Alfinete destrói seara de Milho

Alfinete destrói seara de Milho

A sanidade de uma cultura, depende do equilíbrio ambiental no espaço onde as plantas se desenvolvem. Normalmente numa seara de Milho temos muitos insectos, fungos, infestantes etc. Nalgumas parcelas não podemos ter uma produção razoável se não controlar-mos estas infestantes e pragas. As matérias activas utilizadas para estes fins são sempre alvo de grande investigação e investimento. Mas muitas delas vão sendo retiradas por questões de segurança para os utilizadores ou para reduzir algum impacto que tendo sido considerado maior o seu prejuízo que o seu beneficio. Assim temos vindo a assistir à retirada unilateral na Europa pelos serviços de segurança e sanidade vegetal da maioria das moléculas que habitualmente tínhamos na cultura do milho. É o caso dos desinfectantes de sementes que se utilizam em todo o mundo e que a Europa agora tem vindo a retirar do mercado pela necessidade de evitar risco para os polinizadores incluindo as abelhas. Assim deixaram os agricultores sem soluções para o controlo de vários insectos como o alfinete (Agriotes spp). Com a retirada dos chamados neonicotinoides, a protecção do milho ficou comprometida até que seja encontrado e autorizado um novo produto para protecção destes insectos. Isto não é justo já que os nossos concorrentes de fora da Europa continuam a utilizar estas moléculas e a exportar o seu milho para a -Europa e os nossos consumidores não se manifestam.
Vamos tentar acompanhar uma resementeira e calcular os custos e proveitos desta opção radical que é destruir uma cultura de milho no seu estádio inicial.

Subscreva as nossas newsletters aqui.

O artigo foi publicado originalmente em Milho Amarelo.

Comente este artigo
Anterior Governo prepara medidas para minimizar impacto da pandemia no sistema de combate a incêndios
Próximo O day after no setor agroalimentar - Gonçalo Almeida Simões

Artigos relacionados

Últimas

Por qué las cuentas no cuadran: Producir frutas y verduras cuesta ahora un 25% más que antes del coronavirus

La pandemia ha encarecido entre un 25 y un 30 por ciento la producción agraria respecto a antes del coronavirus, según estimaciones del sector, por […]

Eventos

Rede Rural leva workshop sobre fileiras da vinha, floresta, e produção animal a Coruche – 19 de setembro

A Rede Rural Nacional (RRN) em colaboração com a UNAC — União da Floresta Mediterrânica e o Centro de Competências do Sobreiro e da Cortiça (CCSC), […]

Nacional

Agricultor cultiva abóbora gigante com 450 quilos

José Santos, de 39 anos, é barman de profissão, mas tem na agricultura a sua grande paixão. Na sua pequena horta, […]