CDS critica lentidão do Governo na reconstrução de casas afetadas pelos incêndios

CDS critica lentidão do Governo na reconstrução de casas afetadas pelos incêndios

Veja também:


Cinco meses depois, o CDS regressa à aldeia de Vilela, em Oliveira do Hospital, para “colocar o dedo na ferida” e denunciar a “incompetência do Governo” na reconstrução das zonas afetadas pelos incêndios de outubro de 2017.

O regresso, desta vez em campanha eleitoral, serviu para mostrar no terreno, diz Assunção Cristas, que o Governo “não é capaz de cumprir a palavra”.

“Faz muito sentido para o CDS voltar a todos estes locais das tragédias dos incêndios e perceber que, para além dos números que o Governo gosta de apregoar, há situações e pessoas concretas que continuam um ano e meio depois dos incêndios sem terem as situações resolvidas”, afirma a líder centrista.

Não é o caso de Laura, de 95 anos e uma das habitantes que viu a sua casa afetada pelos fogos. A reconstrução da habitação chegou a estar prometida para a Páscoa, mas só este sábado regressa a casa.

É um dos exemplos da “lentidão” do Governo, aponta Assunção Cristas. Mas há mais, conta Nuno Pereira, da Associação das Vítimas dos Incêndios: “das 241 casas afetadas pelo fogo de 2017 no concelho, só 132 entraram em concurso”.

Entre “60% e 70% das casas estão validadas, mas o que nos preocupa não é o que está feito, é o que falta fazer. Estamos a falar de pessoas que nunca vão ter casa”, remata o líder associativo que acompanhou a visita do CDS.

A preocupação com o que falta fazer estende-se à floresta e à agricultara. A questão foi a oportunidade para o candidato do CDS ao Parlamento Europeu, Nuno Melo, insistir na melhor execução dos fundos comunitários – uma das bandeiras da sua candidatura.

“A nove meses do termo regular de execução dos quadros operacionais percebemos que este fundo, no que toca à floresta, tem sido executado de forma miserável, entre 14% e os 30%”, criticou.

“Ao mesmo tempo que vamos denunciando a sua baixa execução, temos o candidato do PS a dizer que não que está tudo muito bem. De facto, não há como vir aos sítios para ver como as coisas estão”, remata.

A campanha eleitoral para as eleições europeias começou na segunda-feira. Siga tudo aqui.

O artigo foi publicado originalmente em Rádio Renascença.

Comente este artigo
Anterior Governo regulamenta estatuto do jovem empresário rural
Próximo Um ano e meio depois, ainda não está concluída investigação a crimes ambientais no Tejo

Artigos relacionados

Últimas

Dois anos. O fogo não os ganhou

Não cultivámos a distância, não nos mantivemos à margem, não evitámos emoções. E talvez por isso, por isso de certeza, e pela dureza das experiências que eles contaram e a superação sobre-humana que revelaram, […]

Últimas

CIM Viseu Dão Lafões e da Região de Coimbra lançam procedimento para a aquisição de um sistema de videovigilância florestal

As Comunidades Intermunicipais de Viseu Dão Lafões e da Região de Coimbra lançaram hoje um procedimento de contratação pública […]

Nacional

Corteva prepara-se para inovar no mercado

A Corteva Agriscience tornou-se uma sociedade anónima independente no início de junho deste ano, deixando de ser a Divisão de Agricultura da DowDuPont. […]