Carta aberta aos ministros da Educação e da CTES sobre aula de Ciências Naturais na Telescola

Carta aberta aos ministros da Educação e da CTES sobre aula de Ciências Naturais na Telescola

Ao Senhor ministro da Educação, Doutor Tiago Brandão Rodrigues

Ao Senhor ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Professor Manuel Heitor

Exmos Senhores ministros,

Ontem, 13 de maio, foi apresentado no programa “Estudo em casa”, no canal público de televisão dedicado à Tele Escola, na aula 4 de Ciências Naturais dos 7º e 8º anos, um slide com o título “Impactes da exploração dos recursos agropecuários”.

A informação – ou melhor – a doutrinação veiculada é não só errada do ponto de vista científico – está cientificamente provado que os Organismos Geneticamente Modificados (OGM) não constituem risco, quer para a saúde humana, quer para o ambiente -, como é deturpada, pois os impactes referidos não provêm da exploração dos recursos agropecuários, mas sim de eventuais práticas agrícolas antiquadas.

De facto, a informação transmitida constitui um aviltamento da produção agropecuária e dos produtores portugueses em particular, que se esforçam todos os dias para garantir a sustentabilidade das suas produções e a segurança alimentar. Contrariamente ao que foi dito na referida aula, a agricultura intensiva moderna não utiliza excesso de fertilizantes, pesticidas e herbicidas, tendo exigências semelhantes ao modo de produção integrada. E, também ao invés do que foi proferido, são proibidos os antibióticos e as hormonas de crescimento nas fileiras de produção animal no espaço europeu.

Em vez de comunicar factos corretos e de os explicar com fundamentos científicos, esta forma de doutrinar é vergonhosa para o ensino das ciências em Portugal. Na realidade, os conteúdos das Ciências da Natureza para os 2º e 3º ciclos, mas também, em parte, para o Ensino Secundário, enfermam da perspetiva de que a ciência é uma disciplina para decorar (vulgo “marrar”) e que os alunos devem ser apascentados, sobretudo no que respeita às ciências naturais e do ambiente. Esta realidade é facilmente verificável em vários manuais escolares.

Peço encarecidamente a Vossas Excelências, como cientistas que são, que atendam a esta questão e que atuem no sentido de mudar este paradigma, que envergonha a Educação e a Ciência portuguesas.

Com os melhores cumprimentos,

Pedro Fevereiro

Biólogo
Presidente do CiB-Centro de Informação de Biotecnologia
1º Bastonário da Ordem dos Biólogos
Ex-membro do Conselho Nacional de Ética para as Ciências da Vida
Professor Auxiliar com Agregação

Subscreva as nossas newsletters aqui.

InnovPlantProtect – Um laboratório Colaborativo para a Inovação na Proteção das Culturas Agrícolas – Pedro Fevereiro

Comente este artigo
Anterior Atualização da zona demarcada para Xylella fastidiosa - maio 2020
Próximo Governo abre candidaturas para 540 direitos de acesso ao prémio à vaca aleitante

Artigos relacionados

Comunicados

Acordo de Princípio UE-MERCOSUL – Primeira análise dos termos do acordo

Em 28 junho de 2019 os negociadores da UE e do MERCOSUL chegaram a um acordo político no contexto das negociações do Acordo de Comércio Livre (ACL) entre a UE e o Mercosul, na parte comércio de bens (produtos agrícolas e agroalimentares) […]

Fitotema

Roseiras na Vinha

Nos últimos anos, vem sendo hábito plantar roseiras nos topos das linhas de Vinha, antigo costume “importado” de França. Estas roseiras serviam, […]

Últimas

Vinho do Porto critica limites à venda de álcool nos supermercados

A Associação das Empresas de Vinho do Porto (AEVP) pediu esta quarta-feira, 14 de outubro, ao Governo que volte a autorizar a venda de vinhos tranquilos, […]