CDS critica lentidão do Governo na reconstrução de casas afetadas pelos incêndios

CDS critica lentidão do Governo na reconstrução de casas afetadas pelos incêndios

Veja também:


Cinco meses depois, o CDS regressa à aldeia de Vilela, em Oliveira do Hospital, para “colocar o dedo na ferida” e denunciar a “incompetência do Governo” na reconstrução das zonas afetadas pelos incêndios de outubro de 2017.

O regresso, desta vez em campanha eleitoral, serviu para mostrar no terreno, diz Assunção Cristas, que o Governo “não é capaz de cumprir a palavra”.

“Faz muito sentido para o CDS voltar a todos estes locais das tragédias dos incêndios e perceber que, para além dos números que o Governo gosta de apregoar, há situações e pessoas concretas que continuam um ano e meio depois dos incêndios sem terem as situações resolvidas”, afirma a líder centrista.

Não é o caso de Laura, de 95 anos e uma das habitantes que viu a sua casa afetada pelos fogos. A reconstrução da habitação chegou a estar prometida para a Páscoa, mas só este sábado regressa a casa.

É um dos exemplos da “lentidão” do Governo, aponta Assunção Cristas. Mas há mais, conta Nuno Pereira, da Associação das Vítimas dos Incêndios: “das 241 casas afetadas pelo fogo de 2017 no concelho, só 132 entraram em concurso”.

Entre “60% e 70% das casas estão validadas, mas o que nos preocupa não é o que está feito, é o que falta fazer. Estamos a falar de pessoas que nunca vão ter casa”, remata o líder associativo que acompanhou a visita do CDS.

A preocupação com o que falta fazer estende-se à floresta e à agricultara. A questão foi a oportunidade para o candidato do CDS ao Parlamento Europeu, Nuno Melo, insistir na melhor execução dos fundos comunitários – uma das bandeiras da sua candidatura.

“A nove meses do termo regular de execução dos quadros operacionais percebemos que este fundo, no que toca à floresta, tem sido executado de forma miserável, entre 14% e os 30%”, criticou.

“Ao mesmo tempo que vamos denunciando a sua baixa execução, temos o candidato do PS a dizer que não que está tudo muito bem. De facto, não há como vir aos sítios para ver como as coisas estão”, remata.

A campanha eleitoral para as eleições europeias começou na segunda-feira. Siga tudo aqui.

Comente este artigo

O artigo foi publicado originalmente em Rádio Renascença.

Anterior Porto Santo pode vir a ter uma reserva da biosfera
Próximo Um ano e meio depois, ainda não está concluída investigação a crimes ambientais no Tejo

Artigos relacionados

Últimas

Oito quilos, olhos azuis: pela primeira vez em 100 anos, nasceu um lince-euroasiático nos Pirenéus

O primeiro exemplar de lince-euroasiático (Lynx lynx) a nascer nos Pirenéus catalães em 100 anos foi esta semana apresentado ao público pelo Centro de Recuperação da Vida Selvagem de MónNatura Pirineus, um programa da Fundação Catalunya La Pedrera inaugurado em 2002. […]

Nacional

Limpeza de florestas paga IVA reduzido independentemente do regime de quem contrata serviço

Os serviços de limpeza ou abertura de caminhos para posterior abate de árvores ou limpeza no âmbito da prevenção de incêndios pagam a taxa de IVA de 6% independentemente do regime fiscal de quem os contrata. […]

Eventos

Dinâmicas para a Inovação – Água e Ambiente – 20 de novembro – Oliveira do Hospital

O “Ciclo de Eventos – Dinâmicas para a Inovação” arrancou no mês passado e, no dia 20, terá lugar mais uma sessão no BLC3 […]