IFD e Novo Banco assinam empréstimo de 40 milhões para financiar empresas portuguesas

IFD e Novo Banco assinam empréstimo de 40 milhões para financiar empresas portuguesas

A Instituição Financeira de Desenvolvimento (IFD), mais conhecida como banco de fomento, e o Novo Banco assinaram esta quarta-feira, no Ministério da Economia, em Lisboa, um contrato de empréstimo de 40 milhões de euros para financiar empresas portuguesas.

De acordo com o comunicado conjunto do Ministério da Economia, do Novo Banco e da IFD, o contrato de empréstimo é destinado aos “setores da indústria transformadora, turismo, agricultura, comércio e serviços”, a empresas com “particular apetência para projetos em investimento produtivo e de desenvolvimento do negócio nas áreas da inovação e internacionalização”.

O financiamento enquadra-se na linha Capitalizar ‘MidCaps’ (empresas de capitalização média), proveniente do Banco Europeu de Investimento (BEI), e completa os 100 milhões de euros de crédito acordados com bancos portugueses, depois do acordo de 60 milhões assinado com o BCP em janeiro.

O ministro adjunto e da Economia, Siza Vieira (C) acompanhado por Henrique Cruz (D), presidente da Comissão Executiva da IFD, e pelo António Ramalho (E), presidente da Comissão Executiva do Novo Banco durante a assinatura do contrato de financiamento entre IFD e Novo Banco em Lisboa, 13 fevereiro 2019.ANDRÉ KOSTERS / LUSA 13 fevereiro, 2019

Na cerimónia de assinatura do protocolo estiveram presentes o ministro Adjunto e da Economia e os presidentes executivos do Novo Banco e da IFD.

Em declarações à agência Lusa, à margem da assinatura do protocolo, o ministro da Economia, Pedro Siza Vieira, disse que “o sistema bancário em Portugal tem dificuldade em conceder crédito a longo prazo às pequenas e médias empresas (PME)” e não responde a tempo a projetos de investimento que “demoram tempo a pagar-se e que exigem prazos”.

O ministro considerou ainda que “falta na economia portuguesa a capacidade de trazer capital para as empresas em fase de nascença” e que “ainda não provaram que têm o modelo de negócio suficientemente desenvolvido”, concluindo que instituições como a IFD “atuam naquilo que são as falhas de mercado”.

Já o presidente executivo do Novo Banco, António Ramalho, anunciou que os 40 milhões de crédito concedido vão estar “centralizados no Novo Banco, mas descentralizados nos objetivos de colocação destes fundos”, explicando que “10% dos fundos estão afetos aos Açores” e que espera ter outros “10% afetos à Madeira”.

O presidente executivo da IFD, Henrique Cruz, considerou o acordo “mais um testemunho que a IFD está empenhada em financiar o acesso ao financiamento pelas empresas portuguesas”.

“A IFD conclui assim a colocação da primeira tranche de 100 milhões de euros para financiamentos que podem ir até 12 anos e, assim, faz com que chegue à economia outro tanto que o Novo Banco e outra instituição financeira [o BCP] terão de acompanhar, perfazendo um total de 200 milhões de euros”, completou.

Segundo o comunicado conjunto, “a IFD dá preferência às propostas de carteira de empréstimos às PME e ‘MidCaps’ que privilegiem o financiamento do investimento relativamente ao fundo de maneio” e que “apresentem maturidade média mais longa (podendo ir até 12 anos)”.

Comente este artigo

O artigo foi publicado originalmente em ECO - fundos comunitários.

Anterior Le glyphosate à nouveau la cible de 45 plaintes après des tests urinaires inquiétants
Próximo Produtora do Dão inicia processo de reconversão em vinha biológica

Artigos relacionados

Nacional

Stand do Algarve foi o «centro das atenções» na FITUR em Madrid

A presença do Algarve na FITUR, em Madrid, que decorreu entre 18 e 22 de Janeiro, deu «resultados bastante positivos» para o Algarve. […]

Últimas

Agricultores do Baixo Alentejo querem regantes precários incluídos na área beneficiada de Alqueva

A direcção da FAABA – Federação das Associações de Agricultores do Baixo Alentejo diz que estão em causa vários investimentos realizados pelos regantes precários da região de Alqueva. […]

Últimas

Von der Leyen. “Há quem diga que a transição custará muito dinheiro mas não a fazer custará muito mais”

Numa intervenção no Parlamento Europeu depois de o colégio de comissários ter aprovado o seu “Green Deal”, Ursula von der Leyen chamou a atenção para os custos de uma não transição e afirmou que o Pacto Ecológico Europeu tem que ver com corte de emissões mas também com a “criação de novos empregos, […]