Ministra da Agricultura afirma que “é errado dizer que o olival é um sorvedouro de água” e acrescenta que “as culturas de sequeiro não existem devido ás alterações climáticas” (c/som)

Ministra da Agricultura afirma que “é errado dizer que o olival é um sorvedouro de água” e acrescenta que “as culturas de sequeiro não existem devido ás alterações climáticas” (c/som)

[Fonte: Rádio Campanário] O olival intensivo continua a ser uma das culturas que mais controvérsia gera, se por um lado as produções de azeite aumentam exponencialmente, por outro exige o consumo de água acima da média que este tipo de cultura requer.

Em declarações exclusivas aos microfones da RC a Ministra da Agricultura, Maria do Céu Albuquerque, considera que “erradamente se vai dizendo que o olival é um sorvedouro de água”.

“É errado dizer que o olival é um sorvedouro de água”
Maria do Céu Albuquerque 

A Ministra explica que “mesmo o olival intensivo e superintensivo gastam menos que uma cultura de milho, ou um amendoal ou um nogueiral”, acrescentado que “obviamente que o olival tradicional, tal como outras culturas são de sequeiro”, o que consequentemente gasta menos água.

“Derivado das alterações climáticas já não existem culturas de sequeiro”
Maria do Céu Albuquerque

Maria do Céu Albuquerque considera que “hoje as culturas de sequeiro praticamente não existem”, justificando esta afirmação com o facto de “com as alterações climáticas as espécies que antes não precisavam de água, hoje já não acontece”.

Para a tutela o importante “é que todos estejam convocados para usar sistemas de rega que permitam tornar o uso do recurso mais eficiente, garantindo a sustentabilidade do setor”.

“Vamos avaliar os impactos do olival intensivo e decidir o que é melhor para a região”
Maria do Céu Albuquerque 

Questionada pela RC sobre a posição da tutela relativamente ao olival intensivo, Maria do Céu Albuquerque explica que “neste momento está a ser feito um estudo que vai decorrer até março, sobre os impactos do olival intensivo em Alqueva, apenas nessa altura poderemos decidir o que é melhor para esta região”.

Comente este artigo
Anterior Maçã Camoesa e Riscadinha em destaque no Roteiro temático da DRAP LVT
Próximo “Mais de 90% dos municípios” têm planos de defesa da floresta eficazes, garante MAI

Artigos relacionados

Nacional

Batata-doce é boa alternativa de rotação

“A procura de batata-doce no mercado tem vindo a aumentar, por isso apostámos na cultura”, afirma o produtor. Mas Pedro Militão não deixa de referir que as condições climáticas deste verão frio “não têm ajudado ao seu desenvolvimento, […]

Nacional

O território – Isabel Martins

Vejo com agrado a diversificação cultural que tem transformado a agricultura portuguesa nos últimos anos. Quando comecei a trabalhar em jornalismo agrícola, […]

Nacional

Pequenos ruminantes nos territórios do Interior Centro

O auditório da Junta de Freguesia de Meimoa (Penamacor) vai receber no próximo dia 10 de abril o Seminário “Pequenos Ruminantes nos Territórios do Interior Centro”. […]