Bruxelas arrasa agricultura portuguesa? – Manuel Chaveiro Soares

Bruxelas arrasa agricultura portuguesa? – Manuel Chaveiro Soares

Presentemente a UE está a ser varrida por uma “onda verde” (Green Deal, no âmbito do denominado Pacto Ecológico Europeu), com epicentro em Bruxelas, que tende a eliminar muitos progressos tecnológicos alcançados na produção de alimentos – com crescente otimização da aplicação dos recursos, mormente no pós-guerra –, sem que em muitas circunstâncias as decisões ora em preparação pela Comissão Europeia se fundamentem na evidência científica. De facto, constituiram-se lóbis de cariz ideológico ou emergiram correntes nalguns partidos políticos que aproveitam a atual situação de abundância alimentar para, invocando questões de índole ambiental, defenderem teses tendentes à adoção de tecnologias produtivas pouco eficientes.

Entre estas propostas sobressai a expansão do modo de produção biológica, o decréscimo do uso dos fertilizantes e ainda a redução em 50 por cento da utilização de produtos fitofarmacêuticos – sem que se indique a base científica em que se fundamenta o referido decréscimo do uso dos pesticidas. Admitindo que estes sofram uma possível perda de autorização da utilização de um conjunto de mais de 80 substâncias ativas na UE, a prestigiada AGRO.GES realizou um estudo para avaliar as repercussões económicas que tal decisão teria em cinco fileiras agrícolas – milho-grão, vinha para vinho, tomate para indústria, olival para azeite e pêra Rocha – que representam um terço da produção vegetal em Portugal. Como conclusão, a AGRO.GES considerou que o milho-grão e a vinha para vinho poderiam perder a viabilidade económica por completo, enquanto o tomate, o olival e a pêra sofreriam uma perda de receita anual de, respetivamente, 111,4 milhões de euros, 28,9 M € e 26,2 M €.

Curiosamente, enquanto escrevo este texto, tenho à mesa ameixas transportadas por avião de dois continentes distintos – sendo inimaginável o impacto ambiental do respetivo transporte, que será cada vez mais relevante à medida que a UE reduzir a produção interna e, consequentemente, incrementar a importação de alimentos. A concretizarem-se as orientações desenhadas por Bruxelas, considero conveniente acelerar a construção de um novo aeroporto em Lisboa, designadamente enquanto os juros estão baixos, para assim deixarmos uma herança menos pesada para os nossos netos, nomeadamente aqueles que quiserem continuar a viver na UE, pois são muitos os que pretendem estudar ciências nas melhores universidades do mundo, sitas nos EUA e na Grâ-Bretanha, onde poderão eventualmente continuar a trabalhar (refira-se, a este propósito, que também no ranking dos melhores economistas portugueses, é precisamente naqueles dois países que os melhores desenvolvem a sua atividade).

Mas Portugal encontra-se numa situação particularmente melindrosa, na medida em que já apresenta uma balança comercial agrícola e agroalimentar fortemente deficitária (em torno de 3,7 mil milhões de euros) e o endividamento da economia portuguesa (Estado, empresas e famílias) eleva-se a 368,8% do PIB (Carregueiro, 2021), o que poderá vir a colocar dificuldades para o inevitável recurso a mais crédito em ordem ao incremento da importação de alimentos.

Acresce que nas últimas duas décadas a nossa superfície cultivada sofreu um decréscimo de 1,3 milhões de hectares (F. Avillez) precisamente por perda de viabilidade económica, pois de facto a generalidade dos solos portugueses são pouco férteis, nomeadamente muito pobres em matéria orgânica e, por outro lado, o clima mediterrânico, que predomina no País, proporciona temperaturas elevadas que favorecem o crescimento das plantas desde que não escasseie a água, só permitindo em geral uma agricultura competitiva recorrendo ao regadio, que abrange apenas uma pequena parte da área atualmente cultivada: 12% da superfície agrícola utilizável, segundo a FENAREG (2018).

Considerando o que precede e tendo em conta que o nível de dívida externa portuguesa é muito elevado, o risco de uma crise com o exterior, como já tivemos por três vezes desde o 25 de Abril, não fica afastado.

Receio então que se venha a regressar a uma balança alimentar semelhante à que existia antes da II Grande Guerra e que correspondia a um estado de subalimentação, refletido no baixo peso médio da população, na sua menor estatura e em muitas situações de fome, ao contrário do que se verifica atualmente, em que os jovens são mais altos que os seus antepassados criados antes do referido conflito mundial e cerca de 50 por cento da população apresenta um peso corporal excessivo.

A propósito das iniciativas da Comissão Europeia em matéria de produção biológica, importa ter em consideração a tese defendida pelo Eurodeputado Álvaro Amaro (2021) e que já terá merecido a aquiescência do Parlamento, no sentido que as ações previstas deverão privilegiar medidas que incentivem o lado da procura e não da oferta. Uma tese que também já defendi em reflexão publicada no Agroportal sob o título «Convencional vs Biológico – o Consumidor é quem decide».

Não obstante o declínio (económico, militar e científico) da UE relativamente a outros grandes blocos económicos, os decisores de Bruxelas continuam a afastar a biologia molecular do âmbito da agricultura, enquanto nos blocos cientificamente mais avançados se estão a registar progressos notáveis no melhoramento genético das plantas, inclusive foi conseguida a fixação biológica do azoto, através da aderência de micróbios às raízes, formando uma relação mutualista com a planta, nomeadamente com o milho, o trigo e o sorgo (culturas exigentes quanto à nutrição azotada e que ocupam amplas áreas no mundo). Acresce que, com esta nova tecnologia não se verificam perdas de azoto por lixiviação, escoamento superficial ou por volatilização, o que propociona vantagens ambientais notáveis, para além da poupança inerente à elevada energia necessária à síntese do amoníaco – base usada no fabrico da generalidade dos adubos azotados.

A propósito dos fertilizantes inorgânicos, que em Portugal são todos importados, congratulo-me com a decisão anunciada, no passado dia 13 de Abril, pelo Senhor Ministro do Ambiente e da Ação Climática, que considerou que o principal destino dos efluentes pecuários é a valorização agrícola: (sic) «ideal é mesmo a valorização e a valorização mais imediata é, obviamente, feita pelo espalhamento, não é feita pelo espalhamento sempre no mesmo sítio, mas nos sítios onde esta matéria orgânica faz falta». O Engenheiro Matos Fernandes explicou que (sic) «onde uns veem efluentes e solos saturados, a Estratégia Nacional para os Efluentes Agropecuários e Agroindustriais (ENEAPAI, 2030) vê fósforo e azoto que os solos mais pobres do país necessitam», acrescentando que esta estratégia vai minorar a importação de fertilizantes.

Estando eu inteiramente de acordo com a opinião expressa pelo Senhor Ministro, interrogo-me porém se a estratégia anunciada irá ser adequadamente interiorizada pelas entidades oficiais competentes, agilizando as autorizações para o espalhamento dos referidos subprodutos (que alguns ainda insistem em classificar como resíduos!), com vista à fertilização dos solos, na sua larga maioria pobres em matéria orgânica, azoto e fósforo e, consequentemente, se não forem fertilizados de forma adequada, proporcionarão baixas produtividades, retirando assim competitividade às culturas.

Manuel Chaveiro Soares

Engenheiro Agrónomo, Ph. D.

A ingratidão com que os agricultores europeus são tratados por políticos e alguns urbanos de caviar – Manuel Chaveiro Soares

Comente este artigo
Anterior Los lechones lideran las bajadas mientras que el porcino repite
Próximo Marcado aumento en los precios en origen del aceite de oliva

Artigos relacionados

Últimas

Pagamentos de Fevereiro 2018

No dia 28 de fevereiro de 2018 o IFAP procedeu a pagamentos, num montante total de cerca de57,0 milhões de euros*, […]

Nacional

300 escolas juntam-se à APCOI para incentivar portugueses a comer fruta

A APCOI – Associação Portuguesa Contra a Obesidade Infantil lançou no seu site (aqui)  uma campanha de âmbito nacional para incentivar os portugueses a seguirem o exemplo das 354 mil crianças que até […]

Últimas

How speech recognition techniques are helping to predict volcanoes’ behaviour

Dr Luciano Zuccarello grew up in the shadow of Mount Etna, an active volcano on the Italian island of Sicily. Farms and orchards ring the lower slopes of the volcano, […]