Agricultores do Reino Unido pedem isenção de restrições para contratar trabalhadores estrangeiros e não faltar perú no Natal

Agricultores do Reino Unido pedem isenção de restrições para contratar trabalhadores estrangeiros e não faltar perú no Natal

Associação britânica de produtores de aves propõe ao Governo que abra exceções às restrições de viagens devidas à covid-19 para terem mais de 1000 trabalhadores sazonais da Polónia ou República Checa, sob o risco de haver roturas no Natal ou de os preços da carne de perú dispararem

Os produtores de aves no Reino Unido estão a pressionar o Governo britânico para abrir exceções às restrições de viagens impostas com a covid-19, nomeadamente a obrigatoriedade de se fazerem quarentenas por 14 dias, e poderem contar com trabalhadores sazonais de países da Europa de leste, sob pena de haver roturas nos abastecimentos de carne de perú durante o período do Natal ou de os seus preços dispararem.

A proposta avançada ao Governo pela associação britânica dos produtores de aves (British Poultry Council) é a de que haja isenção de restrições de viagens a pelo menos 1000 trabalhadores que habitualmente vêm da Polónia, Roménia, Hungria, Bulgária ou República Checa, especializados na depenagem, corte e outras áreas específicas do processamento da carne de perú, às quais a mão de-obra do país não consegue responder.

O pedido foi feito com caráter de urgência, alegando os agricultores britânicos que precisam destes trabalhadores até ao fim de outubro, de forma a ter a produção preparada e a carne de perú pronta a consumir no período do Natal.

“Os trabalhadores sazonais no sector da produção de perú são vitais para abastecer as tradicionais mesas de Natal em Inglaterra e este sector não sobrevive sem ter acesso a mão-de-obra fora do Reino Unido”, frisou Richard Griffiths, diretor executivo do British Poultry Council (BPC), ao jornal “The Guardian”.

Segundo o responsável da associação britânica de produtores de aves, estes trabalhadores têm normalmente contratos de dois meses, e, se forem obrigados a cumprir quarentenas de 14 dias após chegar ao Reino Unido, acabarão por não se deslocar para o país, mesmo estando garantidas condições de segurança nos alojamentos com a pandemia covid-19.

Cerca de 9 milhões de perús são habitualmente criados no Reino Unido para abastecer o Natal no país e, segundo o responsável da associação britânica de produtores, sem estes trabalhadores externos especializados na depenagem e corte de carne, corre-se o risco de haver falhas no mercado no período mais festivo.

“O Governo tem de assegurar que a carne britânica, e a qualidade que representa, se mantém num preço aceitável e acessível a todos“, afirma, ainda, Richard Griffiths.

O artigo foi publicado originalmente em Expresso.

Comente este artigo
Anterior Análise do impacto potencial da PAC pós-2020 sobre os resultados económicos das explorações agrícolas de Portugal Continental - Francisco Avillez, Manuela Nina Jorge e Gonçalo Vale
Próximo Certificação florestal deve ser “financiada directamente pela UE”

Artigos relacionados

Dossiers

Oferta de emprego – Consultor de Estudos e Projetos – Licenciado em Ciências Agrárias – Lisboa

Estamos a recrutar um novo membro para a Área de Estudos e Projetos, enquadrado num estágio profissional IEFP. […]

Comunicados

ACTUAR apresenta contributos para a consulta pública da proposta de Estatuto da Agricultura Familiar em Portugal

A ACTUAR – Associação Para a Cooperação e o Desenvolvimento congratula os esforços realizados no sentido da construção de um Estatuto para a Agricultura Familiar em Portugal e valoriza o importante debate público relativamente ao mesmo. […]

Últimas

ViniPortugal leva mais de 370 vinhos portugueses a profissionais angolanos

A ViniPortugal, associação inter-profissional para a promoção internacional dos Vinhos de Portugal, leva mais de 370 vinhos e 44 produtores portugueses à […]