Capacetes de realidade virtual em vacas? Melhora a qualidade do leite

Capacetes de realidade virtual em vacas? Melhora a qualidade do leite

Depois da música clássica, é outra forma de ajudar as vacas a relaxar, a bem da produção

Já há algum tempo que as imagens circulavam nas redes sociais. Vacas no campo com capacetes de realidade virtual. Havia quem falasse em antevisão de um futuro distópico, e a explicação avançada – que se tratava de uma experiência científica numa quinta próximo de Moscovo – parecia demasiado conveniente.

Mas afinal era mesmo isso. Um press release do Ministério da Agricultura e Alimentação explicou que se trata de fornecer aos animais imagens que lhes reduzam a ansiedade e, em consequência, melhorem a produção de leite. Ou seja, “um programa único de simulação de um campo no verão”, como diz o press release.

Criada por arquitetos de realidade virtual, a simulação “baseia-se em numerosos estudos que mostram que as vacas são melhores a perceber tons de vermelho do que os verdes e azuis no espectro cromático”, acrescenta o ministério.

O programa teve a participação de investigadores e veterinários. O objetivo dos capacetes, que foram especialmente desenhados para se adaptarem à cabeça das vacas, é dar a estas a impressão de que se encontram sempre numa pastagem cheia de sol.

“Exemplos de quintas em diferentes países mostram que, numa atmosfera calma, a quantidade, e às vezes a qualidade, do leite melhora significativamente”, explica o press release.

Os resultados para já parecem confirmar as esperanças. “A disposição emocional geral da manada” ficou mais positiva, com uma redução mensurável de ansiedade. Mas estudos posteriores serão necessários para confirmar os efeitos sobre o leite produzido.

Se forem aqueles que se espera e os capacetes passarem a ter utilização mais geral, poderá ser um fator de modernização para a indústria dos lacticínios. Ainda por cima, com uma ideia russa aparentemente original. Até agora, a estimulação emocional das vacas no país usava meios mais convencionais. O jornal “Daily Telegraph” refere, por exemplo, as propriedades relaxantes da música de Tchaikovsky…

O artigo foi publicado originalmente em Expresso.

Comente este artigo
Anterior BASF apoia viticultores portugueses
Próximo Azeite já representa 9% do valor da produção agrícola nacional

Artigos relacionados

Últimas

Há muita comida no mundo, mas não onde é necessário

Este é apenas o início. À medida que o vírus se espalha e os casos aumentam, existem inúmeras maneiras de o sistema alimentar ser testado e […]

Últimas

Conferência Vida Rural – RECENTRAR A CADEIA DE ABASTECIMENTO: O PAPEL DA GRANDE DISTRIBUIÇÃO

Entrevista a Ondina Afonso, do Clube de Produtores Continente, na Conferência Vida Rural – Reinventar as cadeias de distribuição. […]

Últimas

Grupo Sovena aposta na Inovação e renova o Marketing

O Grupo Sovena, empresa portuguesa detentora das marcas líderes de mercado Oliveira da Serra e Fula, acaba de desenvolver uma nova área de inovação liderada por João Basto e reorganizar o departamento de Marketing, […]