Corteva Agriscience™ e Nomisma apresentam estudo sobre controlo de insetos sugadores, na Fruit Logistica em Berlim

Corteva Agriscience™ e Nomisma apresentam estudo sobre controlo de insetos sugadores, na Fruit Logistica em Berlim

Estudo sobre rentabilidade da utilização de Isoclast™, uma molécula que se destina ao controlo de insetos sugadores. Avaliada a produtividade e rentabilidade que o produto oferece em toda a cadeia alimentar;

31% das explorações agrícolas no total da Europa podem beneficiar com a utilização deste produto e evitar perdas de milhares de milhões de euros já aplicadas aos valores da produção de 2020.

A Corteva Agriscience™, empresa líder no setor agrícola em tecnologia aplicada a sementes, proteção de culturas e agricultura digital, publicou um estudo que analisa os benefícios da utilização de Isoclast™, substância ativa contra as pragas de insetos que se alimentam da seiva em culturas de macieira, pessegueiro, tomate, batata e outras.

Em colaboração com o grupo consultor independente Nomisma, a Corteva Agriscience apresentou o resultado da investigação na feira Fruit Logistica, em Berlim. As duas empresas sublinharam que, entre outros dados, 54 milhões de hectares, 31% das explorações agrícolas no total da Europa, poderiam beneficiar da utilização deste produto. Trata-se de uma superfície de cultura que apresenta uma produção agrícola com um valor de 129 000 milhões de euros.

Com o nome comercial Closer™, o Isoclast é uma molécula que se destina ao controlo de insetos sugadores tal como as cochonilhas, afídeos e mosca branca, e graças à qual os agricultores europeus podem proteger as suas culturas e evitar perdas de milhares de milhões de euros. A principal caraterística deste produto é a de atribuir às plantas uma maior resistência à lavagem em comparação com outras substâncias ativas utilizadas para o controlo de pragas.

Neste sentido, estima-se que a utilização destes novos produtos pode representar uma poupança de milhões de euros aplicada ao valor da produção em 2020:

  • Uma redução de 18% para macieira (intervalo de -12%/-24%), que representa mais de mil milhões de euros de perdas.
  • Uma redução de 34% para pessegueiro (intervalo de -28%/-41%), que ascende a 1200 milhões de euros de perdas.
  • Uma redução de 33% para tomate de estufa (intervalo de -27%/-40%), o que implica 1600 milhões de euros de perdas.
  • Uma redução de 10% para batata (intervalo de -7%/-14%), o que implica 1300 milhões de euros de perdas.

Estamos orgulhosos por apresentar as nossas soluções aos visitantes da Fruit Logistica”, referiu Sonia Cavanna, Especialista Técnica em Cadeia Alimentar global e Responsável da Cadeia Alimentar para a Europa da Corteva Agriscience. “Ao partilhar a nossa experiência e ao colaborar com os agentes da cadeia de valor, ajudamos, os agricultores a melhorar a sua rentabilidade, os retalhistas e as indústrias alimentares a garantir um abastecimento seguro e fiável dos produtos agrícolas e a apoiar os interesses dos consumidores ao potencializar a escolha dos produtos.”

“Este estudo teve como objetivo entender o potencial deste produto inovador, como parte dos nossos esforços para fomentar a sustentabilidade ambiental e económica das principais culturas na agricultura europeia. Na Corteva, enquanto líderes mundiais do setor, comprometemo-nos a apoiar os agricultores para enfrentar as emergências que resultam das novas pragas e das alterações climáticas, garantindo ao mesmo tempo rentabilidade e a satisfação na procura de alimentos mais sustentáveis por parte do consumidor.”

Por outro lado, Ersilia Di Tullio, líder do projeto na Nomisma, realçou a necessidade de atenuar o efeito adverso provocado pelas pragas nas explorações agrícolas: “Selecionámos os principais países produtores em cada cultura, com a presença das principais pragas que se alimentam da seiva e analisámos a presença de vírus transmitidos por estas pragas e danos relevantes causados. A seguir simulámos o cenário de impacto em cada cultura, em 2022, ao mostrar os efeitos da redução da eficácia do sistema de proteção sem a entrada no mercado de novos inseticidas como o Isoclast. Como resultado desta análise, os dados mostram que as moléculas dos inseticidas de nova geração, que oferecem uma alta eficácia e uma emissão reduzida, são fundamentais para a proteção das principais culturas analisadas.”

Comprometidos com a sustentabilidade do campo

A Corteva colabora de perto com os agricultores para conseguir o equilíbrio entre uma produção rentável, a conservação dos recursos naturais e a proteção ambiental. Para isso, a empresa aposta na digitalização e em novas ferramentas que facilitam o trabalho do agricultor e que os ajudam na tomada de decisões para serem mais rentáveis, produtivos e sustentáveis.

Comente este artigo
Anterior João Ponte: Contamos com todos para a defesa de uma melhor proposta para a próxima PAC
Próximo Está a crescer a exportação de frutas e legumes nacionais

Artigos relacionados

Últimas

A Sustentabilidade: Um Desafio e uma Responsabilidade – 19 de fevereiro – Lisboa

Intitulado “A Sustentabilidade: Um Desafio e uma Responsabilidade”, vai realizar-se em Lisboa, no Hotel Myriad, no […]

Últimas

Covid-19. Agricultores em Ponte da Barca em dificuldades

No distrito de Viana do Castelo, em Ponte da Barca, a repórter Ana Gonçalves visitou dois agricultores, que não conseguem escoar aquilo que […]

Comunicados

Alterações climáticas vão juntar especialistas nacionais e internacionais na Ovibeja 2019

Em 2019, a Ovibeja vai debater, como tema principal, os impactos das alterações climáticas, as suas consequências para a agricultura e o papel dos agricultores como guardiões da biodiversidade. Com a certeza de que “não há agricultura sem homens nem homens sem agricultura”, […]