Campanha agrícola de 2016 com quebra de 30% na azeitona para azeite e mínimos nos cereais

Campanha agrícola de 2016 com quebra de 30% na azeitona para azeite e mínimos nos cereais

[Fonte: Redator]

A produção de azeitona para azeite deverá ter caído 30% em 2016 para menos de 500 mil toneladas, e a superfície de cereais de outono/inverno diminuído para “mínimos históricos”, segundo as previsões agrícolas hoje divulgadas pelo INE.

De acordo com o Instituto Nacional de Estatística (INE), o recuo da produção de azeitona para azeite resultou das “condições climatéricas adversas e da alternância anual de produção dos olivais tradicionais”, antecipando-se uma campanha na ordem das 491 mil toneladas (-30% que em 2015), mas azeite “de boa qualidade”.

Quanto aos cereais de outono/inverno, regista-se uma “diminuição generalizada das áreas instaladas face à campanha anterior, pois “o desenvolvimento vegetativo das searas abrandou bastante com o frio intenso e com a falta de chuva”, apesar de a situação se ter ido “invertendo a partir da última semana de janeiro”.

As previsões do INE apontam para reduções de 5% na área de centeio, 10% nas áreas de trigo mole, triticale e cevada e 15% na de trigo duro, com a área total de cereais de inverno a rondar os 130 mil hectares, “o que corresponde ao registo mais baixo observado nas últimas três décadas, num ano em que as condições climatéricas possibilitaram a normal realização das sementeiras”.

No que se refere à aveia, é antecipada uma produtividade acima das 1,4 toneladas por hectare (16% superior à média do último quinquénio).

Segundo o INE, as condições meteorológicas do mês de janeiro “permitiram que os trabalhos agrícolas tenham decorrido sem problemas”, nomeadamente a conclusão da apanha da azeitona, as podas dos pomares e vinhas e as adubações das searas de inverno e das culturas permanentes.

“No entanto — acrescenta – o frio intenso diminuiu substancialmente o desenvolvimento vegetativo das culturas instaladas, tendo causado prejuízos significativos na horticultura, floricultura e em alguns pomares de citrinos”.

No que se refere ao desenvolvimento de pastagens e culturas forrageiras, foi atrasado pelo frio e pela ausência de precipitação, mas as chuvas do final do mês “fazem perspetivar um rápido retorno aos padrões normais de desenvolvimento das áreas forrageiras”.

Para já, nota o instituto, a “reduzida disponibilidade de alimento nas pastagens” está a obrigar ao complemento da alimentação animal com palhas, fenos, silagens e alimentos concentrados em quantidades semelhantes aos anos anteriores.

 

 

O artigo Campanha agrícola de 2016 com quebra de 30% na azeitona para azeite e mínimos nos cereais foi publicado originalmente em Redator

Anterior Agricultura. Angola namora empresários portugueses
Próximo Informação projecto H2020 IoF2020

Artigos relacionados

Últimas

Existe um novo prémio para universitários com ideias para o agroalimentar

[Fonte: Vida Rural]
As candidaturas ao prémio Ecotrophelia Portugal 2017, uma iniciativa da PortugalFoods e da Federação das Indústrias Portuguesas Agro-Alimentares (FIPA) para distinguir a inovação de estudantes universitários no setor agroalimentar, estão abertas e a decorrer até […]

Últimas

La revisión de la PAC, pero sobre todo los efectos del Brexit, marcarán 2017 para el campo en la UE

[Fonte: Agroinformacion]  La Unión Europea (UE) inicia un año de debates, en el que se conocerán las primeras propuestas sobre una nueva reforma de la Política Agrícola Común (PAC), aunque no será inicialmente hasta final de año cuando se den a conocer las propuestas planteadas al sector por parte de la CE, […]

Últimas

Entidade Regional de Turismo apresenta plano para o Enoturismo do Alentejo e Ribatejo

[Fonte: O Ribatejo]
A Entidade Regional de Turismo do Alentejo / Ribatejo promove amanhã, 12 de Janeiro, uma reunião com os agentes do enoturismo que operam nos 11 municípios da Lezíria ribatejana para apresentar e debater o Projeto de Organização, Estruturação e Promoção Empresarial do Enoturismo do Alentejo e Ribatejo. […]