Incêndios. Primeiros alimentos para animais chegam sexta-feira às zonas afetadas

O ministro da Agricultura, Capoulas Santos, anunciou esta quarta-feira que os primeiros carregamentos com alimento para animais chegam sexta-feira às zonas afetadas pelos incêndios na região Centro nos últimos dias. Trata-se, como explicou o governante em Alfândega da Fé, de ajuda que o Ministério da Agricultura vai disponibilizar solidariamente para os agricultores daqueles concelhos.

“Estamos a trabalhar a 200 à hora e isso permite-nos já estar estabelecido com as câmaras uma base logística, já está organizada, já estão preparados os locais onde esse alimento vai ser disponibilizado, quer para pecuária, quer para as abelhas”, afirmou. De acordo com o ministro, a ajuda contempla “alguma quantidade de açúcar para garantir a alimentação das abelhas”.

Este é o apoio imediato do Governo aos agricultores, mas Capoulas Santos ressalvou que estão em preparação “todas as medidas, como aconteceu em casos semelhantes”.

Capoulas Santos precisou que, até 5.000 euros, o apoio será de 100% a fundo perdido, entre 5.000 e 50.000 euros será de 85% a fundo perdido e entre os 50.000 e 800.000 euros, por cada exploração, será um apoio também a fundo perdido de 50% “do potencial produtivo que foi destruído”.

Estes apoios só poderão ser atribuídos depois do levantamento dos prejuízos que o ministro disse estar em curso e que espera que esteja “concluídos nos próximos dias”.

Quando o levantamento estiver pronto, será publicada a portaria, as medidas estarão em execução, como indicou.

“A nossa primeira prioridade, como é óbvio, é enterrar os mortos e tratar dos feridos e, portanto, estamos a tratar de identificar os casos onde houve perdas”, acrescentou.

O ministro da Agricultura afirmou ainda que “houve felizmente poucas perdas de animais”, embora haja “alguns prejuízos maiores nas aves”, mas “trata-se de prejuízos que não têm qualquer comparação com aquilo que aconteceu há dois anos”.

Vários incêndios deflagraram no distrito de Castelo Branco ao início da tarde de sábado. Dois com origem na Sertã e um em Vila de Rei assumiram maiores dimensões, tendo este último alastrado, ainda no sábado, ao concelho de Mação, distrito de Santarém, tendo sido dominado na terça-feira.

O artigo foi publicado originalmente em Expresso.

Comente este artigo
Anterior Centralismo macrocéfalo
Próximo Avisos Agrícolas 24/07/2019: Kiwi, Pomóideas, Pequenos Frutos, Castanheiro, Prunóideas, Nogueira, Oliveira, Batateira, Tomateiro, Couve e Cebola

Artigos relacionados

Nacional

Floresta. Está em curso um inquérito de reconhecimento FSC. Já respondeu?

À semelhança do ano anterior, o FSC Portugal lança o Inquérito de Reconhecimento da marca FSC a todos os stakeholders do sector florestal em Portugal e sociedade civil em geral, […]

Últimas

Portugal foi o 3.º Estado-membro com mais verbas de solidariedade da UE nos últimos anos

Em causa está o relatório anual da Comissão Europeia relativo à utilização do FSUE, um fundo criado para ajudar a população das regiões da União Europeia (UE) afetadas por grandes catástrofes naturais, […]

Nacional

Consumidores já podem avaliar bem-estar dos animais de produção

A estratégia “Do prado ao prato” (Farm to Fork) foi aprovada pela Comissão Europeia no passado dia 20 de maio e inclui várias ações que visam […]