Governo dos Açores pretende certificação oficial do leite de pastagem

Governo dos Açores pretende certificação oficial do leite de pastagem

“Numa perspetiva de valorização e credibilidade, especialmente no que toca aos mercados mais exigentes, estamos convictos que um processo de certificação oficial relativamente ao Leite de Pastagem trará claras vantagens para todos os operadores na Região, elevando os níveis da integridade do leite produzido à base de pastagem, aos consumidores e aos clientes das indústrias”, sublinhou João Ponte numa missiva enviada à Presidente do Centro Açoriano do Leite e Laticínios (CALL).

Segundo uma nota do Gabinete de Apoio à Comunicação Social do executivo açoriano, o processo de certificação oficial do leite de pastagem “trará claras vantagens para todos os operadores da Região, assegurando a integridade do leite produzido à base de pastagem junto dos consumidores e dos clientes das indústrias regionais”.

Sem prejuízo do trabalho desenvolvido na produção de leite de pastagem pela empresa BEL, “mais recentemente” pela PRONICOL (da ilha Terceira) “e muito em breve pela UNILEITE” (União das Cooperativas Agrícolas de Laticínios da Ilha de São Miguel), o secretário regional considerou que deve haver nos Açores a definição de “requisitos mínimos nos critérios de certificação, que todos os operadores deverão cumprir para poderem certificar oficialmente o leite de pastagem, contribuindo, desta forma, para a credibilização e a valorização dos produtos lácteos regionais”.

“É fundamental que saibamos aproveitar o que nos diferencia e as novas oportunidades dos mercados, com particular destaque para a procura por produtos à base de leite de pastagem, mais próximos da Natureza, onde os Açores têm condições inigualáveis para a produção de leite diferenciado”, sublinhou o governante.

Citado na nota, João Ponte, disse que é intenção do Governo Regional criar um rótulo de utilização facultativa para o ‘Leite de Pastagem dos Açores’, sustentado por um conjunto de requisitos transversais e obrigatórios, definidos através de um caderno de especificações, cuja certificação oficial será garantida através do Instituto de Alimentação e Mercados Agrícolas (IAMA).

O titular pela pasta da Agricultura nos Açores “apelou ao empenho de todos os envolvidos no debate e na reflexão sobre esta proposta, que irá beneficiar todos os agentes da fileira do leite nos Açores”, acrescenta a nota.

O artigo foi publicado originalmente em SAPO 24.

Comente este artigo
Anterior Seis motivos para conhecer os vinhos do Dão
Próximo Novas ações de sensibilização no Mercado Municipal de Proença-a-Nova nos dias 8 e 22 de Agosto

Artigos relacionados

Últimas

Nersant Business 2019 junta 42 importadores de 29 mercados internacionais

O Nersant Business 2019 realiza-se de 21 a 23 de Outubro, no Hotel dos Templários, em Tomar. O Encontro Internacional de Negócios, […]

Nacional

Fundo Ambiental dá 3,4 milhões de euros a proprietários florestais do Açor e Tejo

Catorze proprietários florestais das áreas protegidas da Serra do Açor e do Parque Natural do Tejo Internacional vão receber 3,4 milhões de euros do […]

Últimas

Torres Vedras vai plantar 67 mil árvores autóctones

A Câmara de Torres Vedras aprovou esta terça-feira um programa de incentivo à reconversão da floresta e de arborização de terrenos incultos no concelho com a plantação de 67 mil árvores autóctones nos próximos cinco anos. […]