IPMA prevê aumento de temperatura sem grande dramatismo em Portugal este verão

IPMA prevê aumento de temperatura sem grande dramatismo em Portugal este verão

[Fonte: Açoriano Oriental]

O verão deverá trazer temperaturas altas a Portugal, mas num cenário menos dramático do que na Europa média e do norte, avançou esta quinta-feira o presidente do Instituto Português do Mar e Atmosfera (IPMA), Jorge Miranda.

“Pelo menos no continente, mas eu penso que não deverá ser muito diferente nos Açores, porque a situação é de grande escala, em princípio o que apontamos é que apesar de estar prevista uma anomalia positiva de temperatura, ela não tem um valor muito elevado, portanto a nossa expectativa não é uma expectativa de grande dramatismo “, apontou, acrescentando que na Europa média e na Europa do norte se está a prever “um grau e meio de anomalia, que é um valor enorme”.

Jorge Miranda recomendou ainda assim que a consulta das previsões para o próximo verão sejam feitas semana a semana na página da internet do IPMA.

O presidente do conselho diretor do IPMA falava, em declarações aos jornalistas, em Angra do Heroísmo, à margem do I Congresso Internacional de Proteção Civil dos Açores, com o tema “Os Novos Desafios: Ameaças versus Capacidades”, em que integrou um painel sobre alterações climáticas.

Segundo Jorge Miranda, nos dias que correm, já não há dúvidas sobre as alterações climáticas e os fenómenos meteorológicos extremos, associados a essas mudanças, são já a quarta fonte de prejuízos no mundo.

As alterações que estão a decorrer nos oceanos não se resolvem num curto espaço de tempo, mesmo que se imponham limites drásticos, mas o presidente do IPMA considera que a adaptação a esse cenário surgirá naturalmente, através da ação do sistema económica e não de medidas políticas.

“O sistema económico vai ser mais inteligente do que o sistema político”, frisou, alegando que já se estão a notar dificuldades no financiamento da exploração de poços de petróleo.

Quando as grandes empresas perceberem que “os investimentos não verdes são economicamente ruinosos”, a mudança de atitudes será natural, sustentou o investigador.

“Todos os grandes desastres naturais dos tempos recentes têm levado a um stress brutal sobre as empresas de seguros e de resseguros”, apontou.

A previsão de fenómenos meteorológicos extremos vai obrigar a um reforço de meios de observação, mas também a uma melhoria da comunicação.

“Temos de nos preparar para um mundo mais complexo em que os media têm um papel muito importante, porque a informação vai circular às vezes mais depressa paralelamente aos sistemas oficiais e as pessoas têm de ser capazes de compreender o que é que é verdade e o que é que é falso”, alertou o presidente do IPMA.

Já o coordenador do Grupo do Clima, Ambiente e Paisagem do Instituto de Investigação e Tecnologia Agrária e do Ambiente da Universidade dos Açores Eduardo Brito de Azevedo apresentou uma visão mais pessimista quanto à adaptação às alterações climáticas.

“Estamos a seguir o caminho errado, o caminho de uma atividade que nos conduzirá a uma situação climática dos cenários mais gravosos”, salientou, referindo-se às emissões de dióxido de carbono.

Para Eduardo Brito de Azevedo, a educação ambiental e a sensibilização dos jovens é “fundamental”, mas são necessárias “políticas radicais”, que obriguem as instituições a adequarem os seus comportamentos.

“Não temos tempo suficiente para esperar que sejam os nossos filhos ou os nossos netos a resolver este assunto”, alertou.

Segundo o investigador da academia açoriana, já se sentem efeitos das alterações climáticas no arquipélago, com um aumento das temperaturas e uma diminuição da precipitação em zonas baixas.

Brito de Azevedo salientou que as mudanças climáticas têm provocado períodos de seca com maior frequência, mas também tempestades mais frequentes e violentas, o que já começa a ter impacto na agricultura.

O I Congresso Internacional de Proteção Civil dos Açores decorre até sexta-feira em Angra do Heroísmo, abordando temas como as alterações climáticas, a Proteção Civil em Portugal, a comunicação em emergência, a gestão de riscos, o Mecanismo Europeu de Proteção Civil, a intervenção psicossocial em emergência e a emergência médica pré-hospitalar.

Comente este artigo

O artigo IPMA prevê aumento de temperatura sem grande dramatismo em Portugal este verão foi publicado originalmente em Açoriano Oriental.

Anterior Feira Nacional da Agricultura aposta no vinho e abre com Marcelo
Próximo Paisagem da vinha do Pico em destaque na Feira Nacional de Agricultura

Artigos relacionados

Internacional

DG Agri and DG Environment to set up joint task force on water

The European Commission’s agriculture and environment units are to establish a joint task force on water and have also asked the EU Joint Research Centre to establish a ‘Knowledge Hub’ to make existing water data available across the EU. […]

Notícias PAC pós 2020

Cambios en la normativa sobre ayudas a las organizaciones de productores de frutas y hortalizas

[Fonte: Agropopular – UE]

El Consejo de Ministros ha aprobado, en su reunión del 30 de agosto, […]

Últimas

Câmara de Sintra vai recolher e substituir kit da Proteção Civil que tem material inflamável

[Fonte: Expresso]

A Câmara Municipal de Sintra, que tem 12 aldeias nos programas “Aldeias Seguras” e “Pessoas Seguras”, […]