Constituídas quatro novas comissões de cogestão de áreas protegidas de âmbito nacional

Constituídas quatro novas comissões de cogestão de áreas protegidas de âmbito nacional

Foram hoje formalmente constituídas quatro novas comissões de cogestão de áreas protegidas de âmbito nacional. Apostando num modelo de gestão de proximidade, com os municípios a intervir na valorização territorial, as novas comissões são referentes ao Parque Nacional da Peneda Gerês (nos municípios de Arcos de Valdevez, Melgaço, Montalegre, Ponte da Barca e Terras de Bouro), ao Parque Natural do Alvão (Mondim de Basto e Vila Real), ao Parque Natural do Litoral Norte (Esposende) e à Reserva Natural das Dunas de São Jacinto (Aveiro).

Estas quatro áreas protegidas juntam-se, assim, ao Parque Natural da Serra de São Mamede, nos municípios de Arronches, Castelo de Vide, Portalegre e Marvão, a primeira área protegida cuja comissão de cogestão foi formalizada em dezembro de 2020.

Com o intuito de promover a participação de entidades relevantes das regiões na gestão das áreas protegidas – autarquias, instituições de ensino superior, organizações não governamentais, entre outras -, as comissões de cogestão constituem-se como órgãos de administração e gestão, com responsabilidades específicas nos domínios da promoção, sensibilização e comunicação de cada área protegida.

Esta semana foi também publicada a portaria que aprova o conjunto mínimo obrigatório de indicadores de realização, para a monitorização da concretização da cogestão das diferentes áreas protegidas. Assinada pela Ministra da Modernização do Estado e da Administração Pública e pelo Secretário de Estado da Conservação da Natureza, das Florestas e do Ordenamento do Território, esta portaria define o mínimo denominador comum de 21 indicadores obrigatórios a serem integrados no plano de cogestão de cada área protegida (ex.: investimento, projetos educativos, materiais de divulgação, infraestruturas de lazer e visitação). São mensuráveis anualmente, permitindo comparar a situação do momento com a de referência anterior, possibilitando a monitorização dos resultados decorrentes da execução de medidas e ações previstas nos planos de cogestão.

Recorde-se que o modelo de cogestão das áreas protegidas foi instituído pelo Decreto-Lei n.º 116/2019, de 21 de agosto.

Comente este artigo
Anterior Alcácer do Sal: Investimento agrícola de mais de 19.3M€ vai produzir 3500 ton de mirtilo para exportação
Próximo Previsão sazonal - abr. a jun. 2021

Artigos relacionados

Últimas

Comissão Europeia cria “Missão saúde do solo e alimentação”

Parcialmente inspiradas pela missão Apollo 11 de colocar um homem na Lua, as missões de investigação e inovação (I&I) europeias visam fornecer soluções para alguns dos maiores desafios que o mundo enfrenta e serão parte integrante do programa-quadro Horizon Europe a partir de 2021. […]

Formações

Agrária de Coimbra promove 7.ª Edição do Curso de Fogo Controlado

A Escola Superior Agrária de Coimbra (ESAC) leva a cabo, a partir de 1 de fevereiro de 2021, a 7.ª edição do curso de curta duração de Fogo Controlado. […]

Internacional

Novedades PAC 2018 (II): Cambios relativos a la ayuda a jóvenes y a la definición de pastos


En las últimas semanas, el presidente del Fondo Español de Garantía Agraria (FEGA), Miguel Ángel Riesgo, ha dedicado parte del `Consultorio de la PAC´de Agropopular a explicar la nueva normativa que se aplicará […]