Coreia do Sul deteta primeiro surto de peste suína africana no país

Coreia do Sul deteta primeiro surto de peste suína africana no país

O ministro da Agricultura sul-coreano, Kim Hyeon-soo, explicou ter sido já ativado um protocolo que inclui o abate de cerca de quatro mil porcos em três explorações agropecuárias, incluindo a que abrigava os animais afetados, perto da cidade de Paju

O Governo da Coreia do Sul informou esta terça-feira ter detetado o primeiro surto de peste suína africana no país, numa exploração agropecuária perto da fronteira com a Coreia do Norte, onde cinco porcos morreram na sequência do vírus.

O ministro da Agricultura sul-coreano, Kim Hyeon-soo, explicou ter sido já ativado um protocolo que inclui o abate de cerca de quatro mil porcos em três explorações agropecuárias, incluindo a que abrigava os animais afetados, perto da cidade de Paju (fronteira norte).

Durante 48 horas, está interdita a deslocação de suínos para qualquer exploração do país e os matadouros devem interromper todas as operações durante o mesmo período, de acordo com a ordem emitida pelo Govero de Seul.

Em conferência de imprensa, Kim Hyeon-soo prometeu “o máximo esforço” das autoridades para evitarem a propação do vírus e adiantou que estão a ser investigadas as possíveis vias de contágio, que se acredita serem originárias da Coreia do Norte.

O surto sul-coreano ocorre quatro meses após a Coreia do Norte ter notificado a Organização Mundial da Saúde Animal (OIE) sobre um primeiro caso detetado perto da fronteira com a China.

A peste suína africana não é transmissível aos seres humanos, mas é fatal para porcos e javalis. A atual onda de surtos começou na Geórgia, em 2007, e espalhou-se pela Europa do leste e Rússia, antes de chegar à China, em agosto passado.

Inicialmente, Pequim indicou que a situação estava sob controlo, mas os surtos acabaram por se alastrar a todas as províncias do país.

As autoridades chinesas autorizaram, desde o final do ano passado, os matadouros portugueses Maporal, ICM Pork e Montalva a exportar para o país.

As estimativas iniciais apontavam que as exportações portuguesas para China se fixassem em 15.000 porcos por semana, movimentando, no total, 100 milhões de euros.

Visto pelos produtores portugueses como o “mais importante” acontecimento para a suinicultura nacional “nos últimos 40 anos”, a abertura do mercado chinês deverá ter efeitos inflacionários em Portugal.

Continue a ler este artigo no Expresso.

Comente este artigo
Anterior Hoje, dia 17 de setembro, é o dia Internacional do Microrganismo!
Próximo Como chegou a vespa asiática a Portugal? O que fazer se for picado? Conheça as respostas aqui

Artigos relacionados

Últimas

APEB faz exigências à Comissão para defender banana das regiões ultra-periféricas da UE

A defesa da banana das regiões ultra-periféricas da União Europeia esteve em debate no Parlamento Europeu, em Bruxelas, no passado dia 9 de Outubro. […]

Nacional

O estrume e os odores do feno incomodavam os vizinhos. Um agricultor vai ter de lhes pagar 8 mil euros

O caso, ocorrido em França, é mais um exemplo das tensões entre populações rurais e “neorurais” de origem citadina

Nicolas Bardy, […]

Comunicados

Vindima e venda de uvas na Tapada da Ajuda durante o mês de agosto de 2019

A Tapada da Ajuda, campus do Instituto Superior de Agronomia (ISA) da Universidade de Lisboa, tem implantada, há décadas, aquela que era, até há bem poucos anos, a única vinha da cidade de Lisboa. […]