacitá-la para o efeito –, mas também o Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas e os municípios são alvo de indicações.

“Felizmente o país e o Governo não esperaram pelo TC. Em todos os domínios tem sido dada uma resposta: nos guardas florestais, nos planos municipais de defesa da floresta contra incêndios, na prioridade à prevenção – em programas como o “Aldeia Segura, Pessoas Seguras” –, no reforço da resposta operacional, na resposta nos meios aéreos. A sociedade portuguesa percebeu que este é um tema que exige uma resposta ao longo de todo o ano”, frisou.

Em jeito de conclusão, o ministro da Administração Interna declarou ainda que o fundamental é a “consciência coletiva e o empenho de meios” – e que apenas isso “garantirá os resultados” esperados.

O artigo foi publicado originalmente em Rádio Renascença.

Comente este artigo
Anterior Ministra da Agricultura afirma que "é errado dizer que o olival é um sorvedouro de água" e acrescenta que "as culturas de sequeiro não existem devido ás alterações climáticas" (c/som)
Próximo Novo matadouro em São Jorge construído na próxima legislatura

Artigos relacionados

Dossiers

Perturbação subtropical 99L, primeiras chuvas de Outono.

Como foi adiantado ontem, estamos a vigiar um sistema de baixas pressões com algumas características subtropicais, que deverá ter alguns efeitos no território de Portugal continental a […]

Blogs

THE COVID-19 CRISIS AND EU AGRICULTURE: WHAT WE NEED AND WHAT WE DON’T NEED

In all major crisis there is a moment of denial, a moment of blame and a moment of reckoning. We are experiencing a major and unprecedented crisis, […]

Nacional

Portugal em risco elevado de escassez de àgua

Cerca de 17 países, que abrigam um quarto da população mundial, enfrentam uma escassez de água “extremamente elevada”, de acordo com o relatório do Instituto Mundial de Recursos, […]