Brigido Chambra: «O olival tradicional não tem hipótese de concorrer no mercado internacional»

Brigido Chambra, produtor de 1300 hectares de olival, considera que o futuro do setor do azeite passa por reconverter os olivais tradicionais da Península Ibérica para sistemas de alta densidade. «Nós agricultores não temos mecanismos para aumentar o valor do azeite no mercado internacional, mas temos a capacidade de evoluir e produzir azeite muito por baixo dos atuais níveis de custos de produção, e isso passa pela reconversão do olival», refere o empresário e consultor da empresa Chambra Agrária, nesta entrevista à Agroglobal.

Comente este artigo
Anterior Projeto quer criar ilhas de biodiversidade em Vila Nova de Poiares e concelhos vizinhos
Próximo Mercadona adere ao pacto português para os plásticos

Artigos relacionados

Nacional

Sobre as recentes inundações do Baixo Mondego

Ao longo de séculos são vários os relatos da violência das cheias no rio Mondego e a sua elevada frequência (em média, […]

Notícias apoios

Ministério da Agricultura avalia estragos provocados pelo temporal de 31 de maio e estuda medidas de apoio aos produtores

O Ministério da Agricultura está a avaliar no terreno os efeitos provocados pelo temporal de domingo, dia 31 de maio, que afetaram sobretudo a região […]

Últimas

Pesticidas: primeiros relatórios de risco cumulativo publicados

A EFSA publicou os resultados das suas duas avaliações piloto sobre os riscos para os seres humanos de resíduos de vários pesticidas em alimentos. […]