Kamov alugados pelo Estado vão para Vila Real, Ferreira do Zêzere e Loulé

Kamov alugados pelo Estado vão para Vila Real, Ferreira do Zêzere e Loulé

Os tês helicópteros pesados Kamov alugados pelo Estado para o combate aos incêndios florestais vão operar a partir dos centros de meios aéreos de Vila Real, Ferreira do Zêzere e Loulé, avançou esta terça-feira à Lusa a Protecção Civil.

Numa resposta enviada à Lusa, a Autoridade Nacional de Emergência e Protecção Civil (ANEPC) referiu que os três Kamov alugados estão previstos no Dispositivo Especial de Combate a Incêndios Rurais (DECIR) deste ano, que estabelece um total de 60 meios aéreos, incluindo um helicóptero para coordenação.

Contactado pela Lusa, o porta-voz da Força Aérea, que faz a gestão dos meios aéreos, referiu que os três helicópteros pesados ainda estão estacionados em Macedo de Cavaleiros, no distrito de Bragança, aguardando-se a “qualquer instante” que possam voar, mas não precisou quando.

Na segunda-feira, fonte ligada ao sector aeronáutico referiu à Lusa que a Autoridade Nacional de Aviação Civil (ANAC) tinha dado autorização para que os três helicópteros Kamov integrassem o DECIR. O porta-voz da Força Aérea, tenente-coronel Manuel Costa, esclareceu que estes três meios pesados aguardam por “autorizações burocráticas”.

Actualmente, faltam seis meios aéreos dos 60 previstos no DECIR, de acordo com a Força Aérea. Além dos três Kamov, faltam ainda no combate aos incêndios os três helicópteros ligeiros do Estado, que estão parados “por questões técnicas”, disse.

A ANEPC referiu ainda que “é importante” o início da operação dos três helicópteros pesados Kamov, no entanto, considerou que “o dispositivo é flexível e os meios aéreos disponíveis têm sido adequados para responder a todas as ocorrências”.

O Estado tem seis helicópteros pesados Kamov que não estão a voar e não fazem parte do dispositivo de combate aos fogos deste ano. Dos seis Kamov do Estado, um está acidentado desde 2012, outros dois estão para reparação desde 2015 e os restantes três estão inoperacionais desde o início de 2018.

Continue a ler este artigo no Público.

Comente este artigo
Anterior Agricultores entram no regime fiscal dos residentes não habituais
Próximo Acordo UE-Mercosul: “Certezas a 100% são impossíveis”

Artigos relacionados

Últimas

Brexit. Bruxelas propõe usar fundos para desastres naturais em caso de saída sem acordo

A Comissão Europeia fez esta quarta-feira um “último apelo” aos cidadãos e empresas da UE para se prepararem para a saída do Reino Unido sem acordo a 31 de outubro, […]

Sugeridas

Quimiofobia e factos. Contributos para uma abordagem racional – Manuel Chaveiro Soares

A partir da segunda etapa da Revolução Industrial (1860) e, principalmente, na primeira metade do século XX, ocorreram avanços científicos e […]

Blogs

Fogo: a evolução dos incêndios rurais em Portugal

Nos últimos anos, tem aumentado o número de grandes incêndios que atingem as áreas rurais. Pela dimensão e intensidade do fogo, esta nova […]