Atualização da zona demarcada para Trioza erytreae – Psila Africana dos Citrinos – 28 julho 2020

Atualização da zona demarcada para Trioza erytreae – Psila Africana dos Citrinos – 28 julho 2020

A DGAV procedeu à publicação do Despacho n.º 23/G/2020 de 28 de julho, relativo à atualização da Zona Demarcada para Trioza erytreae, dando cumprimento ao estabelecido no n.º 2 do artigo 5.º da Portaria nº 142/2020, de 17 de junho, que estabelece medidas de proteção fitossanitária adicionais destinadas à erradicação no território nacional do inseto de quarentena Trioza erytreae.

→ Consulte o Despacho n.º 23/G/2020 na íntegra ←

Dever de informação da presença da praga

Qualquer proprietário, usufrutuário ou rendeiro de vegetais hospedeiros, e qualquer operador profissional que produza ou comercialize material vegetal hospedeiro e que tenha conhecimento ou que suspeite da presença do inseto vetor Trioza erytreae Del Guercio, deve informar de imediato os serviços de inspeção fitossanitária da respetiva Direção Regional de Agricultura e Pescas (DRAP) ou a Direção-Geral de Alimentação e Veterinária (DGAV).

Considerando que o estabelecimento e a aplicação de medidas de proteção fitossanitária são atividades que perseguem o objetivo de interesse público de salvaguarda de situações que coloquem em risco a fitossanidade e o ambiente, conforme definido no artigo 17.º do Regulamento (UE) n.º 2016/2031, na sua redação atual os proprietários, usufrutuários ou rendeiro dos vegetais hospedeiros, bem como todos aqueles elencados na já referida Portaria 142/2020 estão obrigados a:

Medidas a aplicar por pessoas que não sejam operadores profissionais

a) Realizar tratamentos fitossanitários a esses vegetais com os produtos fitofarmacêuticos autorizados e cuja listagem é disponibilizada no sítio da Internet da DGAV e manter um registo da realização dos tratamentos, designadamente dos produtos utilizados, doses e datas de aplicação.

b) Em caso de presença de sintomas da Trioza erytreae Del Guercio, proceder de imediato ao corte dos ramos infestados e destruir os detritos vegetais pelo fogo, por trituração ou enterramento no local;

c) Não movimentar para fora do local qualquer vegetal ou parte de vegetal hospedeiro, exceto frutos e sementes.

Segundo a Circular n.º 4 da Estação de Avisos de Entre Douro e Minho, “se observar estes sintomas nas suas árvores, deve aplicar, um inseticida homologado (profissional: EPIK SG, EPIK SL; não profissional: POLYSECT ULTRA PRONTO). Não aplique qualquer inseticida se as árvores tiverem flores abertas ou prestes a abrir.”

Comente este artigo
Anterior OMV apresenta posição sobre a demissão do diretor-geral da DGAV e proposta do PAN
Próximo Projeto de Desenvolvimento Agrícola do Vouga - Bloco do Baixo Vouga Lagunar

Artigos relacionados

Notícias florestas

Incêndios: Pedida indemnização de 1,8 ME a favor do Estado por fogo em Monchique

O Ministério Público (MP) deduziu um pedido de indemnização cível a favor do Estado português e contra a EDP Distribuição e um colaborador, de 1,8 milhões de euros, pelos custos suportados no […]

Sugeridas

“Suficiência” e território: a acção climática terá de passar também por aí

O Douro Superior será uma das áreas que mais desafios terá de enfrentar por causa das alterações climáticas […]

Nacional

Floricultores reclamam linha de 30 milhões de euros prometida pelo Governo

Os produtores nacionais de flores e plantas reclamam urgência na criação da linha de crédito que tinha sido anunciada pela ministra da Agricultura, para o setor. A pandemia afetou fortemente os […]