Governo lança novo Programa Nacional de Investimentos para 2030

Governo lança novo Programa Nacional de Investimentos para 2030

O Governo apresentou hoje, em Lisboa, o Programa Nacional de Investimentos (PNI) 2030. Trata-se de um instrumento fundamental no planeamento da aplicação dos próximo dois quadros de fundos europeus, definindo um conjunto de investimentos em equipamentos e Infraestruturas nas áreas de Transportes, Ambiente, Energia e Regadio para a década de 2021 a 2030.

Coesão, Competitividade e Inovação e Sustentabilidade e Ação Climática são os três desígnios estratégicos deste novo ciclo de investimentos. Coesão porque é importante reforçar a conetividade dos territórios, e da atividade económica, valorizando o capital natural. Competitividade e Inovação, desde logo aumentando e melhorando as condições infraestruturais do território. Sustentabilidade e Ação Climática, promovendo a descarbonização da economia e a transição energética.

O PNI 2030 inclui 85 programas e projetos em diferentes áreas:
– Transportes e Mobilidade – 21600 milhões de Euros de investimentos, sendo a ferrovia é a área com maior volume:
– Ambiente – 7400 milhões de Euros
– Energia – 13000 milhões de Euros
– Regadio – 750 milhões de Euros.

Na sua globalidade, o PNI2030 tem projetos que permitem mobilizar até 12 mil milhões de Euros de fundos europeus na próxima década, incluindo fundos estruturais dos quadros financeiros 2021-27 e 2028-34, do Mecanismo Interligar a Europa e do Fundo Europeu Agrícola de Desenvolvimento Rural, entre outros. No esboço do Plano de Recuperação e Resiliência apresentado em Bruxelas também estão incluídos 3300 milhões de Euros que correspondem a projetos incluídos no PNI 2030.

Já discutido no início do mês de outubro em Conselho de Ministros, o documento agora apresentado resulta de uma ampla discussão na sociedade portuguesa, cuja primeira versão tinha sido apresentada em janeiro de 2019 e posteriormente alvo de uma apreciação pela Assembleia da República e de um parecer do Conselho Superior de Obras Públicas.


A Ministra da Agricultura, Maria do Céu Antunes, afirmou que os investimentos do PNI na agricultura se concentram no regadio – «as redes de regadio são uma infraestrutura, disse –, e vêm «na sequência do que chamo a primeira fase do Plano Nacional de Regadio, a concluir até 2023».

Sublinhando que «a agricultura é um dos setores onde as alterações climáticas podem ter um efeito devastador», afirmou a importância de «uma produção cada vez mais sustentável», que faça «melhor uso dos recursos naturais, e tenha equipamentos mais resilientes».

Referiu também a necessidade de proteger a água, o solo, a biodiversidade e a paisagem, através da utilização de águas residuais e de efluentes orgânicos, protegendo as águas subterrâneas, recuperando energia nas quedas de água disponíveis, diminuindo os custos.

Maria do Céu Antunes apresentou os eixos estratégicos para o setor do regadio, no valor de 750 milhões de euros, através de dois programas: o de aumento da área regada, com um investimento previsto de 400 milhões, e o de revitalização do regadio existente, com um valor de 350 milhões de euros.

Estes programas «têm como principais metas aumentar a adesão ao regadio, aumentar a área irrigada, recuperar energia e aumentar a eficiência hídrica», criando «sistemas mais adequados às alterações climáticas», melhorando o armazenamento de água.

O aumento das áreas beneficiadas por regadio público permite combater tanto o despovoamento como os efeitos das alterações climáticas, contribuindo para a coesão social e territorial, ao criar condições económicas para fixação da população por incentivar o desenvolvimento da agricultura e do setor agroalimentar.

A reabilitação e modernização do regadio existente vai garantir um eficiente funcionamento dos aproveitamentos hidroagrícolas, investindo em infraestruturas coletivas, reduzindo as perdas de água e assegurando o desenvolvimento agrícola e agroindustrial sustentado.

Comente este artigo
Anterior 2020: A pior campanha das fruteiras da última década
Próximo Programa Nacional de Investimentos vai envolver 43 mil milhões de euros, diz Costa

Artigos relacionados

Notícias florestas

Ausência de cadastro condiciona gestão ativa

O perfil da propriedade em Portugal, principalmente no Centro e Norte do país, condiciona fortemente a sua gestão ativa, já que a dimensão das parcelas (minifúndio) e a falta de informação […]

Nacional

Ministério da Agricultura quer encontrar soluções para minimizar impacto de cheias no Baixo Mondego

O Governo pretende encontrar soluções para minimizar os impactos das cheias no Baixo Mondego, nomeadamente através de um investimento no […]

Últimas

Bioestimulantes tornam plantas aptas a enfrentar efeitos das alterações climáticas

No Centro Mundial de Inovação, em França, os investigadores recorreram a algas resistentes às variações das marés da Bretanha para desenvolver uma nova geração de bioestimulantes […]