Iniciativa Liberal acusa Direção de Cultura do Alentejo de “demonização” da agricultura moderna

Iniciativa Liberal acusa Direção de Cultura do Alentejo de “demonização” da agricultura moderna

A Iniciativa Liberal (IL) acusou hoje a Direção Regional de Cultura (DRC) do Alentejo de “demonização” da agricultura moderna na região por associar a produção de olival e amendoal à destruição de património arqueológico.

Em comunicado, o partido com assento parlamentar concorda com o princípio de que a destruição de património arqueológico é “absolutamente inaceitável” e acrescenta que “deve ter consequências” por estar em causa um “crime gravíssimo”, mas solidariza-se com os agricultores do Alentejo, que, diz, “muito têm contribuído para a economia daquela região”.

A recente destruição de uma anta numa herdade perto de Évora, supostamente pela plantação de um amendoal intensivo, está a ser investigada pelo Ministério Público, após uma queixa-crime da DRC do Alentejo, que avançou também com uma queixa judicial sobre outra anta destruída, no concelho de Mora (Évora), igualmente devido à alegada plantação de um amendoal.

Em comunicado, a DRC do Alentejo referiu, no final de outubro, que as destruições aconteceram “em consequência do modelo de agricultura superintensiva que tem vindo a ser implementado desde há vários anos no Alentejo, de forma totalmente desregulada no que respeita a valores culturais”, o que motivou, agora, a reação da IL.

“A declaração da diretora regional de Cultura [Ana Paula Amendoeira], que considera a destruição de património arqueológico uma consequência da agricultura superintensiva, em nada contribui para atrair investimento para a região, nesta que é uma das principais atividades económicas do Alentejo”, aponta o partido.

A IL afirma ainda o seu “compromisso” com a proteção do património cultural e lembra que contribuiu para a aprovação unânime de um “voto de condenação pela destruição de uma anta na Herdade do Vale da Moura e outro património arqueológico no município de Évora”, na Assembleia da República, mas demonstra também a sua “solidariedade para com os agricultores alentejanos”.

A IL critica ainda a “inação do Governo do Partido Socialista para a modernização e dinamização da economia alentejana”, especialmente no interior do território.

No dia 24 de setembro, a diretora regional de Cultura do Alentejo, Ana Paula Amendoeira, revelou à Lusa que este organismo já tinha apresentado uma queixa-crime no MP por causa da destruição da anta na Herdade do Vale da Moura (Évora).

“Estamos ainda a averiguar a extensão da destruição, mas aquilo que sabemos é que foi destruída uma anta que estava referenciada no Plano Diretor Municipal (PDM) de Évora”, afirmou a responsável, acrescentando que havia outra referência no parecer da Direção Regional de Cultura do Alentejo sobre património a salvaguardar naquela propriedade.

Em 21 de outubro, a Procuradoria-Geral da República revelou que o Ministério Público abriu um inquérito sobre a destruição da anta, alegadamente por causa da plantação de um amendoal intensivo.

Comente este artigo
Anterior Inaugurado Centro de Recolha Oficial de Animais de Companhia de Porto de Mós
Próximo Portugal 2020 já resultou em quase 13 mil milhões de euros para Portugal

Artigos relacionados

Nacional

Frutitec, Expojardim, Iberopragas e Urban Garden em contagem decrescente

Faltam apenas três dias para abrirem as portas da edição de 2019 Frutitec que acontece em simultâneo com a Expojardim, […]

Sugeridas

A Fileira do Pinho em 2018

O Centro PINUS acaba de lançar a sua edição digital anual com os principais indicadores da Fileira do Pinho. […]

Nacional

CAP acusa Estado de incumprimento no pagamento relativo a medidas agroambientais

A Confederação dos Agricultores Portugueses (CAP) acusou o Estado de “incumprimento” nos pagamentos de medidas agroambientais no montante de 25 milhões de euros, cuja liquidação […]