Certificação florestal deve ser “financiada directamente pela UE”

Certificação florestal deve ser “financiada directamente pela UE”

O secretário-geral do Programme of Endorsement for Forest Certification Schemes admite a ambição que “a sustentabilidade seja uma tendência e não seja mais um nicho”. E sublinha que a certificação florestal não é um “investimento de curto prazo”, antes “um investimento sustentável para o futuro das nossas florestas” – no qual a União Europeia pode desempenhar um papel fundamental.

Ben Gunneberg é um dos fundadores daquele que é hoje o maior sistema de certificação florestal do mundo – o PEFC (Programme of Endorsement for Forest Certification Schemes), assumindo actualmente as funções de CEO e secretário-geral da organização. No final de Setembro, participou no Encontro PEFC Portugal – Floresta e Sustentabilidade. Em entrevista exclusiva ao PÚBLICO, por e-mail, sublinha as vantagens económicas, ambientais e sociais da certificação florestal e lança um repto aos responsáveis políticos europeus: “Não podemos perder de vista as pessoas, os empregos e as zonas rurais que dependem das florestas” e o próximo Quadro Financeiro Plurianual 2021-2027 da UE deve “financiar directamente” a certificação florestal.

Porque é que os proprietários florestais devem investir na certificação florestal? Além dos benefícios ambientais, há vantagens económicas e financeiras?

A certificação florestal é crucial, como forma de verificação e reconhecimento independente da gestão florestal sustentável. E oferece vantagens significativas do ponto de vista ambiental, uma vez que garante que as florestas podem manter-se como florestas e continuarem a absorver CO2 da atmosfera e a abrigarem mais de 80% das espécies terrestres. Por outro lado, a gestão florestal sustentável torna as florestas mais resistentes às mudanças climáticas e aos desastres naturais.

Em paralelo, há um ganho financeiro importante para os proprietários florestais, dado que a certificação florestal, ao criar confiança no consumidor, acrescenta valor às florestas. Muitas pessoas ainda se preocupam com o facto de a compra de produtos de madeira poder contribuir para a desflorestação, mas podem ter a certeza: se virem o rótulo PEFC num produto, o material à base de madeira provém de florestas geridas de forma sustentável. Graças a essa garantia, as pessoas procuram cada vez mais produtos de madeira, gerando uma procura adicional de produtos florestais e ganhos financeiros para os proprietários.

Pergunto-lhe pelas vantagens económicas e financeiras porque, em Portugal, é frequente ouvir os proprietários e as organizações reclamarem que a produção florestal não é rentável. Como conciliar os custos da certificação com os custos da produção e ser bem pago por isso?

Dada a importância vital, do ponto de vista ambiental, social e económico, das florestas, é fundamental que a produção florestal seja rentável. Se as florestas não forem rentáveis correm o risco de serem convertidas para usos alternativos, como a agricultura. É precisamente aqui que a certificação PEFC entra e pode ajudar. Graças ao rótulo PEFC em produtos de base florestal, como o papel, lenços de papel, móveis de madeira e até na moda, os proprietários florestais podem provar que gerem as suas florestas de forma sustentável. E isso ajuda a aumentar a confiança dos consumidores na compra desses produtos, pois sabem que não estão a contribuir para a desflorestação. Criar mais procura de produtos de base florestal gera mais valor para as florestas.

A somar a isto, a certificação florestal facilita a venda, fora de Portugal, da madeira e dos produtos por parte dos proprietários e das empresas florestais. Em muitos países, a certificação é um pré-requisito para fazer negócios e as políticas de compras públicas e privadas exigem cada vez mais materiais de origem florestal certificados.

Com mais de metade de toda a madeira importada em mercados como o Reino Unido e a Holanda com certificação PEFC, a nossa marca oferece uma vantagem real de mercado aos proprietários e gestores florestais com a nossa certificação.

Certificação de grupo para pequenos produtores

Sobretudo no Norte e Centro de Portugal, temos muitas pequenas propriedades florestais. A certificação está disponível e é possível para estes proprietários?

Sim. O sistema de certificação PEFC foi criado

Continue a ler este artigo no Público.

Comente este artigo
Anterior Agricultores do Reino Unido pedem isenção de restrições para contratar trabalhadores estrangeiros e não faltar perú no Natal
Próximo Perceção e populismo: quem define e quais são os interesses dos animais? - Jaime Piçarra

Artigos relacionados

Nacional

Eucaliptos vão dar lugar a zimbros, azinheiras e sobreiros em Vimioso

Reconverter um eucaliptal em floresta autóctone, no concelho de Vimioso, é um dos maiores objetivos do novo projeto da Associação para o Estudo e Protecção do Gado Asinino. […]

Nacional

Produtores de leite reclamam apoios após março com preço à produção mais baixo da UE

A Associação dos Produtores de Leite (Aprolep) alertou hoje para o risco de falências, abandono da produção e revolta dos produtores face à “miséria” do preço do leite à produção, […]

Nacional

Mapa de subprodutos agroalimentares da zona EUROACE

Com o objetivo de promover o aproveitamento dos subprodutos agroalimentares (provenientes de olival, vinha, fruteiras e hortícolas produzidos na zona EUROACE – Alentejo, […]