Estudo da Universidade de Évora comprova que Montado beneficia linhas de água

Estudo da Universidade de Évora comprova que Montado beneficia linhas de água

Um estudo da Universidade de Évora demonstrou que o Montado, um ecossistema característico do Alentejo e que subsiste apenas no Mediterrâneo, é positivo para a qualidade das linhas de água e constitui uma barreira à poluição.

Esta investigação sobre a importância da cobertura agrossilvopastoril, ou seja, do Montado, foi liderada por Patrícia Palma, investigadora do Instituto de Ciências da Terra (ICT) da Universidade de Évora, revelou hoje a academia alentejana, em comunicado enviado à agência Lusa.

“As áreas com maior percentagem de Montado apresentam melhor qualidade de água”, sublinhou a investigadora, citada no comunicado.

No estudo, foi comprovado que o Montado “exerce um efeito positivo na qualidade de linhas de água, atuando como uma barreira à poluição e dificultando o arrastamento de compostos pelas chuvas”.

A investigação esteve inserida no projeto ALOP – Sistemas de observação, previsão e alerta na atmosfera e em reservatórios de água do Alentejo, coordenado por Rui Salgado, também investigador do ICT e professor do Departamento de Física da UÉ.

Os trabalhos foram desenvolvidos em parceria com a Escola Superior Agrária do Instituto Politécnico de Beja e a equipa de investigadores do ICT, que avaliaram a influência das características hidrogeomorfológicas, do clima e dos usos do solo na qualidade da água em ribeiras da Bacia do Guadiana e afluentes à Albufeira do Alqueva.

As ribeiras com regimes temporários foram os sistemas que apresentaram maior sensibilidade às diferenças de uso do solo e à sazonalidade, concluíram os investigadores.

As “áreas com intensa atividade agrícola e as áreas urbanas podem contribuir para a diminuição da qualidade da água na Bacia do Guadiana”, o que fica ainda mais evidente no período chuvoso, sustentou Patrícia Palma.

Segundo a investigadora, “as chuvas e enxurradas são um dos principais motores de arrastamento de contaminantes para as massas de águas” e essa contaminação “é mais notória em locais com intensa atividade agrícola”.

Um facto justificado “pela utilização de fertilizantes e pesticidas e pelas escorrências destes para as linhas de água”, o que faz com que exista “um impacto direto na qualidade da água”, sendo destacada no estudo a Ribeira de Álamos.

Outro motivo de preocupação apontado no trabalho são as águas residuais que resultam das estações de tratamento, que comprometem a qualidade das águas das ribeiras, de que é exemplo a Ribeira do Zebro, que nasce na freguesia da Amareleja, concelho de Moura (Beja).

Para a investigadora, a partir deste estudo, “ficou evidente a grande sensibilidade dos regimes temporários ao clima e à poluição agrícola e urbana”, pelo que é “urgente o desenvolvimento de políticas de uso de solo direcionadas para a proteção destes ecossistemas e para a melhoria do seu estado ecológico e químico”, capazes de contribuir para a redução da contaminação de massas de água a jusante, como o Alqueva.

Patrícia Palma propõe ainda i aumento da “sustentabilidade da agricultura de regadio” e a promoção de “uma política de usos de solos mais equilibrada por forma a controlar as áreas regadas”, acrescentando que “é muito importante reforçar a área de Montado, sobretudo nas áreas mais sensíveis”.

Comente este artigo
Anterior Alentejo: Barragem do Alqueva sobe cerca de um metro da sua cota em apenas três dias
Próximo O desafio dos ECO esquemas da PAC

Artigos relacionados

Cotações ES

El pollo se paga en origen a 80 céntimos de euro por kilo


Esta semana se han reafirmado las bajadas iniciadas en la anterior en el pollo blanco, en un mercado con pocas operaciones, […]

Fitotema

Fitossanidade: “Portugal tem dado passos muito tímidos”, avisa o reitor da UTAD

“É preciso dar voz às questões emergentes da sanidade vegetal”, que ainda não são “uma prioridade do país”. António Fontainhas Fernandes avisa que o tema deve ser enquadrado no conceito “one […]

Últimas

PS/Açores com proposta para medidas excecionais para agricultura

O projeto de resolução do grupo parlamentar do PS no parlamento dos Açores propõe, nomeadamente, “a antecipação do pagamento das ajudas comunitárias, […]