IPMA prevê aumento de temperatura sem grande dramatismo em Portugal este verão

IPMA prevê aumento de temperatura sem grande dramatismo em Portugal este verão

O verão deverá trazer temperaturas altas a Portugal, mas num cenário menos dramático do que na Europa média e do norte, avançou esta quinta-feira o presidente do Instituto Português do Mar e Atmosfera (IPMA), Jorge Miranda.

“Pelo menos no continente, mas eu penso que não deverá ser muito diferente nos Açores, porque a situação é de grande escala, em princípio o que apontamos é que apesar de estar prevista uma anomalia positiva de temperatura, ela não tem um valor muito elevado, portanto a nossa expectativa não é uma expectativa de grande dramatismo “, apontou, acrescentando que na Europa média e na Europa do norte se está a prever “um grau e meio de anomalia, que é um valor enorme”.

Jorge Miranda recomendou ainda assim que a consulta das previsões para o próximo verão sejam feitas semana a semana na página da internet do IPMA.

O presidente do conselho diretor do IPMA falava, em declarações aos jornalistas, em Angra do Heroísmo, à margem do I Congresso Internacional de Proteção Civil dos Açores, com o tema “Os Novos Desafios: Ameaças versus Capacidades”, em que integrou um painel sobre alterações climáticas.

Segundo Jorge Miranda, nos dias que correm, já não há dúvidas sobre as alterações climáticas e os fenómenos meteorológicos extremos, associados a essas mudanças, são já a quarta fonte de prejuízos no mundo.

As alterações que estão a decorrer nos oceanos não se resolvem num curto espaço de tempo, mesmo que se imponham limites drásticos, mas o presidente do IPMA considera que a adaptação a esse cenário surgirá naturalmente, através da ação do sistema económica e não de medidas políticas.

“O sistema económico vai ser mais inteligente do que o sistema político”, frisou, alegando que já se estão a notar dificuldades no financiamento da exploração de poços de petróleo.

Quando as grandes empresas perceberem que “os investimentos não verdes são economicamente ruinosos”, a mudança de atitudes será natural, sustentou o investigador.

“Todos os grandes desastres naturais dos tempos recentes têm levado a um stress brutal sobre as empresas de seguros e de resseguros”, apontou.

A previsão de fenómenos meteorológicos extremos vai obrigar a um reforço de meios de observação, mas também a uma melhoria da comunicação.

“Temos de nos preparar para um mundo mais complexo em que os media têm um papel muito importante, porque a informação vai circular às vezes mais depressa paralelamente aos sistemas oficiais e as pessoas têm de ser capazes de compreender o que é que é verdade e o que é que é falso”, alertou o presidente do IPMA.

Já o coordenador do Grupo do Clima, Ambiente e Paisagem do Instituto de Investigação e Tecnologia Agrária e do Ambiente da Universidade dos Açores Eduardo Brito de Azevedo apresentou uma visão mais pessimista quanto à adaptação às alterações climáticas.

“Estamos a seguir o caminho errado, o caminho de uma atividade que nos conduzirá a uma situação climática dos cenários mais gravosos”, salientou, referindo-se às emissões de dióxido de carbono.

Para Eduardo Brito de Azevedo, a educação ambiental e a sensibilização dos jovens é “fundamental”, mas são necessárias “políticas radicais”, que obriguem as instituições a adequarem os seus comportamentos.

“Não temos tempo suficiente para esperar que sejam os nossos filhos ou os nossos netos a resolver este assunto”, alertou.

Segundo o investigador da academia açoriana, já se sentem efeitos das alterações climáticas no arquipélago, com um aumento das temperaturas e uma diminuição da precipitação em zonas baixas.

Brito de Azevedo salientou que as mudanças climáticas têm provocado períodos de seca com maior frequência, mas também tempestades mais frequentes e violentas, o que já começa a ter impacto na agricultura.

O I Congresso Internacional de Proteção Civil dos Açores decorre até sexta-feira em Angra do Heroísmo, abordando temas como as alterações climáticas, a Proteção Civil em Portugal, a comunicação em emergência, a gestão de riscos, o Mecanismo Europeu de Proteção Civil, a intervenção psicossocial em emergência e a emergência médica pré-hospitalar.

O artigo foi publicado originalmente em Açoriano Oriental.

Comente este artigo
Anterior Feira Nacional da Agricultura aposta no vinho e abre com Marcelo
Próximo Paisagem da vinha do Pico em destaque na Feira Nacional de Agricultura

Artigos relacionados

Nacional

“Governo prossegue com total determinação investimentos em infraestruturas agrícolas”

O secretário regional da Agricultura e Florestas afirmou, esta quarta-feira, que o Governo dos Açores prossegue, com total determinação, os […]

Nacional

Incêndios: Onze municípios de quatro distritos em risco máximo

[Fonte: O Jornal Económico]

Em causa estão os concelhos de Loulé, São Brás de Alportel, Tavira e Alcoutim (Faro), […]

Nacional

Município de Pedrógão Grande apresenta Plano de Acção e promove Workshop sobre Vesta Velutina ou Asiática


A Câmara Municipal de Pedrógão Grande promove no próximo dia 12 de abril pelas 19 horas, no Salão Nobre do Município, […]