Brasil desenvolve tomate para vencer o desafio das altas temperaturas

Brasil desenvolve tomate para vencer o desafio das altas temperaturas

Produzir tomate no Brasil é um verdadeiro desafio: vencer o clima tropical, o calor, a forte incidência de sol e a proliferação de pragas são os maiores obstáculos para os produtores deste país sul americano. Por este motivo, uma das principais armas é o melhoramento genético convencional, que produz variedades adaptadas às condições brasileiras.

Durante o último mês de junho, a revista VIDA RURAL esteve presente na 26ª Hortitec (Exposição Técnica de Horticultura, Cultivo Protegido e Culturas Intensivas). Ali tivemos a oportunidade de conhecer o que existe de mais avançado para este segmento que cresce exponencialmente no Brasil, tratando de equilibrar a balança comercial externa do país que é gigante na venda de grãos, mas ainda um nicho na comercialização de hortofrutícolas.

No stand da Embrapa Hortaliças conhecemos o lançamento de uma variedade que se destaca pelas suas características nutricionais. O tomate BRS Zamir apresenta altos teores de licopeno( um pigmento antioxidante eficiente no combate aos radicais livres no organismo).

Integrante de uma geração de híbridos enriquecidos, o tomate BRS Zamir faz parte do segmento “grape” e alcança até 144 mg/g de licopeno. Isso é muito significativo, uma vez que os teores de outros híbridos comerciais disponíveis no mercado brasileiro atingem apenas cerca  de 40 mg/g. Os frutos alongados do BRS Zamir possuem sabor adocicado com teor de sólidos solúveis de até 11° Brix.

“Outra característica de destaque desta cultivar é o gene que estimula o grau de bifurcação dos cachos, aumentando o número de frutos por penca. A cultivar é indicada para todas as regiões produtoras, em cultivo protegido ou em campo aberto no período seco. O tomate BRS Zamir apresenta potencial produtivo na ordem dos seis a oito quilos de frutos por planta quando cultivado em ambiente protegido”, aponta a Embrapa.

De acordo com Wanderson Mizael, do desenvolvimento de mercado da Seminis (negócio de sementes de Hortaliças da Bayer), o melhoramento genético é a peça chave para o tomate brasileiro. “O que é que a genética trabalha? É como se fosse um quebra-cabeças: na hora que se coloca uma peça, desencaixa outra. Por exemplo, se você insere um gene de resistência ao geminivírus, vai perder-se potencial produtivo, um Brix mais doce, a uniformidade de calibre – que é base da rentabilidade. Então haverá sempre um gap, por isso os programas de melhoramento nunca param. O nosso desafio é desenvolver a resistência, mas sem perder as qualidades”, explica ele.

Nesse sentido, a Seminis apresentou na Hortitec o Tomate Coronel, um híbrido que foi desenvolvido para as regiões Sudeste e Sul do Brasil. De acordo com a fabricante, possui “excelente potencial produtivo, além de excelente cobertura foliar prevenindo queima de frutos pelo sol”. Com produção de frutos firmes que variam de 200 a 230g com alto brilho, facto que chama atenção na banca, o Coronel possui elevada rusticidade e adaptabilidade mantendo um excelente comportamento em condições de cultivo de verão.

O líder de marketing e desenvolvimento de produto da América do Sul da Seminis, Fernando Guimarães, explica que além de possuir um excelente potencial produtivo, o híbrido produz frutos firmes que variam de 200 a 230g e que possuem alto brilho. “Esse é um fator que chama muito a atenção do consumidor na gôndola. Sabemos que o aspeto, sabor e praticidade são os fatores decisórios de compra do consumidor quando falamos em frutas e hortaliças. Por isso, é preciso estarmos atentos às necessidades do mercado, tanto para atender às expectativas dos produtores como dos consumidores”, detalha Guimarães.

Outro tomate desenvolvido para vencer as dificuldades da agricultura tropical brasileira é o Compack. Segundo a Seminis, é um tomate de plantas robustas, frutos com “excelente firmeza, paredes grossas, alta uniformidade de tamanho e formato. Frutos de elevada qualidade, brilhantes e com melhor classificação comercial. É o tipo ideal para saladas”.

Já o tomate Santawest é preparado para enfrentar um dos grandes desafios dessa cultura no Brasil: o vírus do mosaico do tomateiro (TYLCV). Além da resistência a esse vírus, o tomate do tipo grape tem um peso médio de 15 a 20g, que oferece um alto rendimento e excelente aparência, uma vez que possui uma cor vermelha mais intensa e alta tolerância ao rachamento de fruto. O sabor também é um diferencial: é mais adocicado, permitindo que seja servido como petisco.

Por fim, conferimos o tomate DRC 564, ou “Cocktail”, que é do tipo mini gourmet (18 a 22g/fruto) para colheita em pencas, com qualidade e aspecto que se destacam na gôndola. O fruto possui coloração vermelha bem atrativa, excelente aparência, sabor e doçura. Pode ser conduzido tanto em cultivo protegido, quanto em campo aberto. Possui alta resistência ao TSWV (um dos vírus causadores do Vira-Cabeça).

“O que nós estamos a produzir não é simplesmente um tomate, nem veneno que vai intoxicar as pessoas. O que está a ser produzido no Brasil é algo que vai nutrir e gerar saúde. Esse é o objetivo dos investigadores. Pensamos: o que um Coronel ou um Compack pode agregar de potencial produtivo e qualidade de fruto para o produtor? Mas também pensamos da porta para fora – o que vai ser gerado para o consumidor final, um alimento saudável, fresco por mais tempo”, conclui Wanderson Mizael.

Comente este artigo

O artigo foi publicado originalmente em Vida Rural.

Anterior Suinicultores obrigados a declarar porcos em agosto para controlo da doença de Aujeszky
Próximo Serviços dos ecossistemas vão ser remunerados

Artigos relacionados

Nacional

Ecologistas alertam para catástrofe dos incêndios florestais na Sibéria

Anualmente ocorrem grandes incêndios florestais em extensas áreas isoladas da Sibéria, ao ponto de as autoridades preferirem, por vezes, deixá-los continuar, […]

Dossiers

Oferta de emprego – Técnico Agrícola de Balcão Fitofarmacêutico – Engenheiro Agrónomo – Alcobaça

A Agriloja é a maior rede de lojas de livre serviço para animais e plantas, que apresenta soluções para os clientes “Faça você mesmo” e Profissional, […]

Últimas

A culpa mudou Pedrógão

Pedrógão está lindo. Repleto de verde, agressivos eucaliptos, vegetação rasteira, flores roxas e amarelas. Passados dois anos do incêndio que vitimou 66 pessoas, […]