Colecção de mil variedades de árvores, num centro experimental em Tavira, cortada por uma estrada

Colecção de mil variedades de árvores, num centro experimental em Tavira, cortada por uma estrada

A maior colecção de árvores de fruto, reunida no Centro de Experimentação Agrária de Tavira (CEAT), vai ser atravessada por uma estrada segundo um projecto da Infra-estruturas de Portugal (IP). A cidade está em crescimento para cima da Reserva Agrícola Nacional (RAN) e a nova via – destinada a eliminar uma passagem nível – é apenas mais um corte numa propriedade com cerca de 29 hectares. O assunto motivou a criação de Movimento em Defesa do CEAT que se opõe ao urbanismo galopante.

O centro de experimentação, vocacionado para a preservação das espécies autóctones, reúne cerca de mil variedades de árvores de fruto. Nesta quinta, a cargo da Direcção Regional de Agricultura e Pescas (DRAP), só de alfarrobeiras existem 43 espécies a que se juntam 97 variedades de figueiras. O património genético é considerado de grande valor mas o desinvestimento público não acompanha o interesse científico. A equipa de trabalho no terreno, que chegou a ter mais de duas dezenas pessoas, está reduzida a três pessoas à beira da reforma. Rui Amores, porta-voz do Movimento Cívico que surgiu há cerca de duas semanas, considera que é a altura de “chamar a atenção” para o que se está passar. “Não colocamos de parte a hipótese de impugnar judicialmente [a obra] depois de conhecer o desfecho do Estudo de Impacto Ambiental (EIA)”. Entretanto, já existe a programação de uma acção: visitas às escolas e uma manifestação marcada para o dia 13 de Março

Durante a fase de consulta pública do EIA , que terminou no dia 17 de Janeiro, a Direcção Regional de Agricultura e Pescas (DRAP) não se pronunciou contra a obra. Apenas apresentou um conjunto de medidas de compensação e minimização, que passarão pela recuperação dos edifícios existentes, que estão bastante degradados, para lhes conferir uma nova utilidade. Nesse contexto, o antigo Posto Agrário de Tavira, para onde está previsto há quase duas décadas um museu, está na lista dos imóveis a reabilitar. Por outro lado, defende ainda a DRAP, o sistema de rega tem de ser substituído. A criação de um Centro de Interpretação da Dieta Mediterrânea e uma Quinta de Ciência Viva são mais dois equipamentos reivindicados pelo Ministério da Agricultura à IP como medidas compensatórias pelos prejuízos causados.

Do lado norte da via, que irá ter 600 metros de comprimento e 20 de largura, fica uma parcela de solo agrícola com cerca de dois hectares. Num futuro próximo, o espaço passará a urbano e é nesse espaço que está previsto construir o novo Terminal da Rodoviária. De resto, já existem antecedentes. Os antigos armazéns da Quimigal, que faziam parte integrante do CEAT, foram vendidos para dar lugar a uma superfície comercial – o LIDL

Continue a ler este artigo no Público.

Comente este artigo
Anterior Alqueva e escassez de água
Próximo Seminário GS1 Portugal de Supply Chain: Gestão 4.0 com Inovação e Sustentabilidade - 5 de março - Lisboa

Artigos relacionados

Nacional

Amanhã ao meio dia Marcelo Rebelo de Sousa inaugura a 56ª Feira Nacional de Agricultura

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, inaugura este sábado, 8 de junho, pelas 12h00, a 56ª Feira Nacional de Agricultura / 66ª […]

Últimas

Combate ao fogo no Fundão está a decorrer “favoravelmente”

O combate ao fogo que deflagrou esta sexta-feira, em Peroviseu, Fundão, distrito de Castelo Branco, está a decorrer “favoravelmente” e a expectativa é […]

Dossiers

Carne, leite e ovos podem ficar mais caros devido ao aumento do custo das rações

O grande aumento da procura da China de produtos como o milho e a soja apanhou o mercado de surpresa. […]