Casa do douro contra nova venda de stocks de vinho de porto velho

Casa do douro contra nova venda de stocks de vinho de porto velho

A nova iniciativa de venda de 86.900 litros de Vinho do Porto velho promovida pela Comissão Administrativa, que parece ter único propósito de criar liquidez, é novamente uma opção política que prejudica os interesses da Região Demarcada do Douro, ao ser feita sem o menor planeamento e, fundamentalmente, à revelia do Conselho Interprofissional do IVDP, I.P..

Não podemos esquecer que a venda total de Vinho do Porto, referente a 2017 foi de 76.038.877 litros, ou seja, 138.253 pipas e a venda anual de Vinhos tawnys velhos (com mais de 10 anos) é de 824.647 litros, 1.499 pipas. Por conseguinte, este Vinho do Porto velho que está para venda é, neste momento, desnecessário, já que os 86.900 Litros de vinhos tawnys velhos equivalem a 158 pipas e irão representar um excedente no mercado de 10,5%, já este ano.
O mais grave não é a venda gradativa do Vinho do Porto velho em stock na Casa do Douro mas sim fazê-lo sem qualquer transparência e planeamento a longo prazo garantindo que sejam acautelados todos os riscos da sua introdução no mercado.

Não é pelo fato de aparecerem interessados que se pode justificar a venda porque só se pode garantir a não desvalorização dos stocks existentes se tudo for feito com a devida observação dos volumes na posse do Comércio.

A Região discute, anualmente, o valor do benefício que é a quantidade de Vinho do Porto novo a ser introduzida no mercado. Por maioria de razão, deveria discutir também a introdução de Vinhos Velhos e muito velhos.
Há propostas que não devem sair da mesa, de entre elas, a obrigação do controlo da introdução de Vinho do Porto no mercado ser realizada através do Parecer do Conselho Interprofissional do IVDP, I.P. que, a cada momento, deverá fazer o ponto da situação e dar, ou não, permissão de modo a não desfazer o equilíbrio necessário. Essa seria uma fórmula saudável de regulação de mercado dos Vinhos do Porto Velhos da Região. Aliás, é nossa convicção que a venda deste Vinho do Porto Velho seja distribuída ao longo de, pelo menos, 15 anos.

Entretanto, deverá ser possível reduzir o stock mínimo exigível para a comercialização de Vinho do Porto de tal forma que o comércio a retalho de venda de vinhos velhos possa ser dinamizado.
Por último, repete-se a pergunta: Porque não se põe à venda o património imobiliário desnecessário e em decadência para pagar as dívidas mais prementes e que tem muitos interessados, Câmaras inclusive?

Comente este artigo
Anterior Fórum de Leite - Produto Nacional de Excelência - 3 de Abril 2018 - Lisboa
Próximo Millennium bcp e confederação dos agricultores de portugal (CAP) assinam acordo de cooperação

Artigos relacionados

Comunicados

Regantes reclamam investimento público nos recursos hídricos do território rural

28 de Novembro de 2018
10 anos de TRH. É este o caminho? Onde queremos chegar?
A 1 de julho de 2008 entrou em funcionamento a taxa de recursos hídricos, conhecida como TRH. Investir na melhoria dos recursos hídricos, assim foi “anunciada” há 10 anos a TRH, […]

Comunicados

ADACO: Obras hidroagrícolas – Central Termo-electrica

Obras hidroagrícolas – Central Termo-electrica
Obras no Vale do Pranto
Governo tem que assumir a sua execução
Central termo-elétrica de lares
Que impacto na produção de arroz
Em 2018 assistimos ao anúncio com pompa e circunstância do Governo, de que as Obras no Vale do Pranto iriam arrancar no final do mesmo ano. […]

Nacional

ANCOSE identifica necessidades mais urgentes para os Agricultores da zona de Oliveira do Hospital

Após as recolhas de fim-de-semana, comunicamos que necessitamos do seguinte material:

 

Comente este artigo
#wpdevar_comment_6 span,#wpdevar_comment_6 iframe{width:100% !important;} […]