Com Pedrógão esfumou-se o investimento na floresta. Só resta o medo

Com Pedrógão esfumou-se o investimento na floresta. Só resta o medo

Medo. A floresta em Portugal encheu-se de medo. Medo de investir no que pode acabar em cinzas, medo de ter árvores a rondar casas, não vá ser-se multado, medo de passar em certas zonas que podem ser armadilhas mortais, medo de se ser responsabilizado por tragédias. E este pânico geral está a tolher os movimentos ou a levar a decisões precipitadas. O sector está em suspenso enquanto o problema se agrava e aprofunda. A crise não é de hoje nem começou com o incêndio de Pedrógão Grande, que nesta segunda-feira faz dois anos e onde morreram 66 pessoas. Tem raízes complexas que não se explicam com a acusação simplista a apenas um ou outro culpado. O enredo ultrapassa espécies, alterações climáticas, abandono rural, ausência de cadastro, desordenamento. É isso tudo e muito mais.

Continue a ler este artigo no Público.

Comente este artigo
Anterior Floresta, a batalha que continuamos a perder
Próximo Pedrógão mudou as estatísticas sobre área ardida

Artigos relacionados

Nacional

Ovibeja 2019 de portas abertas até domingo

A 36ª Ovibeja abriu portas, com a presença do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa.
O tema principal deste ano são as alterações climáticas e a agricultura, […]

Sugeridas

Matadouro português fecha venda de 100 contentores de carne de porco para a China devido à peste suína

[Fonte: Observador] Importador chinês prevê comprar mais 400 a 500 contentores com carne de porco a matadouro português até ao final de 2020, […]

Últimas

Quais os reais efeitos do setor pecuário no impacto ambiental?

Numa organização de um grupo de investigadores da Universidade de Trás-os-Montes (UTAD) ligados ao Departamento de Zootecnia, decorreu no dia 30 de outubro […]