Um ano e meio depois, ainda não está concluída investigação a crimes ambientais no Tejo

Um ano e meio depois, ainda não está concluída investigação a crimes ambientais no Tejo

Veja também:


Quase um ano e meio depois, não está concluída a investigação do Ministério Público às suspeitas de crime ambiental no rio Tejo, nem há sequer arguidos constituídos, de acordo com informações avançadas à Renascença esta terça-feira pela Procuradoria-Geral da República (PGR).

O Ministério Público instaurou um inquérito a 28 de janeiro de 2018 às empresas de Vila Velha de Ródão suspeitas do crime, na sequência de uma participação de crime de poluição do rio Tejo apresentada pelo Ministério do Ambiente.

A investigação criminal foi, desde o início, dirigida pelo Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Castelo Branco, com o apoio da Polícia Judiciária (PJ) de Coimbra e da Inspeção-Geral da Agricultura, do Mar, do Ambiente e do Ordenamento do Território (IGAMAOT).

Em resposta a uma solicitação da Renascença, o gabinete de Lucília Gago informa que “o inquérito prossegue em segredo de Justiça e sem arguidos constituídos”.

A Celtejo, fábrica de papel da Alti, em Vila Velha de Ródão, foi apontada como a grande responsável pelo manto de espuma branca que cobriu o açude de Abrantes e uma zona de Alvega em janeiro de 2018, um cenário que as associações ambientalistas na altura classificaram de “dantesco”.

No entanto, a empresa de celulose sempre rejeitou qualquer responsabilidade pela descarga poluente. Segundo adiantou a empresa na altura em que os factos ocorreram, estariam ainda a ser investigadas outras duas empresas de papel: a Navigator e a Paper Prime.

O artigo foi publicado originalmente em Rádio Renascença.

Comente este artigo
Anterior CDS critica lentidão do Governo na reconstrução de casas afetadas pelos incêndios
Próximo Governo regulamenta estatuto do Jovem Empresário Rural

Artigos relacionados

Últimas

Opinion of the European Social Partners in Agriculture on the European Labour Authority Campaign on Seasonal Work

The European agricultural sector largely depends on the work of mobile and migrant workers,being them EU citizens or third country nationals. Every year, during the harvesting period […]

Últimas

Federação dos Agricultores alentejanos reclama medidas de combate à seca

As situações de seca extrema no Alentejo infelizmente são recorrentes, e este ano não é excepção. A Federação das Associações de Agricultores do Baixo Alentejo – FAABA vem mais uma vez solicitar medidas de apoio de modo a mitigar os prejuízos causados. […]

Nacional

Viana do Castelo. Há mais de uma centena de castas antigas que não se produzem

A Região dos vinhos verdes e o Instituto Politécnico de Viana do Castelo estão investigar a recuperação de Castas raras de vinho verde e tinto […]