Cotações – Ovinos e Caprinos – 27 de setembro a 3 de outubro de 2021

Cotações – Ovinos e Caprinos – 27 de setembro a 3 de outubro de 2021

Ovinos

Na região Trás-os-Montes, nas áreas de mercado, Terra Quente, Terra Fria e Alto Tâmega, a oferta foi média e a procura média/baixa. Verificou-se uma procura fraca destes animais, os agentes económicos relataram situações de pouco consumo. Devido à diminuição do consumo houve menos transações. Constatou-se que houve quebra na procura de borregos. Nesta região as cotações não se alteraram.

Na região Beira Interior na área de mercado Castelo Branco a oferta foi média/baixa e a procura foi média/alta. A oferta de borregos foi baixa para uma forte procura. Na área de mercado Guarda, a oferta foi baixa e a procura foi média/baixa.

Na área de mercado Cova da Beira a oferta foi média/baixa assim como a procura. A oferta de “borregos leves” foi suficiente para responder à procura. Nesta área de mercado, as cotações, mínima, máxima e mais frequente, de borrego< 12 kg, raça não especificada, diminuíram 0,25 €/kg Peso Vivo, devido à diminuição de procura. Exceto as referidas, os outros produtos nas três áreas de mercado não sofreram alteração de cotações.

Na região Beira Litoral, nas áreas de mercado Coimbra e Viseu a oferta foi quase nula , tal como, a procura. Na área de mercado de Coimbra, apesar da procura registou uma quebra. A oferta continuou escassa e suficiente para satisfazer o mercado. Na área de mercado Viseu a época de parições já se iniciou, mas os borregos estavam a crescer e os produtores faziam queijo. A oferta de animais de abate melhorou e era superior à procura. Tendência de descida de preços. Na área de mercado Viseu, a cotação mais frequente, de borrego < 12 kg, raça não especificada, diminuiu 0,50 €/kg Peso Vivo.

Na região Ribatejo Oeste, na área de mercado Ribatejo a oferta e a procura foram médias. O mercado estava equilibrado. Manutenção de cotações.

Na região Alentejo, nas áreas de mercado Évora e Elvas, a oferta e a procura, foram médias. Nas áreas de mercado, Alentejo Litoral, Estremoz e Alentejo Norte, a oferta foi média/baixa e a procura foi média. Na área de mercado de Beja a oferta foi média/baixa e a procura foi média/alta.

As alterações de cotações de borrego> 28 kg, raça não especificada, aumentaram, e em €/kg Peso Vivo, foram as seguintes:

  • Alentejo Litoral: mínima e máxima 0,15 e mais frequente 0,20;
  • Alentejo Norte: máxima e mais frequente 0,20;
  • Beja: mínima e máxima 0,20 e mais frequente 0,55.

As alterações de cotações de borrego 13 a 21 kg, raça não especificada, aumentaram, e em €/kg Peso Vivo, foram as seguintes:

  • Alentejo Norte: máxima 0,20;
  • Beja: mínima 0,50, máxima 1,20 e mais frequente 0,70.

As alterações de cotações de borrego 22 a 28 kg, raça não especificada, aumentaram, e em €/kg Peso Vivo, foram as seguintes:

  • Alentejo Litoral: mínima 0,50, máxima 0,20 e mais frequente 0,30;
  • Alentejo Norte: máxima 0,10;
  • Beja: mínima 0,50, máxima 0,70 e mais frequente 0,60.

Na região, exceto as referidas, as cotações não se alteraram.

Caprinos

Na Região Trás-os-Montes, nas áreas de mercado, Terra Quente, Terra Fria e Alto Tâmega, a oferta foi média e a procura média baixa. Verificou-se uma quebra por parte dos agentes económicos devido ao fraco consumo. Continuou a verificar-se quebra na procura no mercado interno. A procura por parte de países terceiros não teve qualquer alteração. As cotavam mantiveram-se estáveis.

Na Região Beira Interior, na área de mercado Guarda, a oferta foi baixa e a procura foi média/baixa. Na área de mercado, Cova da Beira a oferta foi média/baixa e a procura foi média. A oferta de “cabritos leves” continuou insuficiente para responder à procura e houve manutenção de cotações. Nos outros caprinos as transações conhecidas foram residuais e sem alteração de cotações.

Na área de mercado Sertã a oferta de “cabritos leves” permaneceu baixa e a procura aumentou. A oferta foi muito fraca para uma procura alta. As cotações, máxima e mais frequente, de cabrito, < 10 kg, de raça não especificada, desceram 0,50 €/kg Peso Vivo.

Alguns produtores que possuem queijarias, disseram não ter dificuldade com o escoamento de queijo. Nos outros caprinos a procura foi muito fraca e sem alteração de cotações. A cotação mais frequente média regional , de cabrito < 10 kg, diminuiu 0,17 €/kg Peso Vivo. Nesta região, exceto as referidas houve manutenção de todas as cotações dos diferentes produtos de origem caprina.

Na região Beira Litoral na área de mercado Coimbra a oferta e a procura foram quase nulas. O mercado na semana em análise equilibrou. A pouca procura de cabrito e de cabra de refugo que havia caiu. A oferta foi escassa e suficiente para satisfazer o mercado. Os preços não registaram alterações. As cotações não registaram alterações.

Na área de mercado Viseu a oferta e a procura foram quase nulas. A oferta de cabritos foi escassa. A época de parições ainda não se iniciou. A procura embora fraca foi superior à oferta, o que fez com que os operadores tivessem de se deslocar a outras áreas de mercado para se abastecerem. Os valores de cotações continuaram em alta.

Na região Ribatejo e Oeste na área de Ribatejo a oferta e a procura foram médias, pelo que estavam equilibradas. Houve manutenção de cotações.

Na região Alentejo na área de mercado Alentejo Norte a oferta foi baixa e a procura foi média/baixa. Houve manutenção de cotações e o mercado esteve com pouco movimento. Na área de mercado Estremoz a oferta foi média/baixa e a procura foi média. Houve manutenção de cotações.

→ Aceda aqui às cotações ←

Cotações – Ovinos e Caprinos – 20 a 26 de setembro de 2021

Comente este artigo
Anterior Cotações - Coelhos - 27 de setembro a 3 de outubro de 2021
Próximo Cotações - Suínos - 27 de setembro a 3 de outubro de 2021

Artigos relacionados

Últimas

PortugalFoods lança radar de mercados internacionais

“Radar de mercados internacionais” é uma iniciativa da PortugalFoods, associação que representa o sector agroalimentar no País, direccionada para «as necessidades actuais das empresas do sector agroalimentar português na obtenção de informação relevante sobre mercados internacionais». […]

Notícias florestas

Resineiros fazem Vigilância e Defesa Contra Incêndios Florestais

No dia 29 de Maio, procedeu-se á assinatura de um protocolo entre a RESIPINUS – Associação de Destiladores e Exploradores de Resina de Portugal – e o I.C.N.F. – Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas, para o apoio financeiro […]

Dossiers

Equipamentos de pulverização: o que mudou desde a inspeção periódica obrigatória?

O trabalho de alterar comportamentos e processos de trabalho na aplicação de Produtos Fitofarmacêuticos (PF) exige uma permanente comunicação […]