Carta aberta aos ministros da Educação e da CTES sobre aula de Ciências Naturais na Telescola

Carta aberta aos ministros da Educação e da CTES sobre aula de Ciências Naturais na Telescola

Ao Senhor ministro da Educação, Doutor Tiago Brandão Rodrigues

Ao Senhor ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Professor Manuel Heitor

Exmos Senhores ministros,

Ontem, 13 de maio, foi apresentado no programa “Estudo em casa”, no canal público de televisão dedicado à Tele Escola, na aula 4 de Ciências Naturais dos 7º e 8º anos, um slide com o título “Impactes da exploração dos recursos agropecuários”.

A informação – ou melhor – a doutrinação veiculada é não só errada do ponto de vista científico – está cientificamente provado que os Organismos Geneticamente Modificados (OGM) não constituem risco, quer para a saúde humana, quer para o ambiente -, como é deturpada, pois os impactes referidos não provêm da exploração dos recursos agropecuários, mas sim de eventuais práticas agrícolas antiquadas.

De facto, a informação transmitida constitui um aviltamento da produção agropecuária e dos produtores portugueses em particular, que se esforçam todos os dias para garantir a sustentabilidade das suas produções e a segurança alimentar. Contrariamente ao que foi dito na referida aula, a agricultura intensiva moderna não utiliza excesso de fertilizantes, pesticidas e herbicidas, tendo exigências semelhantes ao modo de produção integrada. E, também ao invés do que foi proferido, são proibidos os antibióticos e as hormonas de crescimento nas fileiras de produção animal no espaço europeu.

Em vez de comunicar factos corretos e de os explicar com fundamentos científicos, esta forma de doutrinar é vergonhosa para o ensino das ciências em Portugal. Na realidade, os conteúdos das Ciências da Natureza para os 2º e 3º ciclos, mas também, em parte, para o Ensino Secundário, enfermam da perspetiva de que a ciência é uma disciplina para decorar (vulgo “marrar”) e que os alunos devem ser apascentados, sobretudo no que respeita às ciências naturais e do ambiente. Esta realidade é facilmente verificável em vários manuais escolares.

Peço encarecidamente a Vossas Excelências, como cientistas que são, que atendam a esta questão e que atuem no sentido de mudar este paradigma, que envergonha a Educação e a Ciência portuguesas.

Com os melhores cumprimentos,

Pedro Fevereiro

Biólogo
Presidente do CiB-Centro de Informação de Biotecnologia
1º Bastonário da Ordem dos Biólogos
Ex-membro do Conselho Nacional de Ética para as Ciências da Vida
Professor Auxiliar com Agregação

Subscreva as nossas newsletters aqui.

InnovPlantProtect – Um laboratório Colaborativo para a Inovação na Proteção das Culturas Agrícolas – Pedro Fevereiro

Comente este artigo
Anterior Atualização da zona demarcada para Xylella fastidiosa - maio 2020
Próximo Governo abre candidaturas para 540 direitos de acesso ao prémio à vaca aleitante

Artigos relacionados

Comunicados

Constituídas quatro novas comissões de cogestão de áreas protegidas de âmbito nacional

Foram hoje formalmente constituídas quatro novas comissões de cogestão de áreas protegidas de âmbito nacional. Apostando num modelo de gestão de proximidade, com os municípios […]

Nacional

Já há massa 100% nacional com cereais de Beringel, Brinches, Beja, Ferreira e Elvas

No ano em que a cultura de cereais atingiu o mínimo histórico, os produtores uniram-se e convenceram a indústria de que o que se faz em Portugal pode ser pouco, mas é de elevada qualidade. A marca Nacional, que já tem 165 anos, acreditou e fez massa com cereais do Alentejo. […]

Últimas

Portugal Exportador 2019 a 27 de Novembro – Lisboa

O Centro de Congressos de Lisboa recebe, a 27 de Novembro, o Portugal Exportador 2019. Este evento de periodicidade anual é dedicado à internacionalização e proporciona, […]