Governo prepara medidas para minimizar impacto da pandemia no sistema de combate a incêndios

Governo prepara medidas para minimizar impacto da pandemia no sistema de combate a incêndios

A Secretária de Estado da Administração Interna, Patrícia Gaspar, afirmou que estão a ser desenvolvidos todos os esforços para minimizar o impacto da pandemia da Covid-19 no sistema de prevenção e de combate aos incêndios rurais.

Na sessão de abertura da conferência «O reflexo da Covid-19 no sistema de defesa da floresta contra incêndios em 2020», promovida pelo Centro de Estudos sobre Incêndios Florestais da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra, Patrícia Gaspar explicou que a Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil elaborou um Plano de Contingência Nacional para fazer face às consequências da pandemia no dispositivo e acrescentou que estão a ser definidas regras ainda mais detalhadas para prevenir o risco de contágio entre os operacionais.

«Não temos ainda dados concretos que nos permitam saber se vamos ter falhas na área do socorro e nos recursos disponíveis para garantir a totalidade do dispositivo, conforme ele foi concebido, mas preparámos uma série de ações de antecipação operacional que poderão fazer a diferença nos próximos meses», destacou a Secretária de Estado, acrescentando que o Governo está «em permanente contacto com a Liga dos Bombeiros Portugueses e com os demais agentes que têm participação direta neste domínio», para preparar e definir as melhores respostas, num trabalho de permanente monitorização.

«Não estamos descansados mas estamos convictos de que estamos a trabalhar afincadamente para ter ativos todos os mecanismos de monitorização da situação e para antecipar todas as ações que possam ser necessárias, com grande capacidade de adaptação e diria até de imaginação», afirmou.

Patrícia Gaspar apelou ainda ao contributo de todos os participantes da conferência para um processo que está em permanente construção:

«É muito importante este debate e é muito importante que as suas conclusões sejam partilhadas, porque os instrumentos de resposta estão em permanente atualização e podemos, a qualquer momento, incorporar novos conhecimentos, novas sugestões e novas propostas», disse.

A conferência, organizada pelo Centro de Estudos sobre Incêndios Florestais, coordenado pelo Professor Domingos Xavier Viegas, contou com a participação de cientistas, médicos, bombeiros e responsáveis da Guarda Nacional Republicana, da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil e do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas.

Comente este artigo
Anterior Covid-19: Pneumologista diz que surtos esporádicos podem complicar combate aos fogos
Próximo Alfinete destrói seara de Milho

Artigos relacionados

Nacional

Produtores de Leite protestam contra o anúncio da proibição de carne de vaca nas cantinas da Universidade de Coimbra

A APROLEP, Associação dos Produtores de Leite de Portugal, quer tornar público um veemente protesto perante o anúncio da proibição de carne de vaca nas cantinas da Universidade de Coimbra a partir de janeiro de 2020 e manifestar solidariedade a todos os criadores de bovinos em Portugal. […]

Sugeridas

Incêndios: Renascimento da guarda florestal é aposta na prevenção – ministro

O ministro da Administração Interna disse hoje que o “renascimento” da profissão de guarda florestal, com a recente conclusão do 1.º Curso de Guardas Florestais da GNR dos últimos 16 anos, […]

Últimas

Equipamentos de pulverização: o que mudou desde a inspeção periódica obrigatória?

O trabalho de alterar comportamentos e processos de trabalho na aplicação de Produtos Fitofarmacêuticos (PF) exige uma permanente comunicação […]