Limpeza de terreno destruiu habitats e espécies protegidas no pinhal da praia do Ancão

Limpeza de terreno destruiu habitats e espécies protegidas no pinhal da praia do Ancão

Câmara de Loulé diz que se trata de “um verdadeiro crime ambiental que não pode ficar impune”, exigindo como medida mitigadora a replantação dos pinheiros que foram, também, arrasados.

O coberto vegetal do pinhal adjacente à praia do Ancão (Quinta do Lago) foi arrasado, tendo sido destruídos alguns habitats de espécies protegidas – tomilho, tuberarias e narcisos. A zona, integrada no Parque Natural da Ria Formosa (PNRF), foi ainda objecto de abate de árvores de grande porte, o que levou um grupo de moradores da zona a fazer a denúncia às entidades oficiais. O proprietário diz que agiu no âmbito das medidas de defesa contra incêndios.

 

Os trabalhos foram, entretanto, embargados pelo PNRF, que está nesta terça-feira no local a fazer o levantamento e a avaliar o grau de destruição, com vista à aplicação das sanções que a lei prevê.

“Um verdadeiro atentado ambiental que não pode passar impune”, diz a câmara de Loulé. A autarquia considera que a destruição – um “corte massivo e indiscriminado de inúmeros pinheiros e outras árvores saudáveis de grande porte” – exige a intervenção do ICNF, “entidade com competências de fiscalização nesta matéria” e propõe que sejam tomadas medidas mitigadoras com a “imediata replantação de espécies de porte idêntico, em todas as áreas afectadas pela intervenção”.

Em paralelo, está a decorrer na praia do Ancão uma obra adjudicada pela Sociedade Polis da Ria Formosa, no valor de mais de três milhões de euros. Além de um parque de estacionamento junto à praia, está prevista ainda a construção de um passadiço e a ligação ao Garrão e ao Ludo

O município, em nota divulgada à imprensa, faz questão de esclarecer que o terreno em causa não foi objecto, por parte desta autarquia, de “qualquer pedido de licenciamento de operação urbanística”.

Os trabalhos, segundo apurou o PÚBLICO, foram comunicados ao PNRF como se tratando de uma “operação de limpeza e abate de árvores mortas, integrada no Plano Municipal da Floresta Contra Incêndios” e o corte de pinheiros não precisa de autorização por não ser árvore protegida

Continue a ler este artigo no Público.

Comente este artigo
Anterior Confederações patronais pedem reforço de apoios para a fase da retoma
Próximo Live-stream - O reflexo do COVID-19 no sistema de defesa da floresta contra incêndios em 2020

Artigos relacionados

Últimas

Escasa operatividad en el mercado de las almendras

Semana sin cambios en las cotizaciones de las almendras, en un mercado donde la operatividad se ha visto reducida por los días festivos y manteniéndose a la espera de una reactivación de la demanda con la entrada del nuevo año. […]

Comunicados

DGAV: FPAS endereça carta ao Primeiro Ministro

A FPAS endereçou uma carta ao Primeiro Ministro na qual transmite a sua posição sobre a possibilidade de reorganização da Direção-Geral de […]

Nacional

No ISA a forma de ensinar sobre olival e azeite está a mudar

Há um novo campo de demonstração e ensaios, com as condições adequadas e com variedades atualmente em produção nos olivais modernos e no Laboratório de Estudos Técnicos do ISA o objetivo é […]