Gestão da vegetação e prevenção de incêndios: já aprendemos o suficiente?

Gestão da vegetação e prevenção de incêndios: já aprendemos o suficiente?

A III Conferência Gestão de Vegetação promovida pela E-REDES, este ano com o apoio do Público, decorreu esta quinta-feira em Pampilhosa da Serra. No centro do debate estiveram as melhores práticas em matéria de gestão de combustível, com vista à segurança de todos e à preservação da floresta. A ideia que ficou: Portugal pode fazer melhor.

A E-REDES, empresa que sucedeu à EDP Distribuição, é responsável pela operação da rede em todo o território de Portugal continental de distribuição de alta, média e baixa tensão. A empresa opera em todo o território nacional e gere uma rede aérea com perto de 180 mil quilómetros de extensão, onde cerca de 69.000 km em alta e média tensão, dos quais 28 mil instalados em espaços florestais. Nesta conferência, em parceria com o PÚBLICO, lançou um desafio a diversos técnicos e especialistas: qual é o estado da gestão da vegetação em Portugal e que evolução vemos nos últimos anos?

A Pampilhosa da Serra, zona muito afectada pelos incêndios em Portugal, acolheu o evento deste ano, que contou com uma nota de abertura de Ângelo Sarmento, Membro do Conselho de Administração da E-REDES. Seguiu-se José Brito, presidente da Câmara Municipal da Pampilhosa da Serra, que relembrou os efeitos dos incêndios no município e definiu como principal objectivo “valorizar o terreno”. “Proteger a floresta é fundamental para nós a todos os níveis”, acrescentou.

Saber ler o passado

João Catarino, Secretário de Estado da Conservação da Natureza, das Florestas e do Ordenamento do Território, numa introdução à análise de especialistas que viria a seguir, fez um apanhado daquilo que foi a actuação do Estado durante os últimos anos. Para o Secretário de Estado, quando toca a soluções para prevenir incêndios, “não vale a pena continuarmos a usar a mesma receita na esperança de que alguma coisa altere substancialmente”.

Na sequência desta ideia, João Catarino identificou dois grandes erros. Em primeiro lugar, o peso da responsabilidade dos proprietários dos terrenos na gestão de incêndios, dizendo que: “O Governo assume claramente como necessidade apoiar o proprietário nessa tarefa. Temos consciência que este é um ónus total sobre o proprietário, que muitas vezes assume a despesa da defesa das florestas contra os incêndios”, completou. Depois, João Catarino apontou como necessidade sabermos gerir a floresta que temos actualmente. Para concluir esta ideia, dá como exemplo o concelho de Mação, que “desde 1980 tem algumas áreas que já arderam três vezes, duas delas apoiadas e financiadas com fundos comunitários para arborização”. “Não é a plantar mais floresta que resolvemos o problema, é a gerir a que temos e compartimentá-la com outras utilizações do solo que ajudem a proteger o território” na perspectiva dos incêndios, rematou.

A forma como isso se faz – os especialistas que se seguiram explicaram… e com dados!

Análise ao presente

Leónia Nunes, Investigadora no Centro de Ecologia Aplicada Professor Baeta Neves, analisou os impactos das linhas eléctricas geridas pela E-REDES nos incêndios, concluindo que a “propensão para arder é maior em áreas de eucalipto e matos”. Por outro lado, quando os solos são usados para fins como a agricultura, os sistemas agro-florestais ou zonas urbanas, o efeito barreira – ou seja, a capacidade de anular ou atrasar a progressão dos incêndios – é visivelmente maior. Igualmente importante em termos de efeito barreira são as estruturas lineares, “verificando-se uma forte barreira nas auto-estradas e itinerários principais, muito fruto da sua largura”, disse a investigadora.

Ana Lopes de Sá – investigadora do Instituto Superior de Agronomia, apresentou a eficácia do trabalho da E-REDES e do Estado na prevenção de incêndios. No caso da E-REDES, com as suas

Continue a ler este artigo no Público.

Comente este artigo
Anterior Resultados do XIII Concurso de Vinhos do Algarve
Próximo Melo acusa ministra da Agricultura de esconder representação da DGAV em plataforma europeia

Artigos relacionados

Dossiers

How CRISPR can create more ethical eggs

Over the past couple of decades, Western consumers have shown an increasing appetite for more ethical eggs. The European Union and a number of American states […]

Últimas

Nações Unidas e Instituto Future Food criam parceria para estimular inovação no sector agrícola e alimentar

O instituto Future Food e a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO, na sigla inglesa) lançaram uma iniciativa conjunta para promover a inovação alimentar no sector da agricultura. […]

Sugeridas

Os animais de companhia devem estar sob uma tutela capaz de garantir a saúde pública – Bernard Vallat

A decisão do Governo português de transferir a proteção dos animais de companhia para a tutela do Ambiente não tem precedentes ao nível europeu e pode ter consequências sérias para a saúde […]