Governo revogou 14 quilos de leis

Por vezes, somos assaltados por aquela ideia de que há leis a mais no nosso país e que o problema é cumpri-las.

Na verdade, esta perceção vai um pouco ao encontro do nosso comportamento quotidiano. É como passar um sinal vermelho ou não parar obrigatoriamente no STOP e jurar a pés juntos ao senhor agente que o semáforo ainda estava amarelo ou que não reparou no tal STOP.

Sim, por vezes, os portugueses olham para as regras e para as leis como meras sugestões.

Talvez porque vivemos num país onde a produção legislativa é, digamos assim, bastante produtiva. Tão produtiva que, volta e meia, é preciso aplicar uma dieta de choque aos arquivos. O mesmo é dizer, eliminar aquelas leis que caíram em desuso.

Na última semana, li um artigo em que se dizia que o governo revogou cerca de 1.200 decretos-leis, criados entre 1981 e 1985. Mais de 800 páginas impressas, 14 quilos de peças legislativas. Leis obsoletas deste país que pesam o equivalente a uma criança de 2 ou 3 anos de idade.

Leis com quase 40 anos que abrangiam domínios tão vastos como as regras para o endividamento do Estado em escudos, ou o fabrico da margarina, ou até a declaração de três dias de luto nacional, pela morte de Anwar al-Sadat, o presidente egípcio assassinado em outubro de 1981. Vai para 38 anos. E só agora vai ser eliminado do ordenamento jurídico nacional.

Estamos agora na segunda fase do programa Revoga+. E há de haver uma terceira para eliminar os decretos-leis obsoletos produzidos entre 1986 e 1990.

Mas para que tenha uma ideia do ritmo desta iniciativa, até esta altura já foram apagadas cerca de 3.500 leis em desuso.

Só na primeira fase deste programa Revoga+ caíram 2.270 diplomas produzidos entre 1 de janeiro de 1975 e 31 de dezembro de 1980. Foram 2.191 dias em que nasceram 2.270 leis. Uma peça legislativa por dia. 2.270 que deixaram de fazer sentido, mas que nunca tinham sido expressamente revogadas.

Desde regras para a criação de empresas públicas que já não existem, aumentos salariais para militares, preenchimento de quadros da PSP e da GNR. Até um decreto-lei para indemnizar um guarda florestal a quem ardeu a casa num incêndio em agosto de 1978 no monte de Santa Luzia, em Viana do Castelo.

O decreto-lei 215/78 determinava a atribuição de um subsídio de 120 mil escudos (hoje, cerca de 9 mil euros) a título de compensação definitiva por perda da habitação num incêndio de causas desconhecidas.

Algo injusto, no entendimento do governo à época chefiado por Alfredo Nobre Costa, o III Governo Constitucional constituído por iniciativa do Presidente da República António Ramalho Eanes.

Comente este artigo

O artigo foi publicado originalmente em Rádio Renascença .

Anterior Painel Online gratuito sobre Manejo Fitossanitário para Altas Produtividades
Próximo Aprovado o “Plano de Acção Nacional para o Uso Sustentável dos Produtos Fitofarmacêuticos – 1.ª Revisão”

Artigos relacionados

Nacional

Incêndios: Cinco feridos na Sertã são ligeiros e dois estão a ser reavaliados

Cinco pessoas sofreram ferimentos ligeiros no incêndio que esta sexta-feira lavra no concelho da Sertã e outras duas estão a ser reavaliadas pela equipa do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM), […]

Nacional

Se não gerir o terreno, o proprietário “tem de o vender”, diz presidente da Agência para Gestão dos Fogos Rurais

Tiago Oliveira, engenheiro florestal, é presidente da Agência para a Gestão Integrada dos Fogos Rurais (Agif), o organismo que o Governo criou para implementar a reforma da prevenção e combate aos incêndios na sequência do ano trágico de 2017. […]

Nacional

Morreu Joaquim Marques Ferreira que liderou as áreas protegidas e o Alqueva

Faleceu nesta segunda-feira em sua casa Joaquim Marques Ferreira, com 65 anos de idade. Era licenciado em Economia pelo Instituto Superior de Economia e Gestão de Lisboa e actualmente presidente do conselho de administração das empresas Águas Públicas do Alentejo e Águas de Santo André. […]