Governo dos Açores diz que limites de produção de leite penalizam produtores

Governo dos Açores diz que limites de produção de leite penalizam produtores

O secretário regional da Agricultura dos Açores considerou, esta quinta-feira, que a decisão da Unicol de impor limites de produção, com base nos valores de 2018, penaliza o rendimento de produtores de leite da ilha Terceira.

“Muitos deles [produtores] realizaram projetos de investimento para aumento da produção”, sendo agora confrontados com a decisão da Unicol – União das Cooperativas de Lacticínios Terceirense, afirmou João Ponte, que falava aos jornalistas à margem de uma sessão de apresentação do programa comunitário POSEI para agricultores da ilha de São Miguel, na sede da associação agrícola, na Ribeira Grande.

Segundo a Antena 1 Açores, cerca de 300 produtores, um universo de cerca de 50% do total da ilha, foram confrontados com multas pela Unicol por terem excedido os limites de produção, o que representa, segundo o presidente da Associação Agrícola da Ilha Terceira, José António Azevedo, menos 240 mil euros no pagamento do preço do leite.

Considerando que a situação da produção na Terceira “é diferente” do restante território açoriano, o titular da pasta da Agricultura afirmou que a manutenção dos limites de produção está agarrada “a um passado que, na verdade, é diferente do presente”.

No caso específico de São Miguel, o caso dos limites de produção por parte da indústria é para o governante “muito diferente”, uma vez que surgem “num outro patamar” de ajustamento da produção ao que foi a evolução do setor leiteiro.

João Ponte defendeu que o foco na ilha Terceira “também deve estar na inovação” no setor e disse que já transmitiu esta mensagem ao presidente da Lactogal – Produtos Alimentares, S.A., que tem o “privilégio de ter no seu grupo leite produzido nos Açores”, uma “mais-valia que tem de ser aproveitada em termos de valorização”.

O secretário regional frisou que para assegurar o sucesso do setor “é preciso também ter produtores capazes de manter as suas explorações sustentáveis”, o que “não será possível” com limites de produção e o preço pago por litro de leite na Terceira.

Também em declarações aos jornalistas, o presidente da Associação Agrícola da Ilha de São Miguel, Jorge Rita, defendeu que o abate do gado na região deveria ter maior expressão, sendo “parte dos apoios (públicos) que hoje existem direcionados” para esta pretensão.

Para o representante da lavoura de São Miguel, o abate do gado deveria ser facultativo e desta forma importava-se menos alimento – algo que tem sido mais frequente devido à seca que afetou o setor em 2018 – e combatia-se o “discurso absurdo da indústria que se está a produzir a mais”.

No capítulo do POSEI – Programa de Opções Específicas para o Afastamento e a Insularidade nas Regiões Ultraperiféricas, que engloba os Açores e a Madeira, tanto o responsável pela pasta da Agricultura como o dirigente agrícola estão em sintonia nas medidas que foram desenhadas para 2019 e hoje apresentadas aos agricultores.

O POSEI possui atualmente um envelope financeiro anual de cerca de 70 milhões de euros, valor que se deve manter até 2020.

Para o próximo ano, no âmbito da revisão da PAC – Política Agrícola Comum, espera-se o reforço deste montante, no próximo quadro comunitário.

Continue a ler este artigo no Açoriano Oriental.

Comente este artigo
Anterior Gisele Bündchen responde a ministra de Bolsonaro: “Mau brasileiro é quem está a desflorestar a Amazónia”
Próximo Como valorizar as amoras silvestres?

Artigos relacionados

Últimas

COVID-19: Indústria de rações justifica laboração para garantir alimento a animais e humanos

A Associação Portuguesa dos Industriais de Alimentos Compostos para Animais (IACA) veio hoje defender a empresa Nanta, proprietária da antiga […]

Dossiers

Las almendras mantiene su valor en origen

Las repeticiones han predominado de nuevo esta semana en los precios de las almendras. La Lonja de Albacete mantiene sin cambios las cotizaciones entre 3 euros de la Comuna y 7,70 euros por kilo grano de la Ecológica. […]

Últimas

Incêndios: Bombeiros voluntários consideram “desrespeito” falta de pagamento de setembro

“Terminada a fase reforçada nível IV do Dispositivo Especial de Combate a Incêndios Rurais (DECIR) 2019, constatamos com muita preocupação que a maioria dos bombeiros voluntários que incorporaram o DECIR não receberam as compensações previstas referentes ao mês de setembro”, […]