“Cabras sapadoras” acusadas de destruir pomares e culturas

“Cabras sapadoras” acusadas de destruir pomares e culturas

[Fonte: Público]

Vários proprietários têm-se queixado de estragos feitos em pomares e terrenos por “cabras sapadoras”. O Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas, responsável pelo projecto-piloto, diz não ter “conhecimento de prejuízos causados”.

Têm por missão limpar os terrenos como forma de combate aos incêndios, mas têm sido alvo de queixas de proprietários que acusam as “cabras sapadoras” de destruírem pomares e outras culturas. Há duas semanas, a Associação de Protecção e Socorro recebeu quatro queixas, de acordo com o presidente João Paulo Saraiva. Mas, desde 2018, já lhes foram apresentados 18 casos.

“Temos pessoas que nos confundem com a Autoridade Civil e apresentam-nos queixas. Por norma, fazemos por remeter as pessoas para o Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF)”, explica João Paulo Saraiva.

Maria Helena de 70 anos, da povoação do Sail (Arganil), foi uma das visadas. Tem um terreno com cerca de 100 árvores de fruto, mas 80 delas foram estragadas pelas cabras sapadoras. “Algumas das árvores até já estavam a dar cerejas… Fomos plantando o terreno porque sobreviveu ao fogo, não queríamos que ficasse com mato. Tivemos tanto trabalho e agora deparo-me com tudo destruído”, conta ao PÚBLICO.

Também António Armando de 63 anos, do Vale do Espinho (Arganil), se queixa de árvores de fruto e videiras destruídas. Constatou por si próprio que tinham sido as cabras a causar os estragos. “Já as vi no meu terreno. Até na estrada as encontro. Uma vez, uma dessas cabras saltou para a frente do meu carro. Só não tive um acidente porque não calhou”, explica António Armando.

Quando questionado pelo PÚBLICO, o ICNF afirmou não ter “conhecimento de prejuízos causados por efectivos abrangidos pelo programa, sendo que, caso ocorram, são da responsabilidade do gestor do efectivo, tal como ocorre com os prejuízos causados a terceiros por qualquer outro tipo de actividade”.

Dos cinco proprietários entrevistados, todos afirmaram que as cabras não são supervisionadas por nenhum pastor. No entanto, segundo o Ministério da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural “o controlo dos animais é assegurado pelo respectivo proprietário [das cabras] através dos meios que considere mais adequados para a realidade do seu território”, devendo ainda estar “obrigados a cumprir a normas de identificação de cada animal que decorrem do Sistema Nacional de Informação e Registo Animal (SNIRA)”.

O certo é que estes, e muitos outros terrenos, não estão vedados. Das cinco pessoas contactadas pelo PÚBLICO, todas afirmaram que não lhes compensa, ou que não têm dinheiro para construir vedações. Também João Paulo Saraiva dá conta desta realidade: “Tivemos um senhor de 93 anos que o que recebe mal dá para pagar medicamentos, nem sequer tem água canalizada em casa. Como é que ele vai pagar uma vedação?”, questiona.

Texto editado por Rita Ferreira

Comente este artigo

O artigo “Cabras sapadoras” acusadas de destruir pomares e culturas foi publicado originalmente em Público.

Anterior 1º Centro Comunitário de Lavagem de Pulverizadores em Portugal inaugurado em Cantanhede
Próximo Capoulas Santos chamado ao Parlamento devido a demissão no Pinhal de Leiria

Artigos relacionados

Sugeridas

Portugal Foods faz levantamento de empresas que tenham produtos com certificação biológica

[Fonte: Revista Frutas Legumes e Flores]
Na sua página de Facebook, a Portugal Foods informa que está a fazer um levantamento de empresas que possuam produtos com certificação biológica. […]

Nacional

Niepoort declara 2017 ano Vintage para o seu vinho do Porto

[Fonte: Gazeta Rural]

A casa Niepoort declarou 2017 como ano Vintage para os seus vinhos do Porto e o seu responsável máximo disse à […]

Eventos

II Jornadas Anipla a 17 de Abril em Lisboa

[Fonte: Revista Frutas Legumes e Flores]

Durante a tarde de 17 de Abril, tem lugar na Sala de Actos do Instituto Superior de Agronomia (ISA), […]