Capoulas Santos articula medidas anti-Xylella com Espanha

Capoulas Santos articula medidas anti-Xylella com Espanha

O ministro da Agricultura, Luís Capoulas Santos, esteve em Mérida com o seu homólogo espanhol para articular medidas de defesa de sanidade anti-Xylella bem como a estratégia conjunta para a reforma da PAC.

Capoulas Santos e Luis Planas Puchades estão preocupados com a bactéria Xylella fastidiosa, cuja presença foi recentemente detetada em plantas de lavanda no norte de Portugal, em Vila Nova de Gaia.

Portugal tem já em curso o Plano de Contingência Nacional, cujo objetivo é o controlo e erradicação da bactéria, sendo que em Espanha, desde há alguns meses, vêm sendo detetados alguns focos nas baleares, na região de Madrid e na região de Alicante.

Capoulas Santos defendeu a necessidade de “articular uma estratégia de prevenção e de combate à propagação da doença, por forma a limitar ao máximo, e se possível eliminar, as possibilidades de contágio”.

Relativamente ao Plano de Contingência Nacional, o Ministério da Agricultura informou que “num raio de 100 metros a partir da planta infetada (Zona Infetada) foram já destruídas mais de 200 plantas suscetíveis de hospedar a bactéria e estão já em curso as operações de prospeção num raio de 5 Km a partir do foco de deteção da bactéria (Zona Tampão). Das mais de 400 amostras colhidas dentro da Zona Infetada, e analisadas até à última sexta-feira (18.01), apenas obtiveram resultado positivo amostras colhidas em lavandas (menos de 10% das amostras). Os serviços do Ministério da Agricultura (Direção Geral de Alimentação e Veterinária, Direção Regional de Agricultura e Pescas do Norte e Instituto de Conservação da Natureza e Florestas) estão agora a proceder à colheita de amostras e verificação de sintomas em plantas de espécies sensíveis à bactéria dentro da Zona Tampão”.

Ainda de acordo com o Ministério da Agricultura, as medidas de proteção incluem a divulgação de um folheto informativo indicando cuidados a ter com a movimentação de plantas ou partes de plantas que se destinem a plantação distribuído às populações abrangidas pela Zona Demarcada (Zona Infetada + Zona Tampão), em conjunto com a fatura da água. Será também implementada sinalética nas vias de comunicação, indicando a fronteira da Zona Demarcada.

Fica também proibida a compra e venda de espécies sensíveis à bactéria dentro da Zona Tampão, impedindo os operadores económicos de comercializar essas plantas.

Recorde-se que já foi identificada a estirpe da bactéria Xylella fastidiosa que infetou as plantas de lavanda. Trata-se da estirpe multiplex que, apesar de poder afetar também oliveiras, não corresponde à estirpe que em Itália está a afetar milhares de hectares de olival, a estirpe pauca, cuja presença não foi identificada.

O comunicado do Ministério adianta ainda que as plantas de lavanda nas quais foi detetada a presença da bactéria foram produzidas no próprio jardim onde se encontravam (Jardim Zoológico de Santo Inácio), a partir de plantas ali existentes há mais de 10 anos. As  plantas onde a bactéria foi identificada não apresentavam sintomas de doença e foram imediatamente destruídas após o conhecimento do resultado positivo da análise.

O artigo foi publicado originalmente em Vida Rural.

Comente este artigo
Anterior Crédito Agrícola lança nova campanha de crédito pessoal
Próximo Continente vai comprar 10 mil toneladas de laranja do Algarve

Artigos relacionados

Dossiers

Anipla subscreve propostas da ECPA e reforça a sua estratégia de actuação

A Associação da Indústria Fitofarmacêutica Europeia (European Crop Protection Association – ECPA) acaba de anunciar um conjunto de compromissos primordiais e ambiciosos para apoiar o […]

Notícias máquinas agrícolas

New Holland Agriculture lança nova gama de ceifeiras-debulhadoras

A New Holland Agriculture lançou a nova gama de ceifeiras-debulhadoras CH7.70m apresentando um novo conceito, Crossover Harvesting, que […]

Últimas

Governo anuncia plano de mitigação no Sistema de Gestão de Fogos Rurais

O ministro do Ambiente disse hoje que o trabalho de gestão, proteção e preparação para a época de incêndios não parou, apesar da covid-19, e […]