EMB sobre o acordo da PAC: Os instrumentos de crise são quase um sucesso, a falta de justiça de preço é um fracasso!

EMB sobre o acordo da PAC: Os instrumentos de crise são quase um sucesso, a falta de justiça de preço é um fracasso!

O acordo sobre a reforma da PAC, que foi oficialmente aprovado pelo Conselho de Ministros da Agricultura na segunda-feira, é um passo importante na direção certa, permitindo uma maior estabilidade em diferentes áreas do setor agrícola com sua caixa de ferramentas de instrumentos de crise. No entanto, não estabelece quaisquer medidas para garantir que os custos para uma produção mais sustentável e os preços ao produtor realmente andem de mãos dadas.

Elementos positivos no acordo sobre a reforma da PAC

Com o instrumento de crise de redução voluntária de volume (Artigo 219), bem como os Observatórios de Mercado e suas funções (como fornecer informações sobre perturbações de mercado, produção, stocks, preços e, quando possível, margens) para diferentes setores agrícolas (Artigo 222) incluídos na Organização Comum de Mercado, existe agora um quadro jurídico para que as crises sejam identificadas precocemente e o referido programa de redução seja ativado em resposta – desde que as decisões corretas sejam, de facto, tomadas em tempo útil. Esta possibilidade de evitar excessos e, portanto, colapsos de preços é um desenvolvimento positivo. Mas esses instrumentos devem ser usados com eficácia e sem demora em face das crises! É aqui que a Comissão Europeia deve desempenhar o seu papel! Ainda falta um mecanismo de crise que ativaria automaticamente o instrumento de crise apropriado. A limitação dos produtores com excedente de produção durante o período de redução voluntária do volume também não fez parte da reforma. Outro elemento positivo é o aumento do limite para os produtores de leite poderem negociar ou deixar negociar um volume de até 4% do volume de leite da UE. No entanto, ao olhar para os industriais, isso ainda não é suficiente. Afinal, já existem empresas com uma concentração de mercado muito maior, o que impossibilita o produtor de negociar em pé de igualdade.

Elementos em falta no acordo sobre a reforma da PAC

Os custos no setor de produção de leite já não estão cobertos no momento. * Preços e subsídios não igualam os custos. Requisitos de sustentabilidade mais exigentes também implicam em custos mais elevados. Não será possível cobrir esse fardo adicional com os preços do leite cru nem por meio de subsídios verdes. Esta é uma má notícia tanto para os produtores experientes como para os jovens agricultores. Embora possam receber mais apoio por meio de um nível mínimo obrigatório de pagamentos diretos de 3%, os jovens agricultores continuarão a ser os perdedores no setor agrícola, enquanto o custo de uma produção mais sustentável não for realmente coberto pelos preços de mercado.

O European Milk Board gostaria de agradecer a todos os que contribuíram para garantir que o acordo da PAC incluísse importantes instrumentos de crise. Gostaríamos de agradecer expressamente o trabalho realizado pelo Parlamento Europeu, bem como por muitas organizações europeias de produtores de leite a este respeito. No entanto, para uma política verdadeiramente sustentável, as partes interessadas como a Comissão Europeia e alguns Estados-Membros da UE devem reconhecer a necessidade de preços mais justos e de maior estabilidade no setor e envidar esforços para o conseguir.

A Direção do EMB

Comente este artigo
Anterior Governo dos Açores coloca em consulta pública Planos de Gestão das Áreas Terrestres dos Parques Naturais de seis ilhas
Próximo Avelino Rego: da engenharia informática à vaca maronesa

Artigos relacionados

Últimas

Sócios-gerentes sem trabalhadores por conta de outrem vão aceder ao ‘Lay-off’

O Governo cedeu e decidiu esta semana que os sócios gerentes sem trabalhadores por conta de outrem que registem uma faturação anual até […]

Nacional

“A tecnologia pode ajudar a atrair os jovens para a agricultura”

Num debate promovido pela Exame Informática, três especialistas em inovação na agricultura falaram sobre os desafios que o setor enfrenta […]

Nacional

Empresa algarvia é distribuidora oficial do biofertilizante que promete revolucionar a agricultura mundial

A empresa Hubel Verde, com sede em Olhão, é a representante e distribuidora oficial deste produto em Portugal. É de fácil utilização, sendo […]