Atualização da zona demarcada para Trioza erytreae – Psila Africana dos Citrinos – 26 agosto 2020

Atualização da zona demarcada para Trioza erytreae – Psila Africana dos Citrinos – 26 agosto 2020

Nos termos e para os efeitos estabelecidos nos números 1 a 3 do artigo 5.º, da Portaria n.º 142/2020, de 17 de junho, que estabelece medidas de proteção fitossanitária adicionais destinadas à erradicação no território nacional do inseto de quarentena Trioza erytreae Del Guercio, determino:

  1. É atualizada a zona demarcada para a Trioza erytreae, integrada pela lista das freguesias infestadas, das freguesias totalmente abrangidas pela zona tampão e das freguesias parcialmente abrangidas pela zona tampão, bem como o mapa da zona demarcada, constantes do Anexo ao presente despacho.
  2. Nos termos do n.º 2, do artigo 5.º, da Portaria n.º 142/2020, de 17 de junho, publique-se o presente despacho no sítio da Internet da DGAV.
  3. É revogado, pelo presente, o Despacho n.º 23/G/2020, de 28 de julho de 2020.
  4. O presente despacho entra em vigor no dia imediatamente seguinte ao da sua publicação.

Lisboa, 26 de agosto de 2020

→ Consulte o Despacho n.º 25/G/2020 na íntegra ←

Dever de informação da presença da praga

Qualquer proprietário, usufrutuário ou rendeiro de vegetais hospedeiros, e qualquer operador profissional que produza ou comercialize material vegetal hospedeiro e que tenha conhecimento ou que suspeite da presença do inseto vetor Trioza erytreae Del Guercio, deve informar de imediato os serviços de inspeção fitossanitária da respetiva Direção Regional de Agricultura e Pescas (DRAP) ou a Direção-Geral de Alimentação e Veterinária (DGAV).

Considerando que o estabelecimento e a aplicação de medidas de proteção fitossanitária são atividades que perseguem o objetivo de interesse público de salvaguarda de situações que coloquem em risco a fitossanidade e o ambiente, conforme definido no artigo 17.º do Regulamento (UE) n.º 2016/2031, na sua redação atual os proprietários, usufrutuários ou rendeiro dos vegetais hospedeiros, bem como todos aqueles elencados na já referida Portaria 142/2020 estão obrigados a:

Medidas a aplicar por pessoas que não sejam operadores profissionais

a) Realizar tratamentos fitossanitários a esses vegetais com os produtos fitofarmacêuticos autorizados e cuja listagem é disponibilizada no sítio da Internet da DGAV e manter um registo da realização dos tratamentos, designadamente dos produtos utilizados, doses e datas de aplicação.

b) Em caso de presença de sintomas da Trioza erytreae Del Guercio, proceder de imediato ao corte dos ramos infestados e destruir os detritos vegetais pelo fogo, por trituração ou enterramento no local;

c) Não movimentar para fora do local qualquer vegetal ou parte de vegetal hospedeiro, exceto frutos e sementes.

Segundo a Circular n.º 4 da Estação de Avisos de Entre Douro e Minho, “se observar estes sintomas nas suas árvores, deve aplicar, um inseticida homologado (profissional: EPIK SG, EPIK SL; não profissional: POLYSECT ULTRA PRONTO). Não aplique qualquer inseticida se as árvores tiverem flores abertas ou prestes a abrir.”

Atualização da zona demarcada para Trioza erytreae – Psila Africana dos Citrinos – 28 julho 2020

Comente este artigo
Anterior Previsão período alargado - 31 ago. a 27 set. 2020
Próximo Secretário de Estado João Catarino reuniu em Oleiros para apresentar novas medidas dedicadas à Floresta

Artigos relacionados

Nacional

Incêndios: Risco máximo em seis distritos do interior Norte

Os distritos em causa são os de Coimbra, Castelo Branco, Vila Real, Viseu, Bragança e Guarda.
Os restantes distritos têm concelhos em risco muito elevado ou elevado, […]

Últimas

Nuno Russo: É necessário criar estratégias que incluam a saúde humana, animal e o meio ambiente

O Secretário de Estado da Agricultura e do Desenvolvimento Rural, Nuno Russo, afirmou que «é necessário criar estratégias que incluam a saúde humano, animal e o meio ambiente». […]

Últimas

Há casas reconstruídas em zonas de incêndio que não são antifogo florestal

As casas antifogo florestal devem ter uma cobertura em betão ou em terraço, propõe uma equipa do Instituto Superior Técnico, da Universidade de Lisboa, […]