Biotecnologia: revolução agrícola “ao virar da esquina”

Biotecnologia: revolução agrícola “ao virar da esquina”

Nature Plants sublinha vantagens das novas técnicas de edição do genoma mas alerta para três aspetos cruciais que ainda é necessário colmatar.

“O rápido desenvolvimento das biotecnologias de plantas está a moldar de forma profunda o melhoramento de culturas e a catalisar a próxima revolução na agricultura”, escreve-se num editorial recém-publicado pela Nature Plants, intitulado Engenharia de culturas de nova geração (Next-generation crop engineering).

O melhoramento de culturas já não tem de estar dependente das mutações que ocorrem naturalmente e as variações geradas de modo artificial podem ser a matéria-prima para um melhoramento adicional, advoga-se no referido texto. “Um espectro muito mais alargado do espaço fenotípico está pronto para exploração, permitindo o desenvolvimento de fenótipos ideais adaptados aos ambientes heterogéneos da Terra, ou até do Espaço”, defendem os autores do artigo, concluindo que “uma nova revolução agrícola movida pela biotecnologia pode estar já ao virar da esquina”.

O editorial refere a promessa e as vantagens das novas técnicas de edição do genoma, nomeadamente face ao melhoramento clássico, mas não só. E alerta para três fatores cruciais que ainda estão em falta para conseguir níveis elevados de variação através da edição genética: 1) uma melhor compreensão dos reguladores-chave para genes importantes do ponto de vista evolutivo ou do desenvolvimento; 2) conseguir dissecar redes de genes que controlam fenótipos de interesse e redes reguladoras em cis que afetam a expressão dos genes; 3) estabelecer procedimentos de transformação e regeneração estáveis e eficientes, para a maioria das espécies.

A menos que a edição genética in planta seja desenvolvida rapidamente, o melhoramento baseado na edição de genes será incapaz de beneficiar espécies recalcitrantes. É ainda recordada a existência de estratégias alternativas para a engenharia de culturas de nova geração, como a transfeção de RNA viral em spray, que permite o ajuste temporário características agronómicas sem modificação do material genético.

O artigo foi publicado originalmente em InnovPlantProtect.

Comente este artigo
Anterior Lusomorango defende modernização do Perímetro do Mira
Próximo Praga de ratos está a destruir plantações e a horrorizar leste da Austrália

Artigos relacionados

Eventos

Colóquio sobre controlo de Drosophila suzukii – 9 de maio – Fundão

Na tarde do dia 9 de Maio, o Casino Fundanense, no Fundão, vai acolher o “Colóquio mosca Drosophila suzukii, uma ameaça à produção de cereja: Estratégias para o seu controlo”. […]

Sugeridas

1.º Maio: Trabalhadores dos hipermercados estão em greve

[Fonte: Observador] Funcionários do Pingo Doce, Continente, Jumbo e Minipreço são alguns dos trabalhadores da rede de grande distribuição de produtos que paralisam à semelhança do que aconteceu em anos anteriores. […]

Nacional

13.500 bombeiros voluntários receberam formação em fogos florestais em cinco anos


Cerca de 13.500 bombeiros voluntários receberam formação na área de fogos florestais nos últimos cinco anos, revelou hoje à […]