Investigadores criam bioestimulantes para que plantas resistam às alterações climáticas

Investigadores criam bioestimulantes para que plantas resistam às alterações climáticas

Investigadores do Centro Mundial de Inovação, em França, e de outros centros de investigação desenvolveram cinco segmentos de bioestimulantes que, provenientes de recursos marinhos e dos solos, visam tornar as plantas mais resilientes aos efeitos extremos das alterações climáticas.

Em declarações à agência Lusa, José García-Mina, investigador da Universidade de Navarra (Espanha) – uma das instituições envolvidas na investigação – afirmou hoje que os bioestimulantes surgem da “necessidade de existirem produtos com um respeito muito grande pelo meio ambiente e com capacidade de revitalizar os solos e as plantas”.

A nova família de bioestimulantes, intitulada gama ADN e criada pela Timac Agro, resulta da articulação entre o Centro Mundial de Inovação com outras instituições académicas, como a Universidade de Navarra, o INRA Caen e a Universidade de Nottingham (Inglaterra).

“É fruto de um trabalho bastante sério realizado durante anos e que está descrito em diversas publicações científicas”, afirmou José García-Mina, também presidente da Sociedade Internacional de Substâncias Húmicas.

Tendo em conta os diferentes efeitos das alterações climáticas na agricultura e no planeta, como o aumento da temperatura, a “desorganização das chuvas”, a distribuição e falta de água, o aumento do CO2, entre outros, os investigadores procuraram “desenvolver produtos capazes de estimular a eficiência do uso de água nas circunstâncias de altas temperaturas e falta de água”.

Recorrendo a recursos e moléculas naturais, provenientes na sua maioria de origem marinha, mas também de húmus, os investigadores desenvolveram uma “nova família de bioestimulantes para estimular naturalmente as plantas e reforçar a expressão do potencial genético, regulando e otimizando a expressão de alguns genes”.

“Há um aproveitamento dos recursos naturais e estas moléculas também têm como função preservar a envolvência sob a qual os cultivos se desenvolvem”, afirmou o investigador, acrescentando que estes novos produtos permitem que a “planta se desenvolva melhor” em condições extremas.

A nova família de bioestimulantes ramifica-se em cinco gamas com diferentes objetivos: Kaoris para a remodelação celular, Genaktis para a performance genética, Seactiv para menos ‘stress’ da planta, Irys para uma nutrição estimulada e Astelis para a nutrição bioativada dos cereais.

“Por um lado, há um bioestimulante que atua fundamentalmente na interação da raiz com o solo e, sobretudo, nos micro-organismos. Há um efeito fundamental sob a atividade litosférica que preserva a vida microbiana, através da qual é possível criar vida e preservar o futuro do solo”, referiu.

Já os restantes bioestimulantes, José García-Mina esclareceu que atuam sobre “genes específicos e responsáveis por processos metabólicos da planta”, como pelo uso do ferro, fósforo e carbono.

“Os bioestimulantes atuam em torno de uma série de genes fundamentais. Os recursos e moléculas naturais provenientes do mundo marinho ou do húmus têm a capacidade de atuar sobre estes genes”, afirmou.

O investigador disse também que a maioria destes produtos são “admitidos na agricultura biológica” e lembrou que um dos objetivos da Europa é que “25% de todo o território cultivado seja de agricultura ecológica”.

“É muito importante poder dotar os agricultores de produtos que se podem usar neste âmbito. Há que reconhecer que o solo é o motor da empresa, a máquina fundamental que move a empresa e que, portanto, se o solo e o seu redor não são cuidados, isso tem repercussões negativas. É o negócio deles, mas também de todos nós. É a nossa terra e temos de a preservar”, salientou.

À Lusa, José García-Mina adiantou ainda que o objetivo da equipa de investigação é continuar a trabalhar, por um lado, investigando o efeito destes produtos em condições extremas e em diferentes cultivos, mas também preparar “os produtos de amanhã”.

“Para estarmos, dentro de cinco a 10 anos, a contribuir para produtos mais eficazes”, afirmou.

A nova geração de bioestimulantes criada pela Timac Agro, vai ser lançada a nível mundial terça-feira, na Agroglobal.

Comente este artigo
Anterior Rabobank alerta para o impacto no mercado global da queda dos preços na China
Próximo Governo quer travar acidentes com javalis mas não revê regras da caça

Artigos relacionados

Dossiers

Mercadona chega ao distrito de Viana do Castelo

A Mercadona avança com o seu projeto de expansão para 2020 e prepara a entrada num novo distrito. A empresa publica hoje as ofertas […]

Nacional

Movimento de cidadãos ProTejo ameaça fazer queixa contra Portugal e Espanha por “má gestão” do rio Tejo

Fauna do rio Tejo em perigo devido a algas tóxicas e plantas invasoras que chegam de Espanha. Bloco de Esquerda questiona ministro sobre o assunto. […]

Nacional

Óbito/Sampaio: CAP lamenta “perda significativa no período democrático do país”

O presidente da Confederação dos Agricultores de Portugal (CAP), Eduardo Oliveira e Sousa, lamentou hoje a morte do antigo Presidente da República Jorge Sampaio, que […]