Gisele Bündchen responde a ministra de Bolsonaro: “Mau brasileiro é quem está a desflorestar a Amazónia”

Gisele Bündchen responde a ministra de Bolsonaro: “Mau brasileiro é quem está a desflorestar a Amazónia”

Esta quinta-feira tornou-se pública a carta que Gisele Bündchen enviou à ministra da Agricultura de Bolsonaro. Segundo Tereza Cristina, recorde-se, a modelo “é uma má brasileira”, pois, enquanto embaixadora da ONU para o Meio Ambiente, não deveria criticar as más práticas ambientais do seu país, nomeadamente a desflorestação da Amazónia.

“Devia dizer que o nosso país protege o ambiente, que o nosso país está na vanguarda da conservação e não andar a criticar o Brasil sem conhecer os factos”, atirou a ministra.

A modelo brasileira aproveitou a polémica para desmentir o Governo quanto à “grande quantidade” de áreas protegidas no país que este diz existir.

“Lamento ver notícias, como a do final de 2018, com dados do Governo Federal divulgados amplamente na imprensa, que dizem o desmatamento na Amazónia havia crescido mais de 13%, o que representava a pior marca em dez anos.” E conclui, Gisele: “Um património inestimável ameaçado pelo desmatamento ilegal e a grilagem de terras públicas. Estes sim são os ‘maus brasileiros’.”

Antes mesmo da carta enviada à ministra, Gisele Bündchen já havia reagido nas redes sociais, dizendo-se “surpreendia” por ver o seu nome mencionado “de forma negativa”, apenas por, garante, “defender e me manifestar em favor do meio ambiente”.

Entretanto, Tereza Cristina agradeceu o envio da carta e prometeu convidar Gisele Bündchen para participar numa “agenda positiva” que una agricultura e preservação, “projetos que Gisele, com sua inteligência e sensibilidade , possa se envolver na divulgação”.

Leia a carta de Gisele Bündchen na íntegra:

“Excelentíssima Senhora Ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina.

Escrevo respeitosamente à senhora para me manifestar em relação a alguns comentários que foram feitos e que dizem respeito à minha pessoa em sua entrevista no dia 14 de janeiro ao veículo Jovem Pan. Causaram-me surpresa as referências negativas ao meu nome, pois tenho orgulho de ser brasileira e sempre representei meu país da melhor forma que pude.

Primeiramente, gostaria de dividir com a senhora um pouquinho da minha trajetória. Sou uma apaixonada pela natureza e tenho uma conexão muito forte com a terra. Nasci no interior do Brasil, onde a agricultura sempre foi fundamental para a economia e desenvolvimento de todos os municípios do entorno. Meus avós também praticavam agricultura familiar.

Valorizo e prezo muito o papel tão importante que a agricultura e os agricultores têm para o nosso país e nosso povo, mas ao mesmo tempo acredito que a produção agropecuária e a conservação ambiental precisam andar juntas, para que nosso desenvolvimento possa ser sustentável e longevo.

Desde 2006 venho apoiando projetos e me envolvendo com causas socioambientais no Brasil (através da doação de parte da renda da venda de produtos licenciados com meu nome a diversos projetos relacionados à água e florestas até o apoio e realização de projeto de reflorestamento de mata ciliar na minha cidade natal). Já visitei a Amazónia algumas vezes e conheci de perto a realidade da região norte de nosso país. Em decorrência do meu trabalho relacionado ao meio ambiente fui convidada para ser Embaixadora da Boa Vontade da ONU para o Meio Ambiente e também pelo presidente da França para participar do lançamento do Pacto Global para o Meio Ambiente na Assembleia Geral da ONU nos Estados Unidos, além de ter participado de inúmeros encontros com presidentes de empresas, universidades, cientistas, pesquisadores, agricultores e organizações do meio ambiente, onde pude trocar informações e aprender cada vez mais sobre como cuidar do nosso planeta.

Tendo ciência, através de diferentes fontes de informação, do alto grau de comprometimento e irreversibilidade que algumas ações governamentais poderiam trazer ao meio ambiente, como cidadã brasileira preocupada com os rumos da minha nação resolvi, em algumas oportunidades que entendi críticas e merecedoras de atenção, me manifestar.

A Senhora mencionou a grande quantidade de áreas protegidas no Brasil. Lamento, no entanto, ver notícias, como a do final do ano de 2018, com dados do Governo Federal divulgados amplamente na imprensa, que o desmatamento na Amazónia havia crescido mais de 13%, o que representava a pior marca em 10 anos. Um património inestimável ameaçado pelo desmatamento ilegal e a grilagem de terras públicas. Estes sim são os ‘maus brasileiros’.

Precisamos usar a tecnologia e todo conhecimento científico a favor da agricultura e da produtividade para que evitemos que novos desmatamentos possam ultrapassar o ponto de não retorno em que a degradação em curso do clima ameno se tornará irreversível.

Vejo a preservação da natureza não somente como um dever ambiental legal, mas também como uma forma de assegurar água, biodiversidade e condições climáticas essenciais para a produção agrícola.

Cara Ministra Teresa Cristina, seu papel como ministra da Agricultura – em um país onde clima, agricultura e floresta têm papel chave para nossa economia – é fundamental. Sei do desafio que tem pela frente e torço para que em seu mandato possam ser celebradas ações concretas que resultem em um Brasil mais sustentável, justo e próspero.

Ficarei muito feliz em poder divulgar ações positivas que forem tomadas neste sentido.

Com respeito,

Gisele Bündchen”

O artigo foi publicado originalmente em Rádio Renascença.

Comente este artigo
Anterior Governo paga ajudas da PAC aos agricultores
Próximo Governo dos Açores diz que limites de produção de leite penalizam produtores

Artigos relacionados

Nacional

Incêndios. Ministro salienta que inflamabilidade das golas era falsa e pede que se retire uma lição

“Nós não devemos tirar conclusões antes de conhecer os problemas e estudá-los. Já sabemos que, no caso da suposta inflamabilidade das golas, […]

Dossiers

Cotações – Bovinos – Informação Semanal – 17 a 23 Fevereiro 2020

Análise SIMA – Sistema de Informação de Mercados Agrícolas
As cotações médias nacionais dos novilhos e novilhas de 12 a 24 meses de raça Turina mantiveram-se estáveis em relação à […]

Últimas

Oferta de emprego – Técnico Produção Animal – Engenheiro Zootécnico – Oliveira de Frades

Procuramos um (a) Engenheiro Zootécnico (a) / Técnico (a) de Produção Animal para a área da Suinicultura na Zona de Viseu-Oliveira de Frades. […]