Cientistas revelam que vacina contra a peste suína pode estar mais próxima

Os cientistas do Instituto Pirbright, no Reino Unido, acreditam que uma vacina contra a peste suína africana (PSA) poderá estar para breve. O anúncio foi realizado depois de um novo estudo ter apresentado a imunização em 100% dos suínos testados. Este é o primeiro avanço a nível mundial no que diz respeito à proteção contra a doença.

O estudo conta ainda com a participação de duas investigadoras portuguesas, Raquel Portugal, investigadora e doutorada em virologia, e Ana Luísa Reis.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde Animal, a ausência de uma vacina contra a PSA está a colocar em risco grande parte dos suínos do planeta. Só em 2019, mais de sete milhões de animais morreram da doença.

Agora, uma equipa de cientistas do Instituto Pirbright comunicou num estudo sobre vacinas que 100% dos suínos imunizados com a nova vacina ficaram protegidos contra uma dose letal do vírus da PSA.

A vacina vetorial foi criada através da inserção de oito genes do ASFV (African swine fever virus ou vírus da peste suína africana) estrategicamente selecionados num vetor não prejudicial do vírus.

O vetor desencadeia uma resposta do sistema imunitário dos suínos à infeção pela PSA. Apesar de terem sido registados sinais clínicos nos animais, a combinação de oito genes do vírus protegeu os suínos do desenvolvimento de uma doença grave devido à estirpe de ASFV, que de outra forma seria fatal.

Foi a primeira vez que uma vacina com vetor apresentou um efeito protetor contra a PSA. Apesar de serem necessárias mais investigações, se for bem-sucedida, a vacina permitirá diferenciar os animais vacinados, bem como o desenvolvimento de um programa de vacinação, assegurando e protegendo a produção de suínos.

“Demonstrar que a nossa vacina tem o potencial de proteger plenamente os suínos contra a PSA é um enorme passo no nosso programa de desenvolvimento de vacinas. Já começámos a trabalhar no aperfeiçoamento dos genes incluídos na vacina para melhorar a sua eficácia e proporcionar mais proteção”, explicou Chris Netherton, chefe do grupo de vacinologia de PSA de Pirbright, citado pela Vet Times.

A situação epidemiológica da peste suína africana na Europa e no mundo continua a agravar-se e, em Portugal, a Direção-Geral de Alimentação e Veterinária (DGAV) já tinha pedido aos produtores, transportadores, comerciantes, caçadores e veterinários o reforço das medidas de prevenção da peste suína africana, depois da confirmação de um foco em suínos domésticos.

O artigo foi publicado originalmente em Vida Rural.

Comente este artigo
Anterior Ministra da Agricultura: “É importante que os agricultores se organizem para terem mais acesso aos mercados”
Próximo CDS quer medidas que ajudem produtores de cereja e pêssego de Castelo Branco a recuperar do prejuízo

Artigos relacionados

Comunicados

PDR2020 – Período de apresentação de candidaturas para operação 3.2.1. Investimento na Exploração Agrícola

Objetivo da Operação
Esta operação tem como objetivo apoiar a realização de investimentos na exploração agrícola destinados a melhorar o desempenho e a viabilidade da exploração, […]

Nacional

Greve de veterinários e inspetores sanitários “abateu” atividade dos matadouros

A greve dos veterinários e inspetores sanitários da Direção-Geral da Alimentação e Veterinária (DGAV) registou uma adesão de 50%, provocando constrangimentos nos matadouros. […]

Nacional

PortugalFoods lança radar de mercados internacionais

“Radar de mercados internacionais” é uma iniciativa da PortugalFoods, associação que representa o sector agroalimentar no País, direccionada para «as necessidades actuais das empresas do sector agroalimentar português na obtenção de informação relevante sobre mercados internacionais». […]