Novo matadouro em São Jorge construído na próxima legislatura

Novo matadouro em São Jorge construído na próxima legislatura

“À semelhança do que aconteceu na restante rede regional de abate, a ilha de São Jorge também terá um novo matadouro, que será construído na próxima legislatura. Esta é a resposta do Governo ao crescimento que o setor da produção da carne de bovino tem registado nos últimos anos”, disse João Ponte, citado numa nota enviada à imprensa pelo Governo dos Açores.

O governante falava após uma reunião com a direção da Associação de Agricultores da Ilha de São Jorge, acrescentando que na atual legislatura, que termina na segunda metade 2020, será encontrado o terreno para construir o novo matadouro e elaborado o respetivo projeto.

João Ponte sustentou, no entanto, que o Governo dos Açores “não deixou de investir na modernização” das atuais instalações do matadouro de São Jorge, apontando como exemplo uma certificação relativa à segurança alimentar, que decorreu esta terça-feira.

“Não seria aceitável deixar de investir no atual matadouro de São Jorge só porque está prevista uma nova infraestrutura. Se o fizéssemos, estávamos a condicionar o crescimento e o desenvolvimento do setor da carne nos próximos anos nesta ilha, que tem grande vocação para este tipo de produção”, salientou.

Comente este artigo

O artigo foi publicado originalmente em Açoriano Oriental.

Anterior Las lluvias aceleran la recolección de cítricos en Valencia
Próximo Porque estão a desaparecer as abelhas e os polinizadores?

Artigos relacionados

Dossiers

Las cotizaciones en el porcino ibérico siguen bajando


En última mesa de precios de la Lonja de Salamanca, celebrada el 13 de enero, los cerdos ibéricos de bellota 100% y los del 75% de ibérico repitieron, […]

Revistas

Obrigado! Manuel Évora – Editorial Teresa Silveira+Suplemento Agrovida

Morreu Manuel Évora. Quem conheceu o presidente da associação Portugal Fresh sabe que o setor agrícola e agroalimentar perdeu um líder, […]

Nacional

Gerir património devoluto é a competência mais aceite pelos municípios com vista à descentralização

O património imobiliário público sem utilização, no âmbito da descentralização, é a competência mais aceite, por 157 municípios, que decidiram assumir a transferência em 2019, […]