Eucalipto só dominava num dos sete grandes incêndios de Outubro

Eucalipto só dominava num dos sete grandes incêndios de Outubro

[Fonte: Público]

Relatório dos peritos mostra que, para a propagação do fogo, mais importante do que a espécie é se há acumulação de matos ou não.

Dos sete grandes incêndios de Outubro de 2017, em apenas um o eucalipto era a espécie dominante. Dos restantes, cinco atingiram áreas onde o pinheiro-bravo imperava e um ocorreu em zonas de matos. Isto vem confirmar que, quando os fogos atingem determinada dimensão, é irrelevante que vegetação cobre o terreno. O que é crucial é se há acumulação de matos ou não, ou seja, se há gestão. É aqui que está o busílis da questão, não na espécie.

A Comissão Técnica Independente (CTI) conclui que foram, obviamente, o pinheiro-bravo e o eucalipto as espécies que mais arderam em 2017 pois são também estas as espécies dominantes nas zonas do país atingidas pelos incêndios. “Em média a área de pinheiro-bravo ardida em 2017 correspondeu a 17,4% da área existente em 2010”, conclui a CTI. A média global do eucalipto foi de 11,9%.

O que realmente faz a diferença é a existência ou não de matos nestas áreas, ou seja, se há gestão. Face aos dados, a CTI conclui que “as áreas de eucaliptal puro com mato arderam numa percentagem de 14,6% em comparação com as áreas sem matos em que essa percentagem foi apenas de 6,0%”. Quanto ao pinheiro, “arderam 11,1% das áreas de povoamentos puros sem matos contra 19,6% de povoamentos puros com matos”. Quando as duas espécies se juntam numa mesma zona, onde ainda por cima exista muito material seco no solo, o resultado é explosivo.

O ideal é a mistura destas espécies com outras como os carvalhos, o pinheiro-manso ou o sobreiro. Mas, reforça a CTI, “é de registar a muito significativa redução da probabilidade de arder de povoamentos puros com a redução dos matos no seu sob-coberto”, isto é, geridos.

O exemplo mais óbvio desta premissa é o que aconteceu nas áreas de eucalipto sob gestão industrial das celuloses, zonas onde o fogo não teve grandes hipóteses de progredir, quer porque há plantações jovens, quer porque não há muito combustível à superfície. Aliás, mesmo na restante área ardida, os dados da CTI mostram uma “diminuição da severidade do fogo para maiores taxas de ocupação por eucalipto, e o seu aumento quando os matos estão mais representados”. As explicações para isto são as mesmas: provável gestão mais activa e povoamentos mais jovens.

Mas há um terceiro factor: o pinheiro arde mais porque o fogo é de copas e as chamas podem atingir os 10, 20, 30 metros. No caso do eucalipto, o fogo é de superfície, portanto as chamas não passam dos cinco a dez metros, explica Paulo Fernandes, que fez parte da CTI. Em contrapartida, embora todas as espécies façam projecções, nenhuma bate o eucalipto que pode lançar faúlhas a três quilómetros de distância.

Quanto às espécies que menos ardem, como o pinheiro-manso, o sobreiro, a azinheira ou o castanheiro, todas têm menos mato o que torna mais difícil a propagação de fogos de copa, que são os mais difíceis de combater.

No fundo, “há um certo racismo na comparação das espécies face ao fogo porque a diferença está na gestão. Se esta existir, a espécie torna-se irrelevante”, conclui Paulo Fernandes.

Comente este artigo
Anterior Presidente da Câmara de Viseu não quer show off: “Nunca fiz limpeza de matas, não vou simular que estou a fazer”
Próximo Célia Alves assume funções como (a primeira) presidente da Confraria dos Enófilos da Bairrada

Artigos relacionados

Dossiers

Planas se reúne con el sector para tratar el Plan Estratégico Nacional de la PAC, cuyo primer borrador estará en 2020

El ministro de Agricultura, Pesca y Alimentación en funciones, Luis Planas, se ha reunido con los representantes de las organizaciones profesionales agrarias en el marco del Comité Asesor Agrario la situación del Plan Estratégico Nacional de la PAC, […]

Últimas

Ter acesso a Alimentos Seguros é um Direito Mundial

O ano de 2020 convidou-nos a celebrar a Sanidade Vegetal e convocou-nos a conversar sobre segurança alimentar. Um ano dedicado ao diálogo sobre a […]

Dossiers

Oferta de emprego – Engenheiro Zootécnico – Oliveira de Frades

Este profissional será responsável pela gestão, planeamento e acompanhamento da equipa e do trabalho na nossa exploração suinícola na zona de Oliveira de Frades. […]