Estudo revela grandes mudanças no mercado do grande consumo em Portugal

Estudo revela grandes mudanças no mercado do grande consumo em Portugal

Nos primeiros seis meses do ano, o mercado dos Fast Moving Consumer Goods (FMCG), que engloba as categorias de Alimentação, Bebidas, Higiene Pessoal e Higiene do Lar, apresentou um crescimento, em valor, de 11,8% face a igual período de 2019. Este é um dos principais resultados de um estudo realizado pela Kantar para Centromarca, que mostra rápidas mudanças no mercado do grande consumo em Portugal, num curto espaço de tempo, com o consumo dentro de casa a ganhar vantagem sobre o out-of-home.

Se cada lar realizou, durante o primeiro semestre 2019, 64,6 idas a lojas para a compra de produtos de grande consumo, no primeiro semestre de 2020 realizaram-se menos quatro visitas por lar. Essa redução foi, no entanto, compensada com o aumento de 14% no volume adquirido em cada acto de compra e com o crescimento do valor gasto em 18,7%.

«Nos primeiros seis meses deste ano, ocorreram menos 15 milhões de ocasiões de compra em FMCG face ao mesmo período do ano passado. O estudo mostra uma redução do número de visitas às lojas e uma duração menor de cada uma dessas idas às compras, mas também a resistência dos alimentos, das bebidas e dos produtos de higiene que registam até algum crescimento», explica Marta Santos, Manufacturers Sector Director da Kantar.

A tendência para o consumo fora-de-casa tem registado um regresso gradual com o desconfinamento progressivo, em momentos intercalares entre refeições, com o crescimento do snacking e do consumo de ‘produtos de indulgência’, de que são exemplo os gelados ou alguns tipos de bebidas alcoólicas.

Os dados da Kantar revelam ainda que – durante o confinamento – se verificou uma estabilização dos preços médios e o crescimento das vendas, em volume e em valor, bastante mais relevante no caso das Marcas de Distribuidor (MDD) do que nas Marcas de Fabricante (MDF).

«Ao contrário da percepção de alguns consumidores durante os primeiros meses da pandemia, não se assistiu a um aumento sensível dos preços, mas antes verificou-se uma redução do número de promoções, especialmente as ligadas a produtos menos vendidos na fase de maior confinamento», acrescenta Marta Santos.

Relativamente aos locais de compra, há uma estabilização do número de lojas visitadas por cada lar, mas há algumas alterações do ‘mix de insígnias’ visitadas. Hiper e supermercados perdem algum espaço para os chamados discounts, mas também para o comércio tradicional.

No canal online – com uma base de compradores mais consistente e que se afirma ao nível de compras de ‘stockagem’ –, assiste-se a um crescimento de cerca de 50% das vendas FMCG, que avança de 2,1% das vendas totais no período pré-Covid para 3,2% no final do semestre.

O retalho tem vindo a adoptar novas estratégias em resposta ao contexto actual do mercado, de que são exemplo o estabelecimento de parcerias com plataformas de entrega em casa, os investimentos próprios e acordos com marketplaces, a aposta em produtos e serviços ligados à higiene e ao bem-estar, ou o aumento da presença e comunicação das marcas próprias.

«A dinâmica do canal online é um dos aspectos que marca mais este semestre e os comportamentos de consumo associados à pandemia, sendo expectável que o crescimento continue a verificar-se no curto/médio prazo. É também interessante avaliar como a performance do retalho apresenta altos e baixos, e verificar que alguns operadores relevantes mostraram fortes dificuldades neste período, enquanto outros apresentaram uma trajectória vencedora nos últimos meses», afirma Pedro Pimentel, director-geral da Centromarca.

Finalmente, os consumidores indicam que, nos tempos que se avizinham, vão aumentar a compra de produtos locais, recorrer a estabelecimentos mais perto de casa, reduzir o tempo passado dentro das lojas e ir menos às compras físicas, substituindo-as sempre que possível pelas online. Os portugueses manifestam ainda intenção de fazer férias em Portugal e reduzir os gastos em restauração, bares e lazer.

O estudo da Kantar revela como provável momentos de consumo fora-de-casa mais curtos, nos próximos meses, com um maior gap de comportamentos entre classes sociais, com uma descentralização dos locais de compra em favor do canal online, das lojas de discount e dos estabelecimentos tradicionais, sem que tal signifique uma menor procura por preços e promoções.

«Antecipam-se tempos nebulosos para marcas, fabricantes e retalhistas. A crise económica, que os números do segundo trimestre antecipam, parece estar a chegar e traz consigo um significativo aumento dos níveis de desemprego e a compressão do rendimento disponível das famílias. E, neste momento, não parece possível poder contar com a ajuda do turismo ou das exportações para injectar vitalidade no mercado de consumo, nas contas das empresas e na saúde financeira do País», reforça Pedro Pimentel.

O artigo foi publicado originalmente em Revista Frutas, Legumes e Flores.

Comente este artigo
Anterior Aprovada nova regulamentação para o cultivo de cânhamo - Cannabis sativa para fins industriais
Próximo Cotações – Bovinos – Informação Semanal – 27 Julho a 2 Agosto 2020

Artigos relacionados

Notícias meteorologia

Previsão sazonal – jan. a mar. 2021

Na precipitação total mensal prevê-se anomalia negativa, -10 a -5 mm, para as regiões norte e centro no mês de janeiro estendendo-se a todo o território continental nos meses de fevereiro e março. Sobre os Açores prevê-se anomalia […]

Nacional

Governo dos Açores garante aprovação de 21 ME de projetos de modernização agrícola

O Governo dos Açores decidiu reforçar a dotação dos avisos relativos à instalação de jovens agricultores e à modernização das explorações agrícolas, […]

Últimas

Parceria luso-espanhola cria laboratório rural em Paredes de Coura

Paredes de Coura é o concelho do distrito de Viana do Castelo escolhido para sede de uma rede colaborativa, que envolve parceiros de Portugal e Espanha, que vai estudar e procurar soluções […]