Seis motivos para conhecer os vinhos do Dão

Seis motivos para conhecer os vinhos do Dão

[Fonte: Gazeta Rural]

Elegante e inesquecível são alguns adjetivos usados para traduzir os vinhos produzidos na região do Dão, ao centro-norte de Portugal. Reconhecidos internacionalmente pela combinação de sabores e aromas, seus rótulos integram rankings e premiações da mídia especializada. Chegou a hora de o público brasileiro conhecer um pouco mais o produto desta que foi uma das primeiras regiões demarcadas de vinhos de mesa em Portugal.

A região é o berço das castas mais emblemáticas de vinho lusitano: a uva Touriga Nacional, de origem local e considerada a mais nobre de tintos, e a Encruzado, uva-emblema dos brancos. Arlindo Cunha, ex-ministro da Agricultura de Portugal e presidente da CVR do Dão (Comissão Vitivinícola Regional), que representa os produtores de vinhos (ou outros produtos vínicos) com a certificação DOC (Denominação de Origem Controlada), elenca alguns dos motivos para se provar as variedades da bebida produzida na região:

1) Conhecer os vinhos da uva Touriga Nacional, tida como a rainha entre os tintos portugueses

Como em cada país produtor de vinhos de qualidade, em Portugal, o ícone é a Touriga Nacional, originária da Região do Dão. Cultivada na casta mais nobre de tintos do país, a uva-emblema lusitana se distingue pela capacidade de produzir vinhos encorpados, elegantes, com ótima concentração de cor, bom teor alcoólico, taninos nobres, garantido, assim, equilíbrio de aromas florais e frutais, justamente características de vinhos elaborados com esta cepa, gerando inconfundível nobreza na degustação.

Os atributos dos vinhos obtidos da Touriga Nacional são resultado de seus cachos delicados e compactos, com coloração negro azulada por causa da polpa rígida e suculenta, o que também reflete na obtenção de cores intensas da bebida.

Outra peculiaridade da uva-emblema portuguesa é ser propícia ao envelhecimento, o que significa deixar o paladar do vinho mais intenso – com mais tempo maturação na garrafa antes de ser comercializado. E as qualidades da uva já são reconhecidas mundialmente, tanto que ocupam cada vez mais espaço em produções europeias, australianas e californianas.

2) Conferir a grande capacidade de envelhecimento dos vinhos produzidos com a Encruzado

A uva Encruzado é outro emblema da nobre Região do Dão, tanto que especialistas e críticos a consideram uma das melhores uvas brancas de Portugal. Ela produz vinhos encorpados, frescos, com aromas frutados, bons níveis de açúcares (teor alcoólico) e acidez.

Há rótulos, inclusive, em que é possível sentir aroma floral. Outra peculiaridade da Encruzado é que, mesmo produzindo vinhos frescos, tem potencial para envelhecimento.

A explicação leva em consideração dois aspectos. O primeiro é que o ditado “vinho bom é vinho velho” não deve ser levado à risca. Isso porque a natural acidez ajuda a manter o frescor da bebida com o tempo, aliado ao tratamento em carvalho adequado.

Outro ponto favorável à capacidade de envelhecimento dos vinhos produzidos com a Encruzado se dá pelo fato de as vinhas estarem em elevadas altitudes e solos graníticos, onde a variação da temperatura diurna da região ajuda a prolongar maturação.

3) Provar vinhos premiados pela crítica especializada

Este ano, um vinho do Dão foi considerado o “Melhor Varietal Branco” pela ViniPortugal, o Villa Oliveira Encruzado 2016, do Abrigo da Passarela. Para enfatizar o reconhecimento dos rótulos cultivados e produzidos na Região do Dão, a revista portuguesa Grandes Escolhas publicou um artigo escrito por uma das principais autorizadades internacionais no assunto.

Dirceu Vianna é o único brasileiro detentor do ‘Master of Wine’ – a principal qualificação dada aos profissionais de negócios de vinho. Para ele, a obtenção de vinhos autênticos na região do Dão se caracteriza pela elevada diversidade edafoclimática (relativo ao clima, ao solo, ao relevo, à temperatura, à humidade do ar etc) e predominância de castas autóctones.

De acordo com o brasileiro, os estilos de vinhos tintos da Região do Dão variam desde exemplos mais leves e elegantes até vinhos encorpados e com taninos firmes, apresentando frescor e estilo de frutas frescas e vibrantes.

4) A região do Dão é privilegiada para a vitivinícola

O vale do Dão se situa em uma área granítica (solo predominantemente rochoso) e envolvida por maciços montanhosos e com pinheiros que protegem as plantações da influência climática do Oceano Atlântico.

Os fatores naturais, incluindo o clima, a geografia e a composição do solo, aliados à ação humana, compõem o que os franceses chamam de “terroir”, determinante na qualidade final do vinho. Aliados à ação humana na produção para o resultado final de vinhos elegantes e singulares.

A Touriga Nacional, que tem origem na região, exemplifica o resultado dessas influências. Numa altitude média acima dos 400 metros, há um cruzamento de influências mediterrânica, atlântica e continental que proporcionam ambiente sem paralelo em qualquer outra região. Os diversos microclimas compõem a um cenário perfeito que se reflete no conteúdo das garrafas.

5) Conhecer o produto vindo de uma estrutura familiar fiel às suas origens

Outra forte característica da Região do Dão é a produção familiar, que remota do início do século passado. Com o tempo, os produtores resistiram à onda da homogenização, que tirou a identidade de muitos vinhos produzidos mundo afora. O apego à tradição, no entanto, não impediu que novas técnicas fossem integradas às vinhas e os vinhos.

– O Dão soube preservar identidade, caráter e elegância de seus vinhos, e os resultados têm provado que as opções têm sido as mais corretas. Este ano, um vinho do Dão foi considerado o “Melhor Varietal Branco” pela ViniPortugal, o Villa Oliveira Encruzado 2016, do Abrigo da Passarela – mostra Arlindo.

6) Visitar a região do Dão é a chance de unir belas paisagens aos sabores locais

Para quem provou os vinhos e quer mergulhar de vez na experiência local, o CVR do Dão criou a Rota do Vinho. São trajetos criados com o objetivo de dar mais visibilidade e ênfase aos produtores, permitindo proximidade com o consumidor final.

Assim, as quintas e as adegas podem vender diretamente os seus rótulos ao público, e oferecer também opções de gastronomia, alojamento e atrações turísticas.

Por G.Lab para CVR do Dão

Fonte: https://oglobo.globo.com

Comente este artigo

O artigo Seis motivos para conhecer os vinhos do Dão foi publicado originalmente em Gazeta Rural.

Anterior Proença-a-Nova: Centro Ciência Viva da Floresta apresenta “Cogumelos em Selos”
Próximo Governo dos Açores pretende certificação oficial do leite de pastagem

Artigos relacionados

Últimas

Lidl exporta produtos portugueses no valor de 148,45 M€ em 2018

[Fonte: Vida Rural]

As exportações do Lidl de produtos portugueses duplicaram em apenas dois anos, atingindo, […]

Nacional

V Encontro Agroecológico

[Fonte: Voz do Campo]
O V Encontro Agroecológico, organizado pela Agrobio e pela Escola Superior Agrária de Coimbra realiza-se já […]

Últimas

Famílias ricas procuram maior retorno na exploração de florestas

[Fonte: Jornal de Negócios]

Tom Crowder passou grande parte da sua carreira de dois anos na NFL a fugir de homens que pesavam mais de 130 quilos. […]