“Ferrovia 2020 tem uma taxa de execução de 40%”, diz Pedro Marques

“Ferrovia 2020 tem uma taxa de execução de 40%”, diz Pedro Marques

O ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques, disse esta quarta-feira em comissão parlamentar que 40% da Ferrovia 2020 está em curso, contrariando os últimos resultados dados que apontavam para uma taxa inferior a 9% e foram, de resto, salientados por alguns deputados.

Recentemente, segundo noticiou o Público, o programa Ferrovia 2020 apresenta uma taxa de execução inferior a 9%. Foram apresentados 20 projetos para o plano ferroviário nacional por Pedro Marques, mas das duas dezenas de projetos, oito já deveriam estar concluídos e 11 deveriam estar já em execução. Existem seis em obras.

Pedro Marques desvalorizou as críticas. E lembrou que são mais de 300 quilómetros de ferrovia que estão em execução. “Esta é uma ferrovia com 315 quilómetros de obra em execução”, disse, lembrando que o programa, com conclusão prevista para 2021, vai agora a meio.

Confrontado pelos deputados sobre as condições da ferrovia e o investimento público que este Executivo tem levado a cabo nesse sentido, o ministro disse que Portugal tem a sexta maior linha ferroviária do mundo, salientando que “ainda estamos a pagar o investimento rodoviário que se fez no país”. Aliás, foi este Governo que “tirou a ferrovia do marasmo em termos de investimento”, defendeu o ministro.

Sobre a ligação Évora-Elvas, o ministro garantiu que o Governo está a tomar medidas para “mitigar os impactos” negativos desta obra para a população dessas regiões, tendo em conta o atravessamento ferroviário previsto para a cidade e lembrou que, com essa linha, “estamos em vias de adjudicar a maior obra em ferrovias dos últimos 100 anos”. O ministro fez saber também que os contratos para os 100 quilómetros desta linha estão a ser adjudicas e que vão arrancar para a semana as obras na linha do Tua.

Pedro Marques acrescentou que as passagens desniveladas existentes vão ser todas repostas com “rebaixamento/enterramento da linha”, sublinhando que os impactos do ruído dos comboios a passar em vala “são muito mitigados, embora não totalmente”, assim como o impacto visual é menor com esta solução.

A nova ligação ferroviária a construir entre Évora e Elvas pretende reforçar a conexão ferroviária dos portos e das zonas industriais e urbanas do sul de Portugal a Espanha e ao resto da Europa.

Este troço, chamado ‘missing link’, faz parte do corredor internacional sul, que ligará o porto de Sines à fronteira com Espanha, tendo o concurso público sido apresentado no final de março de 2018 pelo primeiro-ministro, António Costa, e o seu então congénere de Espanha, Mariano Rajoy.

A conclusão da obra está programada para o primeiro trimestre de 2022, num custo de 509 milhões de euros (quase metade provenientes de fundos europeus), segundo o Ministério do Planeamento e das Infraestruturas.

O artigo foi publicado originalmente em ECO - fundos comunitários.

Comente este artigo
Anterior ISA: O potencial escondido no feijão cutelinho
Próximo Maria: a marca do Grupo Luís Vicente para “seduzir os consumidores”

Artigos relacionados

Últimas

PAC Ecoesquemas: No será obligatorio pero no cumplirlo costará entre un 20 y 30% de lo que se está cobrando ahora

El acuerdo político de la PAC alcanzado por los países de la UE podrá gustar más o menos, pero no cabe duda que, como en su momento pasó con el greening,va a estar marcado por los ecoesquemas, […]

Últimas

Estudo indica que cabritos devem ser tratados de forma diferente dos vitelos na descorna

Segundo concluiu um estudo realizado por cientistas na Nova Zelândia,  os cabritos caprinos devem ser tratados de forma diferente dos pequenos vitelos. […]

Notícias inovação

Five ways CRISPR plants can combat climate change

Plants occupy a unique nexus when it comes to climate change. On the one hand, they can help prevent climate change by capturing carbon. On the […]