Indústria Alimentar e Distribuição estabelecem compromissos de reformulação nutricional

Indústria Alimentar e Distribuição estabelecem compromissos de reformulação nutricional

A Indústria Alimentar e a Distribuição assinam hoje, dia 2 de Maio, com o Ministério da Saúde, um compromisso alargado que envolve a redução progressiva dos teores de açúcar, sal e gorduras trans em várias categorias de produtos alimentares.

A monitorização independente ficará a cargo da Nielsen e do Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge.

A FIPA – Federação das Indústrias Portuguesas Agro-Alimentares, a APED – Associação Portuguesa de Empresas de Distribuição, e um conjunto de associações sectoriais chegaram a um entendimento com o Ministério da Saúde para o estabelecimento de metas de reformulação nutricional de várias categorias de produtos alimentares (ver infografia abaixo), que ficarão agora espelhadas em protocolos a assinar com o Ministério.

Para além da representatividade das organizações envolvidas, este processo ganha um elemento inovador, pelo facto de incorporar um robusto sistema de monitorização independente, conduzido pela Nielsen e pelo Instituto Nacional de Saúde, que irá permitir acompanhar a evolução da composição nutricional dos produtos que representam 80% das vendas das várias categorias, apresentando balanços anuais com base na média ponderada por volume de vendas, o que canaliza os processos de reformulação para os produtos mais consumidos.

Para o presidente da FIPA, Jorge Tomás Henriques, «os compromissos agora estabelecidos permitem dar uma nova evidência ao trabalho que a indústria alimentar já vem desenvolvendo há vários anos e que se tem reflectido numa oferta alimentar cada vez mais diversificada e adaptada à novas exigências dos consumidores e da sociedade em geral». O responsável máximo da Federação considera ainda que «este é um bom exemplo de como o trabalho conjunto pode dar frutos», e deixa o alerta «de que medidas de carácter unilateral e impositivas por parte do Governo ou do Parlamento terão consequências de muito menor alcance ao nível da saúde pública».

Para a presidente da APED, Isabel Barros, «a prioridade é dar resposta às novas tendências de consumo e às preocupações da sociedade, assumido o papel proactivo dos agentes económicos na disponibilização de uma oferta cada vez mais saudável».

A representante das empresas de distribuição destaca ainda a importância de se «manter um clima de diálogo entre os vários actores» e reforça a ideia de que «este é o caminho mais acertado para a promoção de estilos de vida mais saudáveis».

Os acordos alcançados resultam de um ano de trabalho conjunto entre as associações empresariais e o Ministério da Saúde e enquadram-se na Estratégia Integrada para a Promoção da Alimentação Saudável (EIPAS), que tem vindo a ser operacionalizada pela Direcção-Geral da Saúde.

Infografia: clique na imagem para melhor visualização

Notícias relacionadas

Comente este artigo

O artigo foi publicado originalmente em Revista Frutas Legumes e Flores .

Anterior Projeto de bebidas nutritivas a partir de soro de leite vence último Concurso de Ideias de Negócio do AgriEmpreende
Próximo Revisão das Orientações relativas aos auxílios estatais no setor agrícola | Comissão Europeia abriu Consulta pública até 19 julho

Artigos relacionados

Sugeridas

Últimas Inscrições – 9º Colóquio Nacional do Milho 2018 – 7 de Fevereiro 2018- Póvoa de Varzim

Inscreva-se aqui, para um dos eventos mais marcantes da nossa agricultura – no 7 de Fevereiro.

Nacional

Paisagem da Cultura da Vinha da Ilha do Pico vence prémio European Garden Award

O presidente do Governo Regional dos Açores, Vasco Cordeiro, anunciou que a Paisagem da Cultura da Vinha da Ilha do Pico foi distinguida ontem, […]

Últimas

Crianças que nascem em zonas rurais têm sistemas imunitários mais fortes

As crianças que nascem em zonas rurais têm sistemas imunitários mais fortes do que as crianças que nascem em zonas urbanas, […]